Sumidouros engolem pessoas na China

Um chinês de 25 anos morreu após um sumidouro abrir-se de repente próximo de um canteiro de obras na cidade de Shenzhen na China.

O homem andava perto de um canteiro de obras quando um buraco de 50 metros de profundidade se abriu. O Diário da Manhã do Sul da China identificou o homem como o guarda de segurança Yang Jiabin, que andava com um guarda-chuva antes que a terra se abrisse debaixo dele.

O buraco foi capturado em vídeo, ilustrando a rapidez como este fenômeno costuma se formar. O vídeo, segundo relatos da mídia, é uma montagem de gravações do circuito de segurança local.

Não está clara a razão do surgimento do sumidouro.

O Diário disse que moradores locais que habitam nas proximidades do buraco haviam reclamado de tremores originados de uma construção próxima apenas seis metros de distância.

Um “especialista”, que esteve no local e foi citado pelo jornal, disse que os edifícios próximos estão seguros.

O Diário Especial da Zona de Shenzhen informou que as autoridades conseguiram recuperar o corpo de Yang Jiabin, mas ele já estava morto, segundo o jornal Metro.

Na China, sumidouros são comuns. A mídia News Limited da Austrália relatou que em Pequim mais de 100 buracos se formaram nos últimos dois meses, principalmente devido a práticas ruins de construção.

Em junho passado, um sumidouro abriu no sul da província de Guangxi e engoliu uma van, causando ferimentos no condutor.

Em agosto, a cidade nordeste de Harbin foi afetada pela súbita erupção de vários sumidouros, provocando uma discussão generalizada sobre a causa. Cerca de sete buracos apareceram na cidade em uma semana, matando duas pessoas e ferindo outras mais.

Muitos internautas chineses acreditam que os buracos são causados por práticas deficientes de construção. Eles são “problemas óbvios de qualidade de engenharia e tem pouco a ver com desastres naturais”, escreveu um blogueiro no ano passado, quando apareceram os buracos em Harbin, embora em algumas áreas chineses também atribuam a ocorrência do fenômeno à mineração excessiva de carvão.

Epoch Times publica em 35 países em 21 idiomas.

Siga-nos no Facebook: https://www.facebook.com/EpochTimesPT

Siga-nos no Twitter: @EpochTimesPT

 
Matérias Relacionadas