Suprema Corte decide a favor de treinador de futebol americano demitido por rezar depois dos jogos

Decisão derruba o frequentemente revertido Tribunal de Apelações do 9º Circuito

Por Matthew Vadum

A Suprema Corte decidiu por 6 votos a 3, em 27 de junho, que um distrito escolar no estado de Washington violou as proteções de liberdade religiosa da Primeira Emenda quando demitiu o treinador de futebol americano Joseph Kennedy por liderar orações pessoais na linha de 50 jardas após os jogos.

A decisão é considerada uma vitória para a liberdade religiosa.

No caso, o tribunal superior considerou que as cláusulas de livre exercício e liberdade de expressão da Primeira Emenda protegem um indivíduo envolvido em uma observância religiosa pessoal da represália do governo.

O tribunal considerou que a Constituição dos EUA não exige nem permite que os governos suprimam tal expressão religiosa.

O técnico Joseph “Joe” Kennedy, que não trabalha mais para o Bremerton School District, financiado pelos contribuintes, no estado de Washington, alegou que seus direitos foram violados quando o distrito o proibiu de orar em vista do público após os jogos.

O distrito escolar argumentou que quando Kennedy orava no meio do campo após os jogos, ele era visto pelos espectadores como um treinador que estava servindo como mentor e modelo.

Entenda o caso:

Nesta teoria do caso, Kennedy estava agindo como funcionário do governo naquele momento, o que significaria que ele estava se engajando em um discurso que constituía um discurso do governo que não é protegido pela Primeira Emenda.

Mas a maioria dos juízes da Suprema Corte discordou do distrito escolar em Kennedy vs. Distrito Escolar de Bremerton (arquivo do tribunal 21-418), um recurso do Tribunal de Apelações dos EUA para o 9º Circuito, frequentemente derrubado.

O juiz Neil Gorsuch escreveu a opinião majoritária (pdf) para o tribunal. Todos os seis juízes conservadores, incluindo Gorsuch, decidiram a favor de Kennedy; todos os três juízes liberais decidiram contra ele. A argumentação oral foi ouvida em 25 de abril.

Gorsuch observou que Kennedy perdeu seu emprego como treinador de futebol do ensino médio no Distrito Escolar de Bremerton “porque ele se ajoelhou no meio do campo após os jogos para oferecer uma oração silenciosa de agradecimento” durante um período “quando os funcionários da escola estavam livres para falar com um amigo, ligar para fazer uma reserva em um restaurante, verificar o e-mail ou cuidar de outros assuntos pessoais.”

Em outras palavras, Kennedy ofereceu “suas orações em silêncio enquanto seus alunos estavam ocupados”.

O distrito escolar o disciplinou porque acreditava que essa demonstração de fé poderia levar um observador razoável a concluir erroneamente que endossava as crenças religiosas de Kennedy, escreveu Gorsuch.

O distrito errou ao fazê-lo, acrescentou o juiz.

“As cláusulas de livre exercício e liberdade de expressão da Primeira Emenda protegem expressões como a do Sr. Kennedy. Nem um entendimento adequado da Cláusula de Estabelecimento da Emenda exige que o governo destaque o discurso religioso privado para um desfavor especial.

“A Constituição e o melhor de nossas tradições aconselham respeito e tolerância mútuos, não censura e repressão, tanto para visões religiosas quanto não religiosas”, escreveu Gorsuch.

A juíza Sonia Sotomayor apresentou uma opinião divergente, à qual se juntaram os ministros Stephen Breyer e Elena Kagan. A dissidência caracteriza Kennedy como um transgressor.

“Este caso é sobre se uma escola pública deve permitir que um funcionário da escola se ajoelhe, abaixe a cabeça e faça uma oração no centro de um evento escolar”, escreveu Sotomayor. “A Constituição não autoriza, muito menos exige, que as escolas públicas adotem essa conduta.”

A Suprema Corte está errada em ignorar “a grave interrupção de eventos escolares causada pela conduta de Kennedy, considerando-a irrelevante porque o Distrito Escolar de Bremerton … declarou que estava suspendendo Kennedy para evitar que fosse visto como endossando a religião”.

Kennedy foi responsável por “interrupções repetidas da programação escolar e violações da política escolar em relação ao acesso público ao campo como motivo para suspendê-lo”.

“Esta decisão é um desserviço às escolas e aos jovens cidadãos que servem, bem como ao compromisso de longa data de nossa nação com a separação entre Igreja e Estado”.

A Suprema Corte emitiu três pareceres no total em casos já discutidos em 27 de junho.

O tribunal está tentando eliminar um acúmulo de casos antes de sair para o recesso de verão. Com a divulgação dos três pareceres, restam quatro para serem divulgados no atual mandato do tribunal.

Quando terminar, o juiz Breyer deve deixar formalmente o tribunal e ser substituído por Ketanji Brown Jackson, indicada do presidente Joe Biden e confirmada pelo Senado dos EUA em 7 de abril.

Em 27 de junho, o tribunal anunciou que emitirá os próximos pareceres em 29 de junho.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas