Uso excessivo de aparelhos multimídia pode danificar o cérebro, apontam cientistas

Pesquisadores descobriram uma relação entre o uso de aparelhos multitarefa com uma redução da massa cinzenta do cérebro.

A estrutura do nosso cérebro, particularmente a massa cinzenta, pode estar diminuindo graças ao uso simultâneo de celulares e dispositivos multitarefa, segundo revelou um estudo da Universidade de Sussex, nos Estados Unidos, publicada em 24 de setembro.

“As pessoas que frequentemente usam vários dispositivos multimídia ao mesmo tempo têm menor densidade de matéria cinzenta em uma região particular do cérebro em comparação com aqueles que utilizam um único dispositivo de vez em quando”, disse a pesquisa.

“A região afetada do cérebro, conhecida como Córtex Cingulado Anterior (CCA), é responsável principalmente pelas funções cognitivas e de controle emocional”.

A pesquisa apoia estudos anteriores que demonstraram uma relação entre trabalhar com equipamentos multitarefa e “a falta de atenção devido ao surgimento de distrações, assim como problemas emocionais como depressão e ansiedade”.

Leia também:
Google entra no clima de Star Wars
‘A ilha que cresce’: fenômeno inexplicável deixa o terreno 12 vezes maior

Os neurocientistas Kep Kee Loh e Dr. Ryota Kanai explicaram que agora é necessário realizar uma pesquisa a longo prazo para determinar a razão do vínculo entre a utilização dos aparelhos e essa região do cérebro, e assim definir se realmente são os dispositivos que conduzem à redução, ou se as pessoas com menor matéria cinzenta se sentem mais atraídas por um número maior de meios de comunicação.

Os pesquisadores examinaram 75 adultos quanto ao uso de telefones celulares, laptops, computadores, televisão e outras mídias.

Os equipamentos “multimídia estão cada vez mais presentes em nossas vidas hoje em dia, e há uma crescente preocupação quanto ao seu impacto sobre o nosso conhecimento e bem-estar social e emocional. Nossa pesquisa foi a primeira a revelar as ligações entre multi-mídia e a estrutura cerebral”, destacaram Kep Kee Loh e Kanai.

Anteriormente, eles já haviam demonstrado que a estrutura do cérebro pode ser alterada após uma exposição prolongada a novos ambientes e experiências. Eles descobriram que as vias neurais e sinapses podem mudar dependendo do comportamento da pessoa, do ambiente e das emoções.

A pesquisa de Kep Kee Loh e Dr. Ryota Kanai descobriu que a densidade de matéria cinzenta na região destacada do cérebro (o Córtex Cingulado Anterior) foi negativamente associada com a quantidade de utilização de aparelhos eletrônicos multitarefa, como celulares, laptops, etc (Universidade de Sussex)
A pesquisa de Kep Kee Loh e Dr. Ryota Kanai descobriu que a densidade de matéria cinzenta na região destacada do cérebro (o Córtex Cingulado Anterior) foi negativamente associada com a quantidade de utilização de aparelhos eletrônicos multitarefa, como celulares, laptops, etc (Universidade de Sussex)

Leia também:
3D Touch da Apple, a revolução dos smartphones
Litro de Luz: solução eficaz e barata para geração de energia sustentável

Estas alterações podem acontecer no nível celular, como é o caso da aprendizagem e da memória, mas também podem ser geradas com um remapeamento cortical, em que por exemplo algumas funções específicas de uma região do cérebro que está danificada podem se atribuir para uma região intacta.

Outros estudos têm demonstrado que é possível aumentar a massa cinzenta em certas áreas específicas, através do treinamento de malabarismos, por exemplo, ou aprendendo o mapa de Londres, no caso dos motoristas de táxi.

“Os mecanismos exatos destas alterações ainda não são conhecidos”, disse Kep Kee Loh.

“Embora seja concebível que os indivíduos com pequeno Córtex Cingulado Anterior (CCA) sejam mais suscetíveis à utilização de dispositivos multitarefa devido à reduzida capacidade cognitiva ou regulação sócio-emocional inferior, é igualmente plausível que os níveis mais elevados de exposição a situações multitarefa possam levar a mudanças estruturais no CCA. É preciso que seja feito um estudo longitudinal para determinar inequivocamente a direção da causalidade”, concluiu o Dr. Kep Kee Loh.

Leia também:
Smartphone da Pepsi agora é oficial
Gêmeos começam a interagir já nas 14 semanas de gravidez

 
Matérias Relacionadas