Telas atrapalham o aprendizado?

Adolescentes passam, em média, 9 horas na frente de uma tela por dia

Por Melanie Hempe

Ultimamente você tem notado que seu filho adolescente leva duas vezes mais tempo para escrever um parágrafo no computador do que você levava para escrever um em letra cursiva, antigamente. Mas ele é super rápido em navegar na net em seu smartphone. E apesar de todos os sites ao seu alcance, sua filha adolescente não consegue concluir um trabalho de pesquisa em um período de tempo razoável. No entanto, ela pode encontrar rapidamente um meme ou GIF para qualquer ocasião.

Nenhum deles consegue se lembrar muito do que seus professores ou colegas disseram na aula. Mas eles sabem tudo o que aconteceu no Instagram durante o dia escolar. Algo está sendo deixado de lado aqui. Toda essa tecnologia não deveria melhorar o aprendizado?

A transição para um novo ano letivo pode ser o momento perfeito para repensar a “saúde” geral do seu filho quanto a telas. Nove horas é a quantidade de tempo que os adolescentes passam em uma tela por dia, de acordo com um relatório de 2015 da Common Sense Media, e isso nem inclui o tempo gasto em uma tela na escola. Dedicar nove horas por dia fazendo algo tão imersivo quanto olhar para uma tela é demais, então os pais devem ser intencionais sobre o equilíbrio para o bem do desenvolvimento acadêmico, mental e social de seus filhos. Além disso, conforme as escolas exigem mais telas na sala de aula, o total de horas de tela aumenta rapidamente, o que significa que os pais devem agora ser ainda mais cuidadosos com o uso excessivo de telas em casa.

Aqui está uma lista de considerações para os pais que tentam determinar as melhores práticas de aparelhos eletrônicos para seus filhos em idade escolar.

  1. A natureza viciante da tecnologia reduz as relações humanas autênticas. Nada substitui o contato humano. Construir relacionamentos e estar confortável com os outros não são apenas habilidades fundamentais para todas as crianças, mas também são necessárias para desenvolver empatia, confiança e sucesso geral e felicidade na vida. Embora a internet seja boa para a descoberta de fatos, cada minuto na tela substitui o tempo cara a cara com colegas e professores; portanto, os pais devem ser diligentes para garantir que as crianças tenham bastante tempo com pessoas reais todos os dias.
  2. É fácil confiar na tecnologia em vez da própria memória.  Descarregamento cognitivo é um termo que descreve a dependência do computador para recuperar fatos em vez de usar a própria memória. Quando as crianças dependem da tecnologia para fazer o trabalho de aprendizagem – copiar e colar uma definição de vocabulário em vez de escrevê-la à mão em um livro de exercícios, por exemplo – elas enfraquecem sua capacidade de pensar profundamente e se concentrar. Como qualquer músculo, o cérebro precisa “trabalhar” pensando profunda e criticamente e não apenas praticando habilidades de entrada de dados ou navegando em busca de respostas rápidas para realizar uma tarefa.
  3. A caligrafia é mais valiosa do que digitar na aula. Uma pesquisa da Psychological Science descobriu que, quando comparado à digitação, o processo de fazer anotações à mão está associado a uma melhor retenção de informações a longo prazo, melhor organização do pensamento e maior capacidade de gerar novas ideias. Fazer anotações à mão ativa um circuito neural exclusivo que facilita o aprendizado à medida que os alunos transferem ideias para suas próprias palavras. Isso os força a usar mais conexões cerebrais e recursos cognitivos para entender o conceito mais profundo que está sendo transmitido pelo professor. As crianças que praticam a caligrafia têm uma clara vantagem de desenvolvimento, além de ajudar a desenvolver e reter habilidades motoras finas.
  4. O uso do laptop na sala de aula está ligado às notas mais baixas. Estudos nos dizem que existe uma correlação direta entre o uso de laptop pessoal em sala de aula e notas e pontuações mais baixas no SAT. Não apenas é mais difícil processar informações em uma tela (carga cognitiva pesada), mas também as tentações de acessar sites não acadêmicos são altas. Cérebros jovens não têm a restrição de evitar as distrações das mídias sociais, fazer compras, navegar em vídeos do Youtube ou jogar videogames em sala de aula. Esses laptops pessoais também estão criando distrações durante os momentos em que a socialização na escola deveria ocorrer naturalmente (almoço, sala de estudos, etc.). O desempenho geral da turma também é reduzido para alunos que se sentam perto de um colega que está realizando “multitarefas em uma tela” e para alunos que leem conteúdo em uma tela versus um livro de papel.
  5. Não assuma que a escola pode manter seu filho totalmente livre de telas durante o dia escolar.  Lembre-se de que seus filhos podem acessar as mídias sociais e outros sites questionáveis ​​em seus laptops; eles também podem ignorar o firewall do wifi escolar simplesmente usando o ponto de acesso em seus smartphones. É impossível para uma escola proteger completamente crianças curiosas.
  6. A ludificação da educação não é a melhor para o verdadeiro aprendizado.  Combinar jogos em telas com educativos é complicado. As crianças sempre tendem para atividades de baixo esforço e alta recompensa; portanto, quando matemática ou ortografia “parecem” um videogame, é provável que o trabalho árduo de aprendizado profundo não esteja sendo realizado. O que pode parecer uma imersão no assunto é na verdade um ciclo de compulsão sendo alimentado por uma liberação de dopamina em seus cérebros. Eles podem memorizar alguns fatos matemáticos em seu jogo de matemática, mas estamos configurando-os para depender de um jogo para aprender? Além disso, ainda estamos em fase experimental com software e tecnologia educacional; alguns especialistas apontam que a pesquisa em edtech não é baseada em evidências e carece de resultados comprovados.
  7. A conversa em sala de aula entre colegas e professores é essencial. Os professores de hoje estão nos dizendo que debates profundos e conversas ricas não são mais tão comuns na sala de aula como eram antes, o que significa que perdemos um poderoso componente educacional que beneficia o desenvolvimento de habilidades sociais do aluno. Muitos professores reconhecem que o tom de voz e os gestos corporais podem ser ainda mais importantes do que as próprias palavras ditas e, portanto, as colaborações on-line de hoje nunca serão tão benéficas quanto as colaborações, conversas e discussões em grupo pessoalmente.
  8. O uso da tela muda o comportamento do seu filho.  De acordo com muitos médicos, atividades estimulantes na tela realmente “religam” o cérebro do seu filho. O cérebro se adapta para acomodar essa estimulação digital não natural, e a mudança está sendo ligada ao aumento de 53% nos sintomas de TDAH nos últimos 10 anos. Surpreendentemente, um em cada cinco meninos do ensino médio está sendo diagnosticado com hiperatividade. Tradicionalmente, o TDAH é diagnosticado aos 3 anos de idade, então a questão que devemos considerar é: todos esses novos diagnósticos são realmente TDAH ou são evidências do que o Dr. John Ratey, professor clínico de psiquiatria da Harvard Medical School, chama de “TDAH adquirido”? Muitos pais estão descobrindo que essa nova condição pode ser revertida eliminando o uso excessivo de telas.
  9. Os programas de cidadania digital não preparam as crianças para usar bem a mídia. Os melhores “cidadãos digitais” têm pais atenciosos que realmente sabem o que seus filhos estão fazendo online e que passam tempo em conversas frequentes e significativas sobre questões de mídia digital. Essas conversas digitais começam cedo e continuam durante o ensino médio e a faculdade. Embora os programas de cidadania digital ainda sejam necessários, eles nunca substituirão o trabalho dos pais de orientar e gerenciar a vida na tela de seus filhos.
  10. As telas em sala de aula não servem da mesma forma para todos. Professores e escolas podem confiar demais nas promessas não cumpridas da tecnologia de sala de aula, e as telas nunca serão capazes de substituir a relação crítica aluno-professor. Os pais sabem o que é melhor para seus filhos, bem como seus pontos fortes e fracos. Eles têm dificuldade com o foco? Eles são introvertidos ou não têm confiança social? Eles são pacientes? Eles são auto-motivados e trabalhadores? Faça perguntas para entender como seu filho usa as telas na sala de aula e, em seguida, se esforce para trabalhar com os professores para elaborar um plano que atenda às suas necessidades de aprendizado.

A tecnologia pode facilmente se transformar na distração educacional mais complicada, impedindo que as crianças consigam concluir os trabalhos escolares, seja um problema de matemática ou um trabalho inteiro. Porém, às vezes é suficiente tirar o telefone e desligar o Wi-Fi para ajudar os alunos a se concentrarem na tarefa em questão. Não deixe que as últimas tendências de uso de tela inviabilizem seus adolescentes de alcançar seu pleno potencial social e acadêmico.

Melanie Hempe é a fundadora da ScreenStrong, uma organização que capacita os pais a ajudar seus filhos a obter os benefícios da mídia de tela sem as consequências tóxicas do uso excessivo que ameaçam o desenvolvimento saudável, físico e mental. A solução da ScreenStrong promove um estilo parental forte que substitui proativamente o uso prejudicial da tela por atividades saudáveis, desenvolvimento de habilidades para a vida e conexão familiar. Este artigo foi publicado originalmente em ScreenStrong.com.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas