Trump alerta regime chinês: qualquer repressão violenta em Hong Kong poderá prejudicar negociações comerciais

Por Frank Fang, The Epoch Times

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, alertou Pequim de que qualquer repressão violenta em Hong Kong contra os manifestantes prejudicaria as negociações comerciais entre os dois países.

“Acho que seria muito difícil negociar caso eles [China] ajam com violência, quero dizer, se for outra Praça Tiananmen”, disse Trump a repórteres em Nova Jersey, em 18 de agosto. Ele acrescentou que apoiava a liberdade e a democracia em Hong Kong.

Em Hong Kong, os protestos estão na 11ª semana, enquanto os moradores de Hong Kong continuam exigindo que o governo municipal retire a lei de extradição, apenas suspensa, por temerem que ela ameace a independência judicial da cidade, já que qualquer pessoa em Hong Kong pode ser transferida para julgamento no sistema que infringe o Estado de direto da China, se acusado de atividade criminosa.

O pedido inicial de retirada do projeto de lei agora se transformou em outras demandas, como uma chamada por sufrágio universal, bem como uma investigação independente que analisa as ações policiais e a violência ao lidar com os manifestantes.

Recentemente, em 18 de agosto, mais de 1,7 milhão de moradores da cidade andaram pelas ruas de Hong Kong sob forte chuva, desafiando a proibição da polícia, de continuar pedindo ao governo que se empenhe em suas demandas.

Hong Kong protests
Manifestantes participam de uma passeata em Hong Kong em 18 de agosto de 2019 (Luo Ya / The Epoch Times)

Pequim recorreu à retórica para criticar os manifestantes, rotulando-os de radicais. Em 12 de agosto, Pequim se referiu aos protestos como “terrorismo em formação”. Alguns observadores, incluindo a Human Rights Watch, disseram que tal linguagem indicaria que Pequim poderia implantar suas forças em Hong Kong em nome do antiterrorismo, como foi feito em Xinjiang contra minorias étnicas, como os uigures, em 2011.

A possibilidade de uma violenta repressão chinesa aumentou nas últimas semanas, quando a polícia chinesa armada em Shenzhen, na fronteira com Hong Kong, foi fotografada realizando três exercícios diferentes neste mês.

A mais recente foi em 17 de agosto, quando a mídia estatal chinesa, Global Times, publicou um vídeo de um minuto em sua conta da mídia social Weibo. No vídeo, policiais chineses gritaram: “Parem com a violência, se arrependam e sejam salvos”, e enviaram veículos blindados, lançaram gás lacrimogêneo e canhões de água contra tropas que fingiam ser manifestantes.

“Eu gostaria de ver Hong Kong trabalhando de uma forma bastante humanitária”, disse Trump. “Espero que o Presidente Xi possa fazer isso. Ele tem a capacidade, posso dizer-lhe, do conhecimento pessoal”. O presidente acrescentou que tal conclusão humanitária seria “muito boa para o acordo comercial”.

Esta não é a primeira vez que Trump vinculou a situação em Hong Kong com as negociações comerciais.

Em um post no Twitter em 14 de agosto, Trump escreveu: “É claro que a China quer fazer um acordo. Deixem que eles trabalhem humanamente com Hong Kong primeiro!”

Em 1º de agosto, Trump anunciou novas tarifas de 10%, a serem impostas em setembro, sobre 300 bilhões de dólares em importações chinesas, incluindo relógios inteligentes, alto-falantes inteligentes e fones de ouvido Bluetooth.

As tarifas de 10% sobre alguns dos US$ 300 bilhões de bens chineses , incluindo celulares e laptops, foram adiadas em 13 de agosto até meados de dezembro.

Siga Frank no Twitter: @HwaiDer

 
Matérias Relacionadas