Ucrânia mostra os perigos de uma guerra duradoura

O perigo nesse cenário, como a experiência mostrou, é que a atenção do público diminui

Por Morgan Deane

Comentário

A invasão russa da Ucrânia mostrou como uma longa guerra pode esvair rapidamente os interesses americanos, e qualquer conflito potencial com a China tem o mesmo perigo.

A sabedoria convencional permanece que, em caso de guerra, o regime chinês rapidamente dominará territórios disputados, e a guerra pode terminar antes que alguém possa reagir. Esta tem sido a assinatura estratégica do Partido Comunista Chinês (PCCh) desde que assumiu o poder em 1949. Em 2020, o PCCh seguiu esse método ao capturar território disputado com a Índia em um piscar de olhos.

Os gastos militares da China, a retórica belicosa e a diplomacia do guerreiro lobo mostram claramente que o PCCh está planejando uma rápida absorção do território disputado no futuro. Mas a guerra na Ucrânia sugere que qualquer conflito potencial pode demorar muito mais do que o previsto, o que testará a capacidade de atenção perturbadoramente curta dos americanos.

O orçamento militar da China é de fato muito maior do que seu vizinho do outro lado do Estreito, em Taiwan. Ao contrário da Rússia, a China pode concentrar suas forças armadas em uma região contra um alvo muito menor que a Ucrânia.

Mas o plano do PCCh para dominação rápida é excessivamente otimista por várias razões. A Rússia está operando por terra e tem anos de experiência tomando pequenos pedaços de território contíguo, geralmente enfrentando uma pequena briga. Taiwan tem muitas vantagens defensivas naturais. Derrotar uma marinha, transportar soldados e conquistar um país de 23 milhões de pessoas é difícil. E tudo isso antes que o regime chinês espere fazê-lo com super armas não testadas em combate, um exército com zero experiência de combate desde a base até a liderança sênior e nenhuma experiência na coordenação entre serviços necessária para uma operação ambiciosa apoiada por guerra cibernética.

Turistas visitam as proteções anti-desembarque na costa de Kinmen, as ilhas da linha de frente de Taiwan, em 20 de outubro de 2020 (Sam Yeh/AFP via Getty Images)
Turistas visitam as proteções anti-desembarque na costa de Kinmen, as ilhas da linha de frente de Taiwan, em 20 de outubro de 2020 (Sam Yeh/AFP via Getty Images)

Como resultado desses fatores, qualquer guerra em potencial pode demorar muito mais do que o previsto para liquidar. O perigo nesse cenário, como a experiência americana mostrou, é que a atenção do público americano diminui.

Por exemplo, terroristas muçulmanos vêm devastando áreas cristãs de países africanos há anos com poucos comentários ocidentais. A mídia e o público se preocuparam por cerca de meio minuto quando um grupo de alunas foi sequestrado, mas fizeram pouco mais do que postar uma hashtag no Twitter antes de esquecer.

Um exemplo mais recente é o desastre no Afeganistão. Apesar de ser um erro de política externa que não é visto desde o Vietnã, muito poucos americanos e publicações falam sobre o Afeganistão, a fome iminente, ou os cidadãos e residentes americanos legais deixados para trás. No entanto, o público americano boceja coletivamente pouco tempo depois.

Em relação à Ucrânia e potencialmente a Taiwan, isso significa que o mundo reagirá com indignação em fevereiro, mas dará de ombros em maio. Os cidadãos e políticos do Ocidente prometem toneladas de ajuda no início da guerra, mas podem se recusar a pagar por isso mais tarde. Apenas dois meses após o início da guerra, por exemplo, os US $33 bilhões que os Estados Unidos prometeram para a Ucrânia levaram alguns a se perguntar se era “muito caro”.

Os Estados Unidos enfrentariam fatores econômicos adicionais que limitariam seu interesse em qualquer conflito envolvendo a China e um aliado dos EUA. Por causa das paralisações da COVID-19, 30% dos navios porta-contêineres presos nos portos vêm da China, levando a atrasos e aumentos nos preços. A China responde por 18% de todas as mercadorias que os EUA importam, segundo o Bank of America. E para computadores e eletrônicos, esse número sobe para 35%. Em suma, os americanos podem não estar dispostos a ter suas vidas impactadas por tanto tempo por uma guerra em um lugar “que não conseguem encontrar no mapa”.

Para ser justo com os americanos, a grande maioria é compassiva e atenciosa, mas também não vive uma vida de luxo com tempo para aprender e se concentrar em uma série de questões. Eles trabalham em tempo integral, conciliam escola e família e não controlam o que a mídia mostra a eles. E essa mídia geralmente está muito mais focada no novo e brilhante futebol político do que em explicar questões de longo prazo de lugares distantes.

No entanto, o americano médio pode mudar isso. O impacto sobre bens e serviços durante um conflito potencial no leste da Ásia provavelmente chamará a atenção por um longo tempo. Taiwan fornece cerca de 50% do mercado de semicondutores, tornando o país quase tão vital para a economia moderna quanto um estado árabe produtor de petróleo. A mídia muitas vezes dá às pessoas o que elas querem. Portanto, os leitores devem procurar, ler, compartilhar e apoiar a cobertura da mídia que cobre o conflito de forma corajosa e honesta.

Acima de tudo, o público deve permanecer vigilante antes e durante uma guerra. A pessoa comum não pode se acostumar com a constante batida do caos e da morte no exterior. O povo deve manter a clareza moral antes da guerra, reconhecendo os erros americanos e ainda reconhecendo agressões muito piores e até genocídio do regime chinês. Se uma guerra começar, eles precisam se lembrar do choque, do medo e do desgosto de quando a guerra começou e usar isso como motivação para manter o foco e apoiar nossos aliados, ou lutar ativamente, até que a agressão do regime seja repelida.

As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas