Publicado em - Atualizado em 12/10/2017 às 21:10

Terremoto de magnitude 2.9 atinge Coreia do Norte

A localização do terremoto de 12 de outubro de 2017 está marcado por uma estrela (USGS)

A localização do terremoto de 12 de outubro de 2017 está marcado por uma estrela (USGS)

Ondas de choque de um pequeno terremoto na Coreia do Norte foram detectadas pela equipe sísmica administrada pelo Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS, da sigla em inglês).

O USGS disse que o terremoto de magnitude 2,9 ocorreu na área onde a Coreia do Norte realizou seus testes nucleares anteriores, estando seu foco a 5 quilômetros de profundidade.

“Este evento ocorreu na área de testes nucleares norte-coreanos anteriores”, disse a agência. “O evento tem características semelhantes aos terremotos, no entanto, não podemos confirmar de forma conclusiva, neste momento, a natureza do evento”, acrescentou.

O USGS afirmou que apenas o Centro de Aplicações Técnicas da Força Aérea (AFTAC) tem a tarefa de identificar e medir as explosões nucleares de potências estrangeiras.

A Coreia do Norte afirmou haver testado uma bomba de hidrogênio sob uma montanha na mesma área no início de setembro deste ano. Esse teste causou um terremoto de magnitude 6.3, ou seja, um terremoto muito mais poderoso do que o registrado hoje.

O ditador norte-coreano Kim Jong-un (que não aparece na imagem) orienta o lançamento de um míssil Hwasong-12 nesta foto sem data publicada pela Coreia do Norte

O ditador norte-coreano Kim Jong-un (que não aparece na imagem) orienta o lançamento de um míssil Hwasong-12 nesta foto sem data publicada pela Coreia do Norte

A divulgação do terremoto ocorre em meio a tensões entre o regime comunista e os Estados Unidos.

A administração do presidente Donald Trump liderou um esforço para impor sanções mais duras da ONU contra a Coreia do Norte, com o objetivo de pressionar Pyongyang a abandonar seu programa nuclear.

Mas o ditador comunista parece seguir seu plano. Pyongyang testou uma bomba de hidrogênio miniaturizada no início deste ano e disparou foguetes sobre o Japão, enquanto busca o desenvolvimento de um míssil balístico intercontinental capaz de levar uma ogiva nuclear até os Estados Unidos.

Trump advertiu a Coreia do Norte de que os Estados Unidos estão preparados para “destruir totalmente” o país asiático se ele ameaçar os Estados Unidos ou seus aliados.

Presidente Donald Trump no jardim sul da Casa Branca, em Washington, em 24 de setembro de 2017 (Samira Bouaou/Epoch Times)

Presidente Donald Trump no jardim sul da Casa Branca, em Washington, em 24 de setembro de 2017 (Samira Bouaou/Epoch Times)

“Nosso país tem negociado sem sucesso com a Coreia do Norte durante 25 anos, dando bilhões de dólares sem receber nada”, escreveu Trump no Twitter. “A política não funcionou!”, disse ele.

Em uma mensagem de acompanhamento, Trump insinuou a Kim, a quem chama de “Pequeno Homem Foguete”, que acordos e negociações não fizeram nada para resolver o conflito e que “apenas uma coisa funcionará”. A Casa Branca depois esclareceu que Trump estava se referindo a uma ação militar.

Ditador comunista norte-coreano Kim Jong-un (Foto sem data da Coreia do Norte)

Ditador comunista norte-coreano Kim Jong-un (Foto sem data da Coreia do Norte)

Trump é um oponente feroz do comunismo e muitas vezes se referiu a ele como uma ideologia mortal e destrutiva.

A Coreia do Norte é um típico regime comunista de estágio final, com milhões de pessoas vivendo sob terror; enquanto a maioria da população é indigente, existe uma pequena e corrupta elite. Centenas de milhares de pessoas inocentes temem morrer na rede nacional de campos de trabalho forçado.

Leia também:
Trump vira o jogo contra Coreia do Norte
Estados Unidos anunciam saída da Unesco por “viés anti-Israel”
China assume riscos econômicos para ganhar influência política

Todo conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada. Para reproduzir a matéria, é necessário apenas dar crédito ao Epoch Times em Português e para o repórter da matéria.
Leia a diferença. Epoch Times Todos os direitos reservados © 2000-2016