Supermodelo Pooja Mor expõe o genocídio do Falun Dafa em ‘Mulheres do Ano Vogue 2019’

Nos últimos anos, Mor tem se concentrado em uma causa que está próxima de seu coração: aumentar a conscientização sobre a perseguição ao Falun Dafa na China

Por Jocelyn Neo

Esta modelo não é apenas mais uma a desfilar sobre uma pasarela. Pooja Mor, modelo ganhadora do prêmio ““Young Achiever of The Year”(“Jovem de sucesso do ano”) em “Vogue Women of the Year 2019” ( “Mulheres do Ano Vogue 2019”), se converte em uma voz para aqueles não têm voz. Na cerimônia de entrega de prêmios, o supermodelo falou sobre o genocídio que está acontecendo no mundo: a perseguição ao Falun Dafa na China.

O Falun Dafa é uma antiga disciplina de cultivo do corpo e da mente baseada nos princípios de Verdade, Benevolência e Tolerância.

Mor, que é natural de Ahmedabad, na Índia, mora em Nova Iorque e iniciou os primeiros passos como modelo no mundo em 2012, além de ganhar no evento “Clean & Clear Ahmedabad Times Fresh Face”. Sua estreia internacional foi lançada em 2016, com o passeio de camelo na feira Louis Vuitton Cruise 2016 de Nicolas Ghesquiere em Palm Spring, Califórnia.

O supermodelo Pooja Mor no 'Vogue Women of the Year 2019' em Mumbai, 19 de outubro de 2019 (Foto cortesía de Pooja Mor)
O supermodelo Pooja Mor no ‘Vogue Women of the Year 2019’ em Mumbai, em 19 de outubro de 2019 (Foto cortesía de Pooja Mor)

Desde então, a jovem de 27 anos trabalhou com Elie Saab, Alexander McQueen, Tory Burch, Dolce & Gabbana, Calvin Klein e outros. Mor fue galardonada com o prêmio “Modelo do Ano” do Vogue Beauty Awards 2016.

Em 2018, o ícone da moda recebeu o prêmio “NEW WAVE: Creatives” do British Fashion Council. No início deste ano, ela também realizaou uma poderosa palestra sobre como a adversidade também pode ser uma algo bom no TEDx Talks.

A supermodelo Pooja Mor no 'Vogue Women of the Year 2019', em 19 de outubro de 2019 (Foto cortesía de Pooja Mor)
A supermodelo Pooja Mor no ‘Vogue Women of the Year 2019’, em 19 de outubro de 2019 (Foto cortesía de Pooja Mor)

Apesar de ter alcançado todas essas conquistas, foi recentemente que Moor, que também é formada em engenharia da computação, percebeu o significado de alcançar uma “verdadeira conquista”.

No prêmio ‘Vogue Women of the Year 2019, realizado em Mumbai, Índia, em 19 de outubro, Mor compartilhou seu entendimento com o público, que incluiu celebridades internacionais e de Bollywood.

“Recentemente, percebi o que é conseguir algo realmente. Foi quando comecei a trabalhar não apenas para mim, mas também para os outros e para me tornar a voz daqueles que não têm voz ”, disse Mor em seu discurso agradecendo o prêmio, enviando mais tarde um vídeo para sua conta do Instagram, mas que não está mais disponível no momento.

Nos últimos anos, Mor tem se concentrado em uma causa que está próxima de seu coração: aumentar a conscientização sobre a perseguição ao Falun Dafa na China.

Pooja Mor recebeu o prêmio “Young Achiever Of The Year” na "Vogue Women of the Year 2019", no dia 19 de outubro de 2019 (Foto cortada por Hemang Shah / hs.shoot)
Pooja Mor recebeu o prêmio “Young Achiever Of The Year” na “Vogue Women of the Year 2019”, no dia 19 de outubro de 2019 (Foto cortesia de Hemang Shah / hs.shoot)

Mor conheceu o Falun Dafa, também conhecido como Falun Gong, pela primeira vez em 2014.

“Eu senti que era uma prática de meditação tão bonita e pacífica, e isso sempre me deixou muito positiva”, disse Mor ao Epoch Times em uma entrevista por e-mail.

O modelo Pooja Mor medita no Central Park, em 19 de abril de 2016 (La Gran Época | Benjamin Chasteen)
O modelo Pooja Mor medita no Central Park, em 19 de abril de 2016 (La Gran Época | Benjamin Chasteen)

No entanto, Mor não conseguiu entender quando soube que o Partido Comunista Chinês (PCC) proibiu a prática da meditação pacífica em julho de 1999, depois de saber que o número de pessoas que a praticavam havia se multiplicado por um período de cinco anos desde o momento em que ela foi apresentada ao público em 1992.

Desde 1999, “milhões de pessoas que praticam o Falun Dafa foram submetidas a prisões ilegais,” lavagem cerebral “e sessões de tortura, com milhares de mortes confirmadas em custódia”, segundo o Centro de Informações do Falun Dafa.

Nos últimos anos, a mídia também informou que o regime comunista extrai órgãos de prisioneiros de consciência, a maioria praticantes do Falun Dafa.

“Um governo deveria proteger seu povo, e eu não podia acreditar que algo assim poderia estar acontecendo, especialmente em um grupo de pessoas que seguem os princípios de Verdade, Benevolência e Tolerância”, disse Mor.


(Foto cedida por Anastasia Durasova @ The Wall Group)

Mor disse que não foi fácil de aceitar. Ela começou a fazer sua própria pesquisa e a assistir a documentários sobre a extração forçada de órgãos na China, e encontrou muitos artigos confirmando que essas coisas ainda estão acontecendo.

Portanto, uma vez que seu agente lhe perguntou se ela tinha uma causa sobre a qual ele queria conscientizar, a resposta foi óbvia. Mor começou a escrever artigos e a conversar com as pessoas sobre a perseguição. “A maioria das pessoas com quem conversei ficou surpresa ao saber e não conseguiu entender por que uma prática tão pacífica está sendo perseguida na China”, disse ela.

Embora Mor estivesse ativamente conscientizando sobre a perseguição ao Falun Dafa na China em suas redes sociais, ela nunca havia falado sobre sua fé no Falun Dafa diante do público.

No entanto, a oportunidade surgiu quando ela soube que a Vogue India a havia escolhido como a “Young Achiever Of The Year”.

Quando Mor começou a escrever seu discurso de agradecimento, era apenas um discurso normal agradecendo a todos os que estavam relacionados à sua carreira profissional.

Então ela se perguntou: “O que eu realmente consegui na vida?” E “O que me faz ter sucesso em meu próprio coração ou consciência?”


(Foto cedida por Ryan Kyungrockim Kim)

Ela percebeu que “a verdadeira conquista ocorre quando você trabalha não apenas para si mesmo, mas, mais importante, quando trabalha para os outros e defende pessoas que não têm voz e quando você defende uma razão maior que precisa ser esclarecida ao mundo”, disse Mor.

“Quando terminei o discurso, uma doce satisfação tomou conta de mim e me tornou uma pessoa melhor. Essa é uma conquista real, a meu ver. ”


(Da esquerda para a direita) Os diretores da Anima Creative Talent Management, Mark Luburic e Gunita Stobe, a supermodelo Pooja Mor e o estilista Gabriel Georgiou (Foto cortesia de Pooja Mor)

“Ao defender os outros, percebi o que significa realmente alcançar algo na vida”, concluiu Mor em seu discurso.

Mor disse ao Epoch Times: “Continuo agradecida pelo prêmio Vogue India e, quando proferi o discurso naquela noite, fiquei comovida com a maneira como todos responderam, querendo saber mais sobre a violação dos direitos humanos”.

No entanto, acrescentou ela: “Depois que eu publiquei o vídeo do discurso no Instagram, a Vogue India entrou em contato com meus agentes para pedir que o vídeo fosse editado ou não publicado porque eles não incentivam o uso de sua plataforma para declarações políticas pessoais”. Eu acho que isso é apenas um indício de que há a necessidade de muita conscientização e esclarecimento neste setor e em muitos outros”.


Pooja Mor com uma camisa que diz “Falun Dafa é bom” (Foto cortesia de Bobby Lee)

Mor reafirmou que continuará a conscientizar sobre o que está acontecendo na China.

“Não posso sentar e ver milhões de pessoas inocentes sendo injustamente perseguidas e seus órgãos sendo extraídos sem o consentimento delas e sem anestesia. Eu tenho que defendê-los, é a minha causa, e essa é, para mim, a voz daqueles que não têm voz ”, disse Mor.

******

Assista também:

Superando o autismo – a história de Brady

 

 
Matérias Relacionadas