Taiwan busca apoio contra nova rota aérea da China

Enquanto Taiwan tem trabalhado para enfrentar a oposição internacional que tem ignorado uma nova rota de aviação comercial ativada pelo regime chinês e que ameaça a segurança da nação insular, a Organização das Nações Unidas (ONU) responsável pelo gerenciamento das questões da aviação internacional permanece em silêncio.

A rota aérea conhecida como M503 foi declarada unilateralmente pela China em janeiro de 2015 e tornou-se controversa devido ao fato de que está a apenas 4,2 milhas náuticas da linha central do Estreito de Taiwan, no ponto mais próximo. Possivelmente devido à forte reação do povo taiwanês contra a rota, o regime chinês relutantemente “pausou” a ativação da parte controversa da rota aérea em negociações com Taiwan em março de 2015.

No dia 4 de janeiro deste ano, no entanto, o regime chinês renegou sua promessa anterior e ativou formalmente a rota aérea M503 sem mais negociações com Taiwan. O movimento está sendo visto em Taiwan como um ato de provocação num momento em que o regime chinês está aumentando sua pressão política e militar.

A rota aérea corta diretamente do norte para o sul através o Estreito de Taiwan altamente militarizado e está localizada extremamente perto de uma série de espaços aéreos restritos do lado de Taiwan, que foram declarados fora do limite pela Força Aérea de Taiwan por décadas. Ainda mais controversos são os três corredores Oeste-Leste (W121, W122, W123) dentro da rota aérea M503 que poderiam permitir que as aeronaves chinesas voassem diretamente na direção de Taiwan. Desde a sua ativação no início de janeiro, a rota aérea tem tido tráfego aéreo civil ocasional, a maioria sendo principalmente de jatos comerciais de companhias aéreas da China.

Taiwan, China, M503, segurança - A controversa rota aérea M503 (mostrada em roxo), que passa extremamente próxima da linha central do Estreito de Taiwan (verde escuro), e é adjacente aos espaços aéreos restritos (caixas vermelhas) do lado de Taiwan que foram declarados fora dos limites pela Força Aérea de Taiwan por razões de autodefesa (Administração de Aeronáutica Civil de Taiwan)
A controversa rota aérea M503 (mostrada em roxo), que passa extremamente próxima da linha central do Estreito de Taiwan (verde escuro), e é adjacente aos espaços aéreos restritos (caixas vermelhas) do lado de Taiwan que foram declarados fora dos limites pela Força Aérea de Taiwan por razões de autodefesa (Administração de Aeronáutica Civil de Taiwan)

Campanha diplomática

Em resposta à ativação da M503, o governo da presidente Tsai Ing-wen apresentou um protesto à China e também tentou reunir apoio entre os aliados e contatos diplomáticos de Taiwan no cenário internacional. Diplomatas taiwaneses em todo o mundo foram mobilizados para expressar desaprovação sobre a rota aérea próxima de Taiwan.

“As ações unilaterais recentes da China, incluindo a rota aérea M503 e o aumento de seus exercícios militares, são desestabilizadores e devem ser evitados”, disse Tsai Ing-wen numa mensagem no Twitter de 4 de janeiro.

A resposta firme desta vez é uma mudança significativa da posição anterior de Tsai em 2015 quando em oposição. Naquela época, o Partido Democrático Progressivo liderado por Tsai assumiu uma abordagem discreta sobre a questão e não protestou de forma assertiva contra a declaração da M503.

A campanha internacional de Taiwan contra a M503 teve pelo menos alguns resultados. Em 24 de janeiro, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Japão, Maruyama, respondeu à questão da M503 dizendo que a posição do Japão é que “assegurar a segurança das aeronaves do setor privado é de extrema importância”, sugerindo assim que voar aeronaves comerciais através do Estreito fortemente militarizado deve ser evitado e, assim, apoiou a posição de Taiwan.

Além disso, durante uma sessão do Subcomitê de Segurança e Defesa do Parlamento Europeu (SEDE), a membra polonesa do Parlamento da União Europeia (UE) e presidente da SEDE, Anna Fotyga, criticou a M503 da China como uma ameaça à segurança de Taiwan. Ela disse que a nova rota aérea prejudicaria a segurança dos cidadãos da UE que viajam pela região.

O protesto de Taiwan sobre a M503, no entanto, até agora foi ignorado pela Organização Internacional da Aviação Civil (ICAO, na sigla em inglês), a agência sob as Nações Unidas (ONU) que é responsável pelos assuntos da aviação internacional, como a questão das rotas aéreas.

De acordo com o Manual de Planejamento de Serviços de Tráfego Aéreo da ICAO, as mudanças em qualquer via aérea devem ser feitas somente depois de terem sido coordenadas com todas as partes envolvidas. Embora a China tenha sido amplamente condenada internacionalmente por não ter consultado com Taiwan, a ICAO não possui um mecanismo de aplicação para impedir a China.

Uma vez que Taiwan não é membra da ONU, ela também não é membra da ICAO, apesar de ter repetidamente manifestado o desejo de participar como outros países nas reuniões da ICAO para proteger a segurança da aviação. Os apoiadores internacionais de Taiwan, como muitos membros do Congresso dos EUA, pediram repetidamente que a ICAO permita a participação de Taiwan. O Departamento de Estado dos EUA até agora permaneceu calado sobre o assunto.

‘Uma tentativa de depreciar Taiwan’

Vozes proeminentes de segurança nacional em Taiwan, como o ex-ministro da defesa Michael Tsai, criticaram a ativação da M503 como a última transgressão do regime chinês e pediram que o governo taiwanês assumisse uma postura mais assertiva contra ela. Numa entrevista de abril de 2015 com o Epoch Times, Michael Tsai criticou a declaração da China na época sobre a rota aérea M503 como uma tentativa de menosprezar Taiwan e prejudicar sua segurança.

Do outro lado do Estreito de Taiwan, o Exército da Libertação Popular tem centenas de aeronaves militares e milhares de mísseis apontados para Taiwan, e os especialistas dizem que uma rota aérea civil tão próxima da linha central encurtará significativamente o tempo e a proporção de uma reação de Taiwan em resposta a ações hostis do regime chinês.

Michael Tsai também apontou que a imposição da China da rota aérea M053 sobre Taiwan é uma reminiscência de sua tentativa anterior de estabelecer uma Zona de Identificação de Defesa Aérea (ZIDA) no Mar do Leste da China em 2013. O movimento provocou uma grande reviravolta internacional em toda a região da Ásia-Pacífico que eventualmente forçou o regime chinês a recuar. Assim como no caso da rota aérea M503, no entanto, o regime chinês só concordou em “pausar” sua implementação, mas não a abandonou. A ZIDA poderia muito bem ser ativada novamente em algum momento futuro.

Leia também:
• Democracias começam a reagir à infiltração e subversão do regime chinês
• Regime chinês promove Nova Ordem Mundial baseada no ‘Modelo da China’
• Plano secreto do regime chinês para erradicar liberdade de crença no mundo
• Entendendo a máquina de propaganda de Pequim no estrangeiro
• Novo relatório do FMI revela dimensão do problema da dívida da China
• Vozes ocidentais são usadas para promover campanha de ódio do regime chinês
• A corrida armamentista do regime chinês para alcançar supremacia naval
• Como ciberpirataria e espionagem sustentam crescimento da China
• Regime chinês assassinou cerca de 1,5 milhão para extração de órgãos, aponta relatório

 
Matérias Relacionadas