Variante Omicron evita imunidade natural melhor que a delta: estudo

Por Zachary Stieber

A variante Omicron do vírus do PCC (Partido Comunista Chinês) é melhor em evitar a imunidade de infecção anterior do que as variantes Delta e Beta, de acordo com pesquisadores na África do Sul.

Cientistas do país analisaram dados de vigilância e dizem que os números indicam que o risco de reinfecção triplicou entre o início de outubro e o final de novembro.

“Encontramos evidências de um aumento substancial e contínuo no risco de reinfecção que é temporalmente consistente com o momento do surgimento da variante Omicron na África do Sul, sugerindo que sua vantagem de seleção é pelo menos parcialmente impulsionada por uma maior capacidade de infectar anteriormente indivíduos infectados ”, escreveu a professora Juliet Pulliam, diretora do Centro Sul-Africano para Modelagem e Análise Epidemiológica, e outros cientistas no artigo pré-impresso.

Os modeladores retiraram registros de quase 2,8 milhões de pessoas com teste positivo para COVID-19 pelo menos 90 dias antes de 27 de novembro. Dessas pessoas, 35.670 eram suspeitas de terem sido infectadas novamente. Um caso era contado como uma reinfecção se uma pessoa testasse positivo pelo menos 90 dias após seu primeiro resultado. Um subconjunto das reinfecções aconteceu em outubro e novembro.

A amostragem genômica mostrou que a variante Omicron estava presente na África do Sul em 8 de novembro, mais de uma semana depois de chegar à Nigéria.

Os dados mostram que a média móvel de 7 dias de suspeitas de reinfecções, 250,7, ainda é inferior ao pico de 349,1 visto em 19 de setembro. Ainda assim, a média está aumentando após uma queda depois do pico.

Os dados de vigilância listaram o estado de vacinação daqueles que tiveram resultado positivo, deixando os cientistas inseguros se a diminuição na proteção também será observada nos vacinados.

“Não temos informações sobre o estado de vacinação dos indivíduos em nosso conjunto de dados e, portanto, não podemos avaliar se a Omicron também evita a imunidade derivada da vacina”, disse Pulliam em um comunicado.

As limitações do estudo foram listadas como incluindo grandes diferenças nas taxas de detecção de casos COVID-19 em todo o país, e reinfecções não sendo confirmadas por sequenciamento. Alguns cientistas externos duvidam das descobertas.

Não se pode dizer que as reinfecções foram da Omicron devido à falta de sequenciamento, escreveu no Twitter o Dr. Muge Cevik, especialista em doenças infecciosas da Universidade de St. Andrews.

“O aumento do risco de reinfecção é plausível, mas parece muito cedo para estimar o risco relativo”, disse ela.

Os casos de COVID-19 na África do Sul têm aumentado rapidamente nas últimas semanas, gerando preocupação em todo o mundo com a variante Omicron. As autoridades relataram 11.535 novos casos de COVID-19 em 2 de dezembro, um aumento de 25% em relação ao dia anterior e 98% em 2 de novembro.

Embora demore tempo para obter e sequenciar as amostras, “parece que há uma predominância de Omicron”, disse Anne von Gottberg, microbiologista do Instituto Nacional de Doenças Transmissíveis do país, em uma coletiva de imprensa organizada pela Organização Mundial de Saúde.

Os pesquisadores também disseram que a imunidade natural provavelmente ainda fornece proteção contra doenças graves.

“Acreditamos que eles ainda estão protegidos de doenças graves e sintomáticas que requerem internação”, disse von Gottberg. “É preciso esperar mais uma ou duas semanas para ver o que está acontecendo para permitir o curso clínico desses casos.”

 

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas