Taiwan anuncia nova incursão de sete aeronaves chinesas em sua zona de defesa aérea

Por Agência EFE

O Ministério da Defesa de Taiwan denunciou que sete caças chineses ultrapassaram a Zona de Identificação da Defesa Aérea (ADIZ) de Taiwan na quinta-feira.

A operação aconteceu apenas dois dias  após 28 aviões chineses fazerem o mesmo na terça-feira, o máximo em um único dia desde que Taiwan começou a divulgar essas operações em setembro passado.

De acordo com um comunicado de defesa divulgado na noite passada, desta vez envolveu dois caças J-16, quatro caças J-7 e uma aeronave de reconhecimento Y-8.

A Força Aérea de Taiwan emitiu avisos de rádio e mobilizou suas unidades até que os aviões chineses deixassem a área, acrescentou a nota.

O número de aeronaves militares chinesas que entraram no ADIZ taiwanês aumentou nos últimos meses – até seis vezes no último mês, segundo a agência CNA – e as últimas surtidas vêm depois do G7 (grupo dos países mais desenvolvidos) mencionarem uma declaração “a preservação da estabilidade no Estreito de Taiwan” como uma de suas prioridades.

A China condenou na segunda-feira o comunicado do G7 acordado após sua última cúpula em Carbis Bay (Reino Unido), afirmando que “distorcem os fatos” em várias questões, incluindo Taiwan, “para difamar deliberadamente a China”.

As tensões entre Pequim e Taipei aumentaram consideravelmente durante a gestão do ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump, que priorizou o fortalecimento das relações com Taiwan, incluindo a venda de armas, apesar de em 1979 Washington ter rompido as relações com Taipei, que se tornaram informais após o reconhecimento da República Popular.

Em abril passado, o governo de Joe Biden reafirmou seu apoio à ilha durante uma reunião realizada em Taipei por três ex-oficiais norte-americanos com a presidente taiwanês Tsai Ing-wen, à qual Pequim respondeu com exercícios militares na área.

Taiwan é considerado um território soberano com seu próprio governo e sistema político sob o nome de República da China desde o fim da guerra civil entre nacionalistas e comunistas em 1949, mas Pequim afirma que é uma província rebelde e insiste em que volte para o que é chamado de pátria comum.

Entre para nosso canal do Telegram.

Veja também:

 

 
Matérias Relacionadas