Trump reitera seu apoio aos povos da Venezuela, Nicarágua e Cuba em discurso na ONU

Trump acusou Pequim de encher os oceanos com lixo plástico e manter as emissões de carbono o dobro dos Estados Unidos

Por VOA

O presidente Donald Trump reiterou nesta terça-feira antes da 75ª Assembleia Geral da ONU o compromisso dos Estados Unidos com a luta dos povos da Venezuela, Cuba e Nicarágua por sua liberdade e destacou as conquistas de seu governo na defesa dos direitos humanos no mundo.

Trump disse que os Estados Unidos sempre serão um líder em direitos humanos e elogiou as ações de seu governo sobre a liberdade religiosa, oportunidades para as mulheres, ações contra a criminalização da homossexualidade e contra o tráfico de pessoas.

“Fizemos acordos históricos com México, Guatemala, Honduras e El Salvador para impedir o contrabando de pessoas”, acrescentou.

Em um discurso curto, mas substancial, pré-gravado e transmitido virtualmente para a assembleia da ONU, Trump também prometeu derrotar definitivamente a pandemia de vírus do PCC (Partido Comunista Chinês) e produzir uma vacina em massa.

“Vamos distribuir uma vacina. Vamos derrotar o vírus. Vamos acabar com a pandemia”, disse o presidente.

Trump afirmou que os Estados Unidos lançaram a mobilização mais agressiva desde a Segunda Guerra Mundial para conter a pandemia.

“Produzimos rapidamente um suprimento recorde de respiradores, criando um excedente que nos permitiu compartilhá-los com amigos e parceiros em todo o mundo. Somos os pioneiros em tratamentos que salvam vidas, reduzindo a taxa de mortalidade em 85% desde abril. Graças ao nosso encaminhamento, três vacinas estão na fase final de ensaios clínicos”.

Trump mais uma vez culpou a China pela forma na qual ela manejou a pandemia em seus primórdios, permitindo que pessoas infectadas deixassem o país e enganou o mundo, junto com a Organização Mundial de Saúde, informando que não havia evidências de que o vírus fosse transmitido de pessoa para pessoa.

“As Nações Unidas têm que responsabilizar a China por suas ações”, disse Trump, que acusou Pequim de outras ações, como encher os oceanos com lixo plástico e manter as emissões de carbono o dobro dos Estados Unidos.

Nesse sentido, o presidente garantiu que, após sua retirada do acordo climático de Paris, os Estados Unidos reduziram suas emissões de carbono mais do que qualquer outro país do pacto.

“Aqueles que atacam o excepcional histórico ambiental dos Estados Unidos enquanto ignoram a crescente poluição chinesa não estão interessados ​​no meio ambiente, mas em punir os Estados Unidos e eu não vou permitir isso.”

Assuntos globais

O presidente disse que, para a organização ser eficaz, ela deve se concentrar nos problemas reais do mundo. “Isso inclui terrorismo, opressão de mulheres, trabalho forçado, tráfico de pessoas, liberdade religiosa e limpeza étnica de minorias religiosas”.

Trump defendeu sua saída do pacto nuclear com o Irã e a imposição de novas sanções “ao principal Estado do mundo promotor do terrorismo”, bem como sua atuação na política internacional.

“Nós destruímos o califado do ISIS … matamos seu líder Al-Baghdadi e eliminamos a principal célula terrorista do mundo, Soleimani. Este mês, chegamos a um acordo de paz entre a Sérvia e Kosovo. Chegamos a um avanço com dois acordos de paz no Oriente Médio”.

Trump expressou otimismo sobre o futuro da região. “Não há sangue na areia. Felizmente, esses dias ficaram para trás enquanto falamos”.

“Os Estados Unidos também estão trabalhando para acabar com a guerra no Afeganistão e estamos devolvendo nossas tropas para casa, mas é uma paz baseada na força. Estamos mais fortes do que nunca. Nossas armas estão no nível mais avançado que já tivemos”, acrescentou.

América primeiro

Trump insistiu em sua visão e em sua campanha “América em primeiro lugar”. “Somente quando você cuida de seus próprios cidadãos, você encontra a verdadeira base para a cooperação”, disse ele.

“Como presidente, rejeitei as tentativas fracassadas do passado e estou orgulhosamente colocando a América em primeiro lugar, como se deve fazer, colocando seu país em primeiro lugar”, explicou.

“E isso é bom. Isso é o que se deve fazer. Tenho absoluta certeza de que no próximo ano, quando nos encontrarmos pessoalmente, vocês estarão no meio de um dos grandes anos da nossa história e, espero, também da história do mundo”, concluiu.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas