“Um aniversário que não deveria acontecer”: duas décadas de perseguição ao Falun Gong na China

A manifestação marca o 20º aniversário da campanha de perseguição lançada contra os adeptos do Falun Gong pelo Partido Comunista Chinês, em 20 de julho de 1999

Por Joan Delaney e Lily Liu

Os adeptos da antiga prática de meditação chinesa do Falun Gong se reuniram em Ottawa, nesta semana, para protestar contra 20 anos de uma violenta campanha de perseguição contra seus companheiros na China.

Reunidos em frente à Embaixada da China em 18 de julho, os praticantes vestidos de amarelo demonstraram sua causa colocando cartazes e realizando os tradicionais exercícios da prática.

Unindo-se a eles estavam dois proeminentes ativistas de direitos humanos canadenses: Alex Neve, o secretário-geral da Anistia Internacional do Canadá, e o rabino Dr. Reuven Bulka, líder da Congregação Machzikei Hadas em Ottawa e autor de mais de 30 livros.

A manifestação marcou o 20º aniversário da campanha de perseguição lançada contra os adeptos do Falun Gong pelo Partido Comunista Chinês, em 20 de julho de 1999. Um comunicado divulgado pela Associação do Falun Dafa do Canadá diz que o objetivo da campanha é erradicar o Falun Gong. Disciplina também chamada Falun Dafa que defende os princípios da verdade, compaixão e tolerância.

“Milhões de pessoas foram sequestradas ou presas, centenas de milhares foram torturadas ou sofreram terríveis abusos sob custódia, e milhares foram torturados até a morte – e esses são apenas os casos que conhecemos”, diz o comunicado.

Neve abriu seu discurso dizendo: “Este é um aniversário que não deveriamos relembrar. Este é um aniversário que não deveria estar acontecendo ”.

“Nós nos reunimos para comemorar 20 anos, mas nunca deveríamos ter chegado a um ano. Porque estamos relembrando 20 anos de implacáveis e cruéis violações de direitos humanos – duas décadas do governo chinês persistindo com uma campanha de difamação, perseguição e violência contra os praticantes do Falun Gong ”, disse ele.

Alex Neve, Secretário Geral da Anistia Internacional do Canadá, fala na manifestação do Falun Gong em frente à Embaixada da China em Ottawa em 18 de julho de 2019 (Donna He / The Epoch Times)

‘Aniversário Sombrio’

Neve levantou a questão de Sun Qian, uma cidadã canadense e praticante do Falun Gong que está encarcerada na China há mais de dois anos. Ele descreveu o caso da Sun como de “profunda preocupação” devido ao fato de que “ela, como praticamente todos os prisioneiros do Falun Gong, foi submetida a tortura, tratamento cruel, condições severas nas prisões e um sistema legal totalmente injusto”.

Ele também mencionou os prisioneiros de consciência do Falun Gong na China que têm familiares próximos no Canadá, como Paul Li e Hongyan Lu, ambos residentes de Toronto.

“Estive aqui em frente à Embaixada nos últimos anos com Paul Li, cujo pai Li Xiaobo está preso, e com Hongyan Lu, cuja mãe Huixia Chen, também permanece presa”, disse ele.

“Eu mantenho Sun Qian, Li Xiaobo e Huixia Chen em meu coração enquanto nos reunimos aqui hoje para marcar este aniversário sombrio.”

O rabino Bulka, como ex-presidente da Trillium Gift of Life Network, agência de doação de órgãos e tecidos de Ontário, falou sobre a questão da extração forçada de órgãos na China, onde os prisioneiros de consciência do Falun Gong são direcionados para abastecer a indústria multibilionária de colheita de órgãos sancionada pelo Estado. De acordo com várias investigações, inclusive do ex-deputado canadense David Kilgour e do advogado de direitos humanos David Matas, as vítimas são mantidas vivas enquanto o órgão é removido para que o órgão permaneça fresco.

“Eu estou envolvido na doação de órgãos há tantos anos. … Qualquer organização que diga: “Venha até nós, e por cerca de US$ 200.000 nós lhe daremos um novo rim e, se esse novo rim não funcionar, teremos outro rim de reserva para você em outra semana” – isso é impossível ”, disse Bulka, referindo-se à extraordinária velocidade com que os órgãos podem ser adquiridos na China.

“Aqui no Canadá, em Ontário, estamos muito avançados e, se você pegar um rim dentro de dois ou três anos, terá sorte”, explicou ele. “Qualquer um que diga, ‘Vou te dar outro rim em uma semana depois disso, se não funcionar’, é totalmente maluco, a menos que eles tenham um exército inteiro de pessoas que estejam prontas para matar para que esses órgãos estejam disponíveis.”

“Os membros do Falun Gong estão sendo assassinados para que outros possam viver. Isso é uma tragédia, um horror e uma atrocidade inacreditável ”.


“Acabar com esta atrocidade agora mesmo”

Ambos terminaram seus discursos com uma mensagem que refletia o propósito da manifestação: estimular o governo canadense a pedir publicamente ao regime chinês que pusesse fim à campanha de perseguição ao Falun Gong.

Neve descreveu a perseguição como “20 anos de tristeza e sofrimento”. “Mas,” ele observou, “vinte anos, também, de resiliência, determinação e um profundo compromisso com os direitos humanos. Vinte anos de voltar aqui, não importa o que, para fazer a demanda simples, convincente e irrefutável: acabar com a repressão. Respeite os direitos humanos. ”

“Acabem com essa atrocidade agora – não amanhã e nem depois de amanhã, mas agora”, disse Bulka, enquanto encoraja os praticantes a permanecerem fortes.

“Você não desistiu”, disse ele. “Nunca desista. Você é implacável, você é forte, você é determinado, e você fica obstinado e diz: ‘Esses são nosso povo, nós os representamos, sentimos por eles, estamos lutando por eles e vamos lutar até o fim para ter certeza que eles se tornam livres.

“Minha comunidade judaica inteira está 1000% apoiando vocês”, acrescentou ele. “Nós queremos que vocês sejam livres.”

(Esq-dir) Xun Li, presidente da Associação do Falun Dafa do Canadá; Alex Neve, Secretário Geral da Anistia Internacional do Canadá; Rabino Dr. Reuven Bulka; e a praticante do Falun Gong de Ottawa, Grace Wollensak, participam da manifestação marcando o 20º aniversário da perseguição do regime chinês ao Falun Gong, em Ottawa, em 18 de julho de 2019 (Donna He / The Epoch Times)

Direitos Humanos e comércio

Em uma entrevista após o evento, Neve disse que, apesar das crescentes tensões entre a China e o Canadá nos últimos meses, é imperativo que Ottawa coloque os direitos humanos na linha de frente em suas negociações com Pequim.

“Todos sabemos que este é um momento muito difícil no relacionamento Canadá-China, e há muitos fatores que o Canadá está equilibrando na navegação pelas cordas que existem agora entre Pequim e Ottawa, mas certamente hoje nós reiteramos que é muito importante que os direitos humanos precisam estar na linha de frente de tudo no relacionamento Canadá-China ”, disse ele – incluindo o comércio.

“Acredito que muitos de nós têm preocupações há muitos anos que, no relacionamento, o comércio muitas vezes tem precedência sobre as questões de direitos humanos – é desconfortável ou difícil levantar ou pressionar questões de direitos humanos quando a maior preocupação é aumentar o comércio e aprofundar investimento.

“Eu acho que é absolutamente imperativo que o trade-off chegue ao fim e, em vez disso, que o Canadá busque uma relação comercial com a China que inclua considerações de direitos humanos a cada passo que significaria que estamos usando todas as aberturas, todas as oportunidades para alavancar preocupações com direitos humanos, incluindo quando o comércio está na mesa.”

Bulka disse em uma entrevista que é lamentável que Bill S240 – legislação que visa criminalizar o turismo de órgãos – não tenha conseguido passar antes que a sessão parlamentar terminasse no verão.

“Esta é uma questão de vida e morte. Pessoas estão sendo mortas. Enquanto estamos falando, elas estão sendo mortas para fornecer órgãos para as pessoas que pagam, então todo dia é um dia perdido. Todos os dias, as pessoas estão morrendo desnecessariamente. Então é isso – é uma emergência ”, disse ele.

“É uma pena que [a lei] não tenha sido aprovada porque não tenho dúvidas de que quando a lei estiver em vigor… haverá menos pessoas procurando [órgãos], menos demanda, e isso significa menos pessoas sendo mortas. ”

 
Matérias Relacionadas