Valor de limite de ciclo para diagnóstico do vírus do PCC é desconhecido, afirmam especialistas

Por Meiling Lee

Desde o início da pandemia do vírus do PCC (Partido Comunista Chinês), os legisladores nos Estados Unidos têm contado fortemente com o número de casos diários positivos – confirmados por um teste RT-PCR – para tomar suas decisões sobre o políticas sobre quando os estados podem reabrir totalmente.

Uma vez que a taxa de infecção é um critério tão importante para determinar quando esses estados podem reabrir, é essencial que os centros de teste relatem não apenas o resultado positivo de um teste de PCR, mas também o valor do limiar de ciclo (Ct) que mede a carga viral.

O valor limite do ciclo é o número de amplificações necessárias para que a máquina de teste detecte o material genético do vírus, fornecendo informações valiosas sobre se uma pessoa está infectada ou em risco de sintomas graves de COVID-19.

“Quanto menos o número de ciclos, mais vírus está presente”, disse o Dr. William W. Li, médico, cientista de renome internacional e autor do best-seller do New York Times”Coma para prevenir doenças: a nova ciência de como o corpo pode se curar”,  ao Epoch Times, , em entrevista anterior. “Quanto maior o número de ciclos necessários para coletar os sinais do vírus, menor será sua presença”.

Saber o limite do ciclo de um teste de PCR permite que o governo e as autoridades de saúde pública avaliem melhor se há uma disseminação grave do vírus ocorrendo em uma área e tomem as medidas adequadas, em vez de apenas recorrer a bloqueios.

Embora os defensores das paralisações digam que ajudaram a desacelerar a disseminação da COVID-19, muitos outros, incluindo especialistas renomados, alertam contra tais medidas extremas.

O Dr. David Nabarro, enviado especial da Organização Mundial da Saúde (OMS) para a COVID-19, exortou os líderes mundiais a não usarem isolamento “como principal meio de controlar este vírus”, em entrevista ao The Espectador no início deste mês.

“A única vez que achamos que uma paralisação seria justificada seria para ganhar tempo para se reorganizar, reagrupar, reequilibrar seus recursos, proteger seus trabalhadores de saúde que estão exaustos, mas em geral preferimos não fazer isso”, disse Nabarro.

Mais de 40.000 médicos e cientistas em todo o mundo que concordam com Nabarro assinaram a Grande Declaração de Barrington, que afirma que “as políticas de fechamento atuais estão produzindo efeitos devastadores na saúde pública a curto e longo prazo. Os resultados (para citar alguns) incluem taxas de vacinação infantil mais baixas, piores resultados de doenças cardiovasculares, menos exames de câncer e deterioração na saúde mental, levando a um maior excesso de mortalidade nos próximos anos, com o a classe trabalhadora e os membros mais jovens da sociedade carregando o fardo mais pesado”.

A declaração também obteve o apoio de mais de 500.000 cidadãos preocupados com os muitos efeitos negativos dos fechamentos.

Os autores da declaração estão abordando as preocupações sobre os nomes falsos que assinaram a declaração. Eles escreveram no site: “As assinaturas falsas representam menos de 1% do total e a maioria foi removida do rastreador de contagem”.

Funcionários da Casa Branca disseram a repórteres em uma teleconferência em 12 de outubro que a política do presidente – focada em proteger os idosos vulneráveis ​​e de alto risco, abrir escolas e restaurar a sociedade – está alinhada com o que “os principais epidemiologistas e especialistas em políticas de saúde têm dito, isto é, os fechamentos não eliminam o vírus; fechamentos são extremamente prejudiciais. ”

Um funcionário do laboratório EqualTox processa testes de COVID-19 em Tustin, Califórnia, em 3 de setembro de 2020 (John Fredricks / The Epoch Times)
Um funcionário do laboratório EqualTox processa testes de COVID-19 em Tustin, Califórnia, em 3 de setembro de 2020 (John Fredricks / The Epoch Times)

Não há valor limite de ciclo padrão

Não existe um padrão universal para o limite de corte para testes de PCR usados ​​nos Estados Unidos para um diagnóstico positivo, pois o governo federal não toma essa decisão.

“Os limites de Ct para vários ensaios baseados em PCR são definidos como parte dos FDA Emergency Use Agreements (USAS) para cada teste – eles são específicos para cada teste”, escreveu um porta-voz do CDC em um e-mail para o Epoch Times.

“Em geral, o CDC não desenvolve um guia de corte de Ct, pois isso é tipicamente inato aos testes (alguns dos quais são provávelmente patenteados). A orientação do CDC gira em torno do ensaio original desenvolvido por nosso laboratório.”

O limite do ciclo de corte para o teste de PCR do CDC é de 40 ciclos, um valor que muitos especialistas médicos acreditam dar falsos positivos, pois fragmentos de um vírus morto podem ser coletados.

O limite do ciclo de corte para muitos dos fabricantes de teste de PCR na avaliação independente da Foundation for Innovative New Diagnostics de vários testes de PCR é definido em cerca de 40 ciclos para uma amostra positiva.

Em um documento [pdf] do Kansas Health and Environment Laboratories, o valor de corte do limite de ciclo para o teste de PCR usado no estado foi revelado em 42 ciclos.

“O valor Ct é determinado pelo fabricante de cada teste para maximizar a sensibilidade do respectivo teste. Temos usado e continuamos a usar vários sistemas que podem ter diferentes pontos de corte, mas todos foram validados para determinar a presença ou ausência do vírus”, disse Kristi Zears, diretora de comunicações do Departamento de Saúde e Meio Ambiente do Kansas, ao Epoch Times via e-mail, quando questionada sobre o limite máximo do ciclo de corte.

O valor do limite do ciclo de corte varia em discussões na comunidade científica, mas geralmente varia entre 25 e 30, com o consenso de que os pacientes não podem infectar outras pessoas acima desses números.

Dois estudos anteriores que cultivaram com sucesso o vírus do PCC a partir de amostras positivas encontraram uma correlação entre a viabilidade do vírus em cultura de células e o valor limite do ciclo de um teste de PRC.

Um estudo de 90 amostras de COVID-19 positivas mostrou que não havia “nenhuma cultura viral positiva com um Ct maior que 24 ou STT [início dos sintomas a serem testados] maior que 8 dias. As chances de uma cultura positiva foram reduzidas em 32 por cento para cada unidade de aumento de Ct”.

Outro estudo de cultura viral de 183 amostras positivas de 155 pacientes do Instituto de Infecções do Hospital Universitário Mediterrâneo em Marselha, França, relatou que os pacientes com valores limiares de 34 ou mais não “liberaram partículas virais infecciosas”. O estudo também descobriu que a infectividade era mais alta com valores de Ct de 13-17, enquanto com um valor de 33 Ct, a taxa de positividade da cultura era de apenas 12 por cento.

No estudo mais recente publicado na Clinical Infectious Diseases, os pesquisadores examinaram 3.790 amostras positivas para COVID-19 com valores Ct conhecidos para descobrir se alguma poderia ser cultivada in vitro. Eles descobriram que para amostras com valores de Ct de 25 ou menos, cerca de 70 por cento poderiam ser cultivadas, o que significa que uma carga viral mais alta é considerada mais contagiosa.

A sensibilidade do teste de PCR leva a falsos positivos

Os testes de PCR são conhecidos por sua sensibilidade em detectar a menor partícula viral, independentemente de ser um vírus vivo ou não viável, e amplificá-lo milhões de vezes, o que pode resultar em sobrediagnóstico de COVID-19.

Em um guia atualizado para profissionais de saúde, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) disseram que os dados mostram “que se a pessoa que se recuperou do COVID-19 for retestada dentro de 3 meses Após a infecção inicial, ela poderá ainda testar positivo, mesmo que ela não esteja disseminando a COVID-19″.

“O PCR, como mencionei, procura fragmentos de RNA, por isso ele é muito sensível, mas pode ser muito sensível para a COVID-19”, disse a Dra. Christy Risinger, médica do Texas, em um vídeo sobre o teste. de COVID-19.

“Sabemos que cerca de uma semana depois de serem infectadas com SARS-CoV-2, as pessoas não podem mais infectar outras, mas ainda terão resultado positivo para o PCR porque ainda terão partes do vírus dentro de seus corpos.”

SARS-CoV-2 é outro nome para o vírus do PCC que causa COVID-19.

De acordo com um relato de caso, um paciente continuou com teste positivo em um teste de PCR por 62 dias após o início dos sintomas, embora o “vírus não pudesse ser isolado após o dia 18”.

Em outro estudo de caso, uma enfermeira registrada testou positivo para COVID-19 por 29 dias, enquanto ela havia permanecido assintomática por 23 dias após o início dos sintomas. Ela só conseguiu voltar ao trabalho depois que foi determinado que ela não poderia infectar outras pessoas, pois seu último teste de PCR tinha um valor Ct de 38.

Com informações de Emel Akan

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas