Tudo pelo poder: a verdadeira história de Jiang Zemin – Capítulo 15

Sob o reinado de Jiang Zemin, a corrupção em toda a burocracia atingiu níveis sem precedentes

Os dias de Jiang Zemin estão contados. É apenas uma questão de quando, e não se, o ex-chefe do Partido Comunista Chinês será preso. Jiang governou oficialmente o regime chinês por mais de uma década, e por outra década ele foi o mestre das marionetes nos bastidores que freqüentemente controlava os eventos. Durante essas décadas, Jiang causou danos incalculáveis à China. Neste momento, quando a era de Jiang está prestes a terminar, o Epoch Times republica em forma de série “Tudo pelo poder: a verdadeira história de Jiang Zemin”, publicado pela primeira vez em inglês em 2011. O leitor pode vir a compreender melhor a carreira desta figura central na China de hoje.

Capítulo 15: Jiang elimina oponentes sob o pretexto de combater a corrupção; Chen Shui-bian sobe ao poder em meio a ameaças verbais ferozes (primeiro semestre de 2000)

Sob o reinado de Jiang Zemin, a corrupção em toda a burocracia atingiu níveis sem precedentes.

Na verdade, ele achou desejável governar a China com funcionários corruptos. A obtenção da lealdade de outros sempre se baseia em algo. Alguns contam com sua sabedoria e prestígio, outros contam com eleição popular. Como tal, Jiang, por falta de sabedoria e não tendo sido eleito, sabia que se nomeasse funcionários honestos e íntegros, sua incompetência e métodos corruptos seriam notados. A maneira como Jiang tratou Zhu Rongji, amplamente conhecido como um funcionário de integridade e serviços meritórios, foi um sinal revelador do tipo de funcionário que Jiang estava procurando. Funcionários corruptos, por outro lado, eram vantajosos para Jiang porque não representariam uma ameaça—eles eram desprezados pelo público.

É irônico que funcionários corruptos estejam entre os mais ativos na luta da China contra a corrupção. Todos os altos funcionários que caíram do poder—sob a acusação de corrupção—em lutas políticas internas foram aqueles que deram forte apoio às “iniciativas anticorrupção”. Jiang, ele mesmo o chefe da família indiscutivelmente mais corrupta da China, usou slogans relacionados à “luta contra a corrupção” como um meio de ganhar apoio popular e atacar adversários políticos. Na biografia de Robert Kuhn de Jiang, abundam as observações sobre o combate à corrupção. Mas as ações contam mais do que palavras. Todos os funcionários corruptos leais a Jiang foram rapidamente promovidos, enquanto aqueles que tinham opiniões políticas diferentes foram punidos cruelmente, geralmente sob o pretexto de “lutar contra a corrupção”. Outros que eram inúteis para Jiang também receberam punição, como um aviso aos outros.

Em 2000, aos olhos do público, Jiang aproveitou a oportunidade oferecida pelo que ficou conhecido como o “Caso Yuanhua” para eliminar oponentes políticos e proteger aqueles que lhe eram leais. O episódio contado merece discussão.

1-O surpreendente caso de contrabando de Yuanhua

O “caso Yuanhua” tem uma longa história por trás dele. O principal culpado do caso é o presidente do conselho do Grupo Yuanhua, Lai Changxing. Lai fundou o grupo em 1994 e depois disso se envolveu na prática de contrabando. De acordo com fontes oficiais, de 1996 até o momento em que o caso foi descoberto, o grupo Yuanhua esteve envolvido em cerca de cinco anos de contrabando ilícito. O valor das mercadorias contrabandeadas pelo grupo totalizou 53 bilhões de yuans (US$ 6,4 bilhões), com taxas fiscais sonegadas no valor de 30 bilhões de yuans (US$ 3,6 bilhões); isso resultou em uma perda de 83 bilhões de yuans (US$ 10 bilhões) em receitas para o Estado. Na época, o caso Yuanhua foi considerado o maior incidente de contrabando ocorrido desde que o PCC assumiu o poder em 1949.

Embora o caso de contrabando de Yuanhua tenha sido amplamente divulgado em Hong Kong e Macau, a mídia na China não noticiou o caso, exceto por uma menção marginal em um relatório do Beijing Evening News de novembro de 1999. O caso começou a ganhar atenção em 2000, depois de ser amplamente divulgado pela mídia internacional, como The Wall Street Journal, The New York Times, The Washington Post e The L.A. Times.

De acordo com a cobertura do caso, o assunto veio à tona por meio de uma denúncia anônima que o então premiê Zhu Rongji recebeu em março de 1999. A fonte expôs os detalhes do contrabando massivo que o grupo Yuanhua estava realizando na cidade de Xiamen. A fonte forneceu depoimentos detalhados de testemunhas oculares e evidências físicas. Foi assim que veio à tona o principal caso de contrabando e os números astronômicos envolvidos.

Em relação a este caso, Zhu Rongji disse: “Não importa quem esteja envolvido, deve ser investigado minuciosamente, independentemente de seu status”. Jiang concordou em linhas semelhantes, dizendo que os envolvidos deveriam ser punidos pesadamente, independentemente de seu status. A posição de Jiang sobre o caso mudou rapidamente, no entanto, quando a força-tarefa de investigação descobriu que o assunto estava intimamente ligado aos subordinados de Jiang, entre os quais estavam Jia Ting’an e Jia Qinglin.

No início de 2000, o Hong Kong Economics Times citou uma fonte informada em Pequim dizendo que a 420 Investigation Task Force—o grupo nomeado pelo Comitê Central do PCC para investigar o caso Yuanhua—foi solicitada a concluir sua investigação antes da convocação das Duas Conferências (o Congresso Nacional do Povo e a Conferência Consultiva Política do Povo Chinês). A estipulação estava em vigor para que as autoridades pudessem divulgar nas duas conferências suas “realizações significativas” de combate à corrupção no que chamaram de “uma campanha de um século contra a corrupção”. A ressalva mostrou que o que era realmente importante para Jiang era aproveitar a ocasião do problema de Yuanhua para aumentar sua própria posição. Ao mesmo tempo, porém, Jiang desejava um rápido encerramento da investigação por temer ser implicado.

Executando cúmplices antes que o caso fosse encerrado

Vários departamentos conduziram uma investigação conjunta sobre a questão Yuanhua em 2000, com órgãos envolvidos, incluindo o comitê de inspeção disciplinar, departamento de supervisão, autoridades alfandegárias, departamento de segurança pública, procuradoria, tribunal e unidades financeiras e tributárias. O contrabando na cidade de Xiamen e o abandono de deveres envolvidos foram investigados exaustivamente. Durante as investigações, mais de 600 pessoas foram investigadas, sendo que quase 300 foram processadas no final por responsabilidade criminal.

Em 2001, tribunais de vários níveis emitiram um total de 167 veredictos contra 269 réus em conexão com o caso de contrabando de Yuanhua. Em julho, antes do encerramento do caso, várias pessoas já haviam sido condenadas à morte e executadas. As vítimas incluíram Ye Jichen, o ex-presidente da sucursal de Xiamen do Banco Industrial e Comercial da China; Wu Yubo, ex-chefe da seção de Gerenciamento de Navios do Escritório de Gerenciamento de Balsas do Leste da Alfândega de Xiamen; junto com Wang Jinting, Jie Peikong, Huang Shanying, Zhuang Mingtian, Li Baomin e Li Shizhuan, entre outros.

Em um caso tão importante, a execução de mais de 10 cúmplices antes da conclusão da investigação foi equivalente a destruir provas, tornando impossível realmente resolver o caso. Isso se deveu totalmente à influência do caso sobre os subordinados próximos de Jiang Zemin, que agiu o mais rápido possível para eliminar as fontes de evidências incriminatórias. Os atos de matar, por mais perturbadores que fossem, foram de fato revirados por Jiang e considerados sinais da forte “determinação” do chefe do Partido e uma marca de realização. A mídia divulgou amplamente o assunto de maneira positiva e afirmativa.

Jiang agradece a Lai Changxin

Durante a investigação, Jia Ting’an, que era um dos confidentes mais confiáveis de Jiang e diretor do escritório de Jiang, em uma ocasião divulgou informações confidenciais para Lai Changxing. Lai também revelou que se dava muito bem com três dos cinco secretários de Jiang, dos quais um era Jia Ting’an, o secretário-chefe.

Muitas pessoas não sabem quem é Jia Ting’an. Jia era o diretor do escritório de Jiang quando Jiang se tornou secretário-geral do PCC. Antes disso, ele havia sido secretário de Jiang quando Jiang trabalhou no Ministério da Indústria Eletrônica. Jia retornou a Xangai com Jiang em janeiro de 1985, depois voltou a Pequim com Jiang em junho de 1989. Como Jia era o secretário e assistente mais importante de Jiang, as pessoas o chamavam de “Secretário Mestre”.

Em 2004, Jiang promoveu Jia de diretor do escritório de Jiang a diretor do escritório da Comissão Militar Central (CMC). Jiang também recomendou que a patente militar de Jia fosse elevada diretamente da de coronel para tenente-general; Jiang invocou o pretexto de ser uma “circunstância especial” e de “beneficiar o nosso trabalho”. Membros do CMC disseram que a patente administrativa de Jia era meramente a de diretor de escritório, da qual a patente militar correspondente é coronel, e que promover Jia como Jiang havia tentado fazer poderia resultar em uma revolta na Comissão. Mesmo assim, Jiang insistiu em seguir em frente com a proposta. Quando Jiang fez a recomendação pela segunda vez, a moção foi novamente apresentada em uma reunião do CMC. Os fatos sugeriam que Jia era claramente o subordinado de maior confiança de Jiang.

Lai Changxing afirmou em uma ocasião que “a mansão de Jiang ficava dentro do complexo de Zhongnanhai. Jiang morava de um lado enquanto seus seguranças e secretárias ocupavam o outro. Jiang morava principalmente em Zhongnanhai, mas quando a mansão estava em reforma em 1997 e 1998, ele morou em Diaoyutai”.

Ao falar com Sheng Xue, a autora de The Dark Secrets behind the Yuanhua Case, Lai disse que embora não tivesse contato direto com Jiang, uma vez ele pretendia fazer uma doação ao CMC. O secretário de Jiang relatou o assunto a Jiang. Lai acrescentou: “Jiang disse que eu não precisava fazer isso. Ele gostaria que eu guardasse o dinheiro para uso comercial. Jiang também expressou seu agradecimento. Ele sabia que eu era o amigo próximo de seu secretário”.

Em uma ocasião, quando Jia foi ao aeroporto buscar Jiang depois que Jiang voltou de uma viagem ao exterior, Jia disse a Jiang que Li Jizhou (o ex-vice-ministro da Segurança Pública) estava envolvido em um caso de contrabando de automóveis na província de Guangdong. Então Jia pediu a outro secretário de Jiang que perguntasse a Lai se ele estava envolvido no caso.

Lai elaborou dizendo que o segundo secretário era o administrador da família de Jiang e ele se encarregava de tudo na família de Jiang. Quando questionado pelo segundo secretário, Lai respondeu: “Não tenho absolutamente nada a ver com esse caso”. O secretário disse: “Se você não tiver nada a ver com o caso, será mais fácil para eles lidar com isso”.

Depois disso, Lai prontamente contou a Li Jizhou sobre o assunto enquanto estava na cidade de Zhuhai; naquela época, Li Jizhou estava acompanhando Zhu Rongji para inspecionar esforços destinados a combater o contrabando na província de Guangdong. Junto com isso, Lai fez planos para ajudar a namorada de Li, Li Shana—uma ex-funcionária do Departamento de Transporte do Ministério de Segurança Pública—a se esconder e evitar a captura por seu envolvimento, embora ela tenha sido presa posteriormente.

Considerando que o relacionamento de Lai com Jia era tão próximo, alguém poderia realmente esperar que Jiang levasse Lai à justiça? Por mais que Jiang possa ter lançado sua nobre retórica anticorrupção, sua campanha de combate ao crime foi apenas uma fachada por meio do qual ele poderia atacar seus oponentes políticos.

Índice

Entre para nosso grupo do Telegram.

Veja também:

 

 

 
Matérias Relacionadas