Smart TV chinesa cancela parceria com empresa de Big Data após alegar monitoramento de residências

Por Jessica Mao

Recentemente, um internauta da China continental chamado “v64500” escreveu no fórum online “V2EX” que sua televisão conectada à Internet estava digitalizando dispositivos eletrônicos em sua casa e enviando os dados para uma empresa chamada “Gozen Data”. O internauta revelou que sua televisão é uma marca da China chamada “Skyworth”.

O internauta achou que a televisão estava um pouco lenta e verificou seu programa de serviço de back-end e “encontrou algo chamado ‘Gozen Data’ e não tinha ideia do que aquilo estava fazendo”.

O internauta disse que a televisão usa o sistema Android. Depois de estudar os dados por um tempo, a v64500 descobriu que “essa coisa [Gozen Data] verifica todos os dispositivos conectados à Internet em minha casa a cada 10 minutos”.

“Ele envia tudo de volta, incluindo nome de host, endereço MAC, IP e até latência de rede. Ele também verifica nomes de SSID Wi-Fi e endereços MAC adjacentes, e os envia coletivamente de volta ao nome de domínio gz-data.com ”, explicou o internauta.

“Ou seja, são coletadas informações incluindo quais dispositivos inteligentes existem em casa, se o seu celular está ou não em casa, quem está conectado à internet em sua casa e qual é o nome do Wi-Fi do seu vizinho e é carregado para este domínio a qualquer momento. Tem certeza de que este não é um serviço de espionagem ??? ” v64500 perguntou no post.

O internauta também conduziu uma análise de código e carregou uma captura de tela das descobertas, que mostrou que o aplicativo de serviço Gozen Data correspondia a TVAC.apk – um aplicativo de jogo gratuito para Android.

A postagem atraiu ampla atenção e debate acalorado entre os internautas.

O internauta zro disse: “Não me atreveria a conectar esse tipo de televisão à internet, mesmo em minha própria casa”.

Outro internauta disse: “Meu roteador Xiaomi continua solicitando o nome de domínio API.miwifi.com, uma vez a cada 3 segundos, e não sei por que está fazendo isso. Eu estou assustado.”

Duas mulheres passam por uma loja Xiaomi em Pequim, China, em 15 de janeiro de 2021 (Greg Baker / AFP via Getty Images)

“É por isso que o sinal Wi-Fi precisa ser escondido. [Há] muito lixo doméstico [chinês]. Não é à toa que [o Partido Comunista Chinês (PCC)] foi sancionado pelos Estados Unidos ”, disse o internauta free9fw.

Skyworth desativa imediatamente o serviço de dados Gozen

Em 27 de abril, a Skyworth TV divulgou um comunicado em seu site oficial, dizendo que a empresa desativou imediatamente o serviço Gozen Data em todas as televisões Skyworth.

O comunicado afirma que o serviço é fornecido pela Beijing Gozen Data, que fez parceria com a Coocaa, uma empresa de tecnologia cibernética subordinada à Skyworth. Coocaa teria enviado uma carta a Gozen Data para cancelar o contrato.

De acordo com o site oficial da Gozen Data, a empresa é “uma empresa terceirizada de big data dedicada ao marketing inteligente de dados domésticos” e também “a primeira empresa de big data na China com dados domésticos como núcleo”. Atualmente, os dados da empresa “cobrem efetivamente 149 milhões de residências, 457 milhões de pessoas e mais de 140 milhões de terminais de TV inteligentes”, de acordo com o site da empresa.

Já em 2014, Gozen Data estabeleceu formalmente uma parceria estratégica com a Skyworth’s Coocaa. Naquela época, Gozen havia firmado uma parceria estratégica de longo prazo com fabricantes de televisão chineses e estrangeiros, incluindo Skyworth, TCL, Changhong, Konka, Fun TV, Whaley, Sanyo, Toshiba e Philips. Também coopera com empresas de tecnologia como a Coocaa e provedores de conteúdo como a TVMao. Ele obtém dados de TV inteligente em primeira mão instalando SDKs (kits de desenvolvimento de software) por meio de uma camada de abstração de plataforma (PAL), que altera o software original.

Na China continental, a vigilância do PCC está em toda parte. Os residentes chineses vivem sob o controle da “Nuvem de Polícia” do PCC , e todas as informações pessoais, inclusive roupas, comida, moradia e transporte, são coletadas e monitoradas pelo sistema.

Uma bandeira nacional chinesa tremula perto das câmeras de vigilância montadas em um poste na Praça Tiananmen, em Pequim, China, em 15 de março de 2019 (Andy Wong / AP Photo)

O sistema Police Cloud do PCC extrai dados de vídeos, comunicações de voz, localizações de telefones celulares e outros recursos sociais.

A província de Guizhou é a primeira zona-piloto nacional de big data na China, e as autoridades policiais da província estabeleceram uma chamada “gaiola de ferro de dados”, usando-a em todas as suas operações, incluindo repressão e prevenção, gestão e controle de crimes sociais.

Em 20 de dezembro do ano passado, o internauta catcarterpi  postou uma foto no Twitter e disse: “Big data, prisões a céu aberto estão tomando forma”.

Os relatórios internos do PCC obtidos pelo Epoch Times revelam que os governos locais na China estão monitorando as pessoas na internet diariamente.

O PCC coleta Big Data em todo o mundo

O PCC não está apenas monitorando seus próprios residentes, mas também coletando grandes dados globalmente.

Um membro da equipe da Huawei usa seu telefone celular no Huawei Digital Transformation Showcase em Shenzhen, província de Guangdong na China, em 6 de março de 2019 (Wang Zhao / AFP / Getty Images)

Claudia Rosett, uma bolsista adjunta do Hudson Institute, disse em um artigo publicado pelo Wall Street Journal em outubro passado que o PCC “usa a ONU para expandir seu alcance de vigilância”. A ONU estabeleceu planos de dados globais com o regime chinês, incluindo “um centro de pesquisa para análise de dados de estados membros da ONU e um centro geoespacial para alistar as proezas da China com vigilância por satélite”.

Em setembro de 2020, a Shenzhen Zhenhua Data Information Technology Company (Zhenhua) foi exposta por coletar grandes quantidades de dados sobre mais de 2,4 milhões de pessoas e 650.000 organizações em todo o mundo.

Zhenhua “está criando ferramentas para processar as informações de código aberto do mundo sobre pessoas influentes – selecionadas do Twitter, registros criminais, postagens do LinkedIn, vídeos do YouTube e muito mais – em dados que podem ser analisados ​​e usados ​​por universidades, empresas, atores do governo e os militares chineses ”, afirma um relatório do Globe and Mail.

Um relatório do Washington Post de 14 de setembro de 2020 afirma que “os documentos de marketing e recrutamento da Zhenhua caracterizam a empresa como uma empresa patriótica, com os militares como seu principal cliente-alvo.”

“Pesquisadores e atuais e ex-funcionários dos EUA dizem que o OKIDB [Overseas Key Information Database] parece consistente com um esforço de anos do governo chinês para expandir a capacidade do país de colher grandes quantidades de dados para fins estratégicos.”

Entre para nosso grupo do Telegram.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas