Turistas chineses renunciam ao PCC quando viajam

Espera-se que o número de viajantes chineses para o exterior chegue a mais de 100 milhões em 2015, de acordo com um relatório da Chinavia, um projeto piloto escandinavo centrado nos turistas chineses. Além dos passeios e das compras de bens de luxo, alguns têm planejado um ganho especial: a paz interior depois de se livrarem do controle mental do Partido Comunista Chinês. Isto, de certa maneira, é o luxo máximo para uma população que não tem liberdade.

Um jovem turista chinês segurou uma placa de exposição sobre a perseguição ao Falun Gong na China por 20 minutos num local turístico do Sudeste Asiático em 28 de novembro de 2014. Ao fazer isso, ele conectou seu grupo turístico com os praticantes do Falun Gong; a maioria do grupo escolheu a renúncia ao Partido Comunista Chinês (PCC) e às suas associações afiliadas.

Algumas pessoas, tanto dentro como fora da China, têm mal-entendido que o movimento de renúncia ao Partido Comunista Chinês seja um conflito político entre o Falun Gong e o PCC, de modo que eles escolhem “ficar longe da luta” e dizem que são neutros. No entanto, muitos dos quase 190 milhões de chineses que se dissociaram do PCC veem a renúncia como uma escolha pessoal, baseada na consciência depois de conhecerem as atrocidades cometidas pelo Partido até hoje.

A extração de órgãos incita mais chineses a renunciarem ao PCCUma turista escolheu renunciar à sua filiação ao Partido em Paris. Ela disse: “A extração forçada de órgãos dos praticantes do Falun Gong por lucro é diabólico. O PCC receberá retribuição cármica por isso. Eu tenho que me apressar e deixar o Partido [para evitar ser incluída na retribuição cármica]. Caso contrário, pode ser tarde demais!”

A extração forçada de órgãos de prisioneiros de consciência do Falun Gong vivos pelo regime levou a muitas renúncias ao Partido, à medida que mais cidadãos chineses sabem das atrocidades. “O PCC é muito mal!”, é uma resposta comum dos turistas.

Um turista chinês da província de Henan disse a um praticante na frente da Prefeitura em Estocolmo, na Suécia: “Eu chorei depois que eu li sobre a extração [forçada] de órgãos.”

Quando o praticante ofereceu-lhe um nome falso com o qual publicaria a sua retirada das organizações do PCC, ele optou por usar seu nome verdadeiro.

Mais turistas renunciam ao PCC usando seus nomes verdadeiros

O ano de 2014 viu mais turistas chineses usarem seus nomes verdadeiros para renunciar às organizações do PCC. Um turista estudioso chinês disse o seguinte depois de renunciar na Universidade de Oxford, na Inglaterra: “O PCC não pode tolerar o Falun Gong porque o Falun Gong é muito honroso.”

Em Troy, Michigan, um homem chinês acompanhou sua mãe idosa para renunciar ao PCC com seu nome real. Ela disse: “O PCC é muito mal. Eu tenho que fazer isso.”

Outro turista disse ao seu grupo: “Vamos renunciar ao Partido em primeiro lugar. Então, podemos ir comemorar com uma boa refeição.” O praticante voluntário perguntou se eles iriam usar seus nomes reais ou pseudônimos. Eles responderam sem hesitação: “Pseudônimos, não. Nós renunciaremos com os nossos nomes reais!”

Guias turísticos encorajam clientes a renunciarem ao Partido

Alguns guias turísticos têm incorporado a renúncia ao PCC ou informações sobre a perseguição ao Falun Gong nos movimentados itinerários dos seus grupos. Por exemplo, na Praça de São Pedro no Vaticano, um guia turístico disse ao grupo quando eles se aproximaram de um praticante: “Apressem-se e assinem o seu nome [para renunciar ao PCC]. Temos muito pouco tempo aqui. Por favor, sejam rápidos!”

Na Suíça, um guia turístico sinalizou um praticante para dar panfletos aos seus clientes e lhes disse: “Leve uma cópia. Todo mundo faz isso aqui. Não há necessidade de ter medo. O que há para temer agora que você está fora da China?”

Quando o praticante disse ao grupo sobre a perseguição que está sendo encoberta pela propaganda do Partido, o guia comentou: “Ouçam. Ele explica isso muito bem.” A maioria dos turistas no grupo decidiram renunciar às suas associações do Partido.

Em Toronto, Canadá, um guia turístico disse a um praticante depois que ele conheceu os fatos sobre a perseguição e a renúncia às organizações do Partido: “Por favor, diga aos meus clientes o mesmo. Vou ajudá-lo.”

Em Melbourne, Austrália, um guia turístico levou seu grupo para os praticantes do Falun Gong e encorajou os turistas a lerem os seus expositores. Ele disse: “Estes materiais são gratuitos. Vocês podem tirar cópias para aprender os exercícios. É uma prática muito boa.”

Sinceros agradecimentos aos praticantes do Falun Gong

“Eu não tenho encontrado pessoas bondosas e de confiança há muitos anos. Que bênção é se deparar com vocês!”, disse um empresário chinês a um praticante do Falun Gong que colabora voluntariamente na Opera House em Sydney para informar os turistas chineses sobre a prática do Falun Gong e a perseguição na China.

Os praticantes têm relatado mais exemplos de tais sinceros agradecimentos de turistas chineses quando eles finalmente têm acesso à informação que não está disponível no seu país de origem.

Em Paris, dois turistas disseram a um praticante: “Por causa do seu trabalho duro, agora sabemos os fatos, assim a China tem esperança. Obrigado. Nós apoiamos você!” Eles agradeceram o praticante sete vezes.

Vários turistas disseram aos praticantes na Itália: “Nós já exploramos alguns países da Europa e, muitas vezes, nos deparamos com vocês. Temos entendido depois de ouvir muito. Vocês são notáveis. Mantenham seus esforços! A justiça pertence a vocês. Os dias chuvosos irão embora.”

 
Matérias Relacionadas