Taiwan recebe com satisfação declaração de rejeição dos EUA às reivindicações territoriais de Pequim sobre o Mar da China Meridional

Por Frank Fang

TAIPEI, Taiwan – O Ministério das Relações Exteriores de Taiwan recebeu com satisfação uma declaração do Secretário de Estado dos Estados Unidos Mike Pompeo, rejeitando as reivindicações territoriais da China no Mar do Sul da China.

Joanne Ou, porta-voz do Ministério de Relações Exteriores de Taiwan, disse em 14 de julho que congratulou-se com qualquer país relacionado que emitisse declarações que estavam em conformidade com o direito internacional, ao mesmo tempo em que reafirmava as reivindicações territoriais de Taiwan no mar em disputa, de acordo com a Agência Central de Notícias de Taiwan.

“As reivindicações de Pequim sobre recursos offshore na maior parte do Mar da China Meridional são completamente ilegais, assim como sua campanha de intimidação para controlá-los”, afirmou Pompeo em comunicado divulgado na segunda-feira, 13 de julho.

A declaração também marcou uma mudança na política de Washington sobre a hidrovia disputada, adotando uma postura mais agressiva contra Pequim, em comparação com os pedidos anteriores da China e seus vizinhos para resolver pacificamente as reivindicações disputadas.

Vários países da região reivindicam ilhas, recifes e rochas no Mar da China Meridional, incluindo Brunei, China, Malásia, Filipinas, Taiwan e Vietnã.

Pequim usou a “linha dos nove pontos” para proclamar soberania sobre 90% do Mar da China Meridional, mesmo quando um julgamento legal das Nações Unidas de 2016 contestou as alegações de Pequim, depois que as Filipinas levaram a disputa para o tribunal internacional.

Nos últimos anos, Pequim tentou reforçar suas reivindicações na hidrovia estratégica, construindo postos militares em ilhas e recifes artificiais. Além disso, também enviou navios da Guarda Costeira da China e barcos de pesca para intimidar embarcações estrangeiras, bloquear o acesso a hidrovias e apreender bancos e recifes.

“A República Popular da China não tem base legal para impor unilateralmente sua vontade à região”, afirmou Pompeo no comunicado.

Como Pequim, a ilha autônoma reivindica grande parte do Mar da China Meridional como parte de seu território, mas adotou uma abordagem mais moderada.

Ou disse que Taiwan se opõe a qualquer país que tente resolver disputas por meio de coerção, ameaças ou força militar.

Ela também reiterou a posição de longa data da presidente Tsai Ing-wen sobre o assunto, os chamados quatro princípios e as cinco ações que ela propôs pela primeira vez em julho de 2016.

Entre os quatro princípios está a de que Taiwan seja incluído em qualquer mecanismo multilateral para resolver disputas no Mar da China Meridional e que todos os Estados envolvidos defendam a liberdade de navegação e sobrevôo na região.

Taiwan foi anteriormente impedida de participar de negociações internacionais, em parte devido à pressão de Pequim.

A China reagiu com hostilidade à declaração de Pompeo. Zhao Lijian, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, acusou os Estados Unidos de “provocar intencionalmente disputas territoriais” e de “prejudicar a paz e a estabilidade regionais”.

A embaixada chinesa nos Estados Unidos também divulgou uma declaração, acusando o Departamento de Estado dos EUA de “distorcer deliberadamente fatos e leis internacionais”.

Também nesta terça-feira, o porta-voz presidencial das Filipinas, Harry Roque, disse na televisão estatal que as Filipinas manterão laços amigáveis ​​com a China, apesar da rejeição de Pequim ao pedido de Manila de reconhecer a decisão do tribunal da ONU em 2016, de acordo com o jornal  Notícias das Filipinas (PNA).

Em 12 de julho, no quarto aniversário da decisão de arbitragem da ONU, o ministro das Relações Exteriores das Filipinas, Teodoro Locsin Jr., pediu a Pequim que aderisse à decisão, dizendo que era “inegociável”.

No dia seguinte, a embaixada chinesa nas Filipinas disse que a decisão era “ilegal e inválida” em um comunicado em seu site.

Vários parlamentares americanos aplaudiram a declaração de Pompeo.

“Apoiamos totalmente a decisão do governo de esclarecer a posição dos Estados Unidos de que as reivindicações territoriais e marítimas da China no Mar da China Meridional são ilegais”, disseram os senadores Jim Risch (R-Idaho) e Bob Menéndez em comunicado conjunto (DN.J.) e representantes Eliot Engel (DN.Y.) e Michael McCaul (R-Texas).

Os quatro legisladores concluíram: “Esperamos que esta decisão leve a esforços adicionais dos Estados Unidos, de nossos parceiros e de todos os membros da comunidade internacional para melhor alinhar o apoio ao direito internacional em relação ao Mar do Sul da China”.

Siga Frank no Twitter: @HwaiDer

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

EUA exigem transparência do regime chinês diante da COVID-19

 
Matérias Relacionadas