Sinovac pressiona Brasil no envio de insumos visando mudança de postura em relação a China

Por Alicia Marquez

Por meio de ofício obtido pela imprensa brasileira, a farmacêutica chinesa Sinovac exigiu do governo brasileiro um acordo melhor com a China para garantir o embarque de suprimentos ao  Instituto Butatan para a produção da vacina CoronaVac.

O ofício – obtido a partir de documento confidencial do Itamaraty que teria sido encaminhado à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da COVID pela embaixada do Brasil na capital chinesa – relata encontro realizado no dia 19 de maio em Pequim entre diplomatas e representantes brasileiros com o presidente da SinoVac, Weidong Yan.

Em maio passado a Sinovac exigiu uma mudança de posição do governo brasileiro para ter uma relação “mais fluida” entre os países e “enfatizou a importância do apoio político para a realização das exportações, de acordo com a Globo. E até mesmo a possibilidade de tratamento preferencial a determinados países ”.

Na quarta-feira, o portal do Instituto Butatan do governo do estado de São Paulo apontou que os ataques às redes sociais contra a vacina chinesa contra o COVID-19 CoronaVac podem dificultar a vacinação de brasileiros, segundo estudo de pesquisadores da Universidade de São Paulo ( USP).

Por outro lado, um estudo citado pelo Instituto Butantan afirma: “Identificamos 5 atrasos nas entregas de IFA para a produção de doses de CoronaVac da China. O atraso na chegada dos suprimentos se deve a entraves nos embarques no aeroporto de Pequim e não a problemas de entrega de Sinovac ao Butantan. Em dois desses casos, os embarques não chegaram ”.

Questionado se a Sinovac poderia cumprir o embarque de suprimentos acordado com o Brasil, o executivo da Sinovac respondeu que seria “conveniente” para o processo, para o governo brasileiro “desenvolver uma relação mais fluida e positiva com o governo chinês”.

“[O presidente da Sinovac] não afirmou categoricamente que haveria interferência direta do governo na destinação dos insumos, mas ressaltou a importância de um bom diálogo entre Brasília e Pequim. Ele afirmou que a questão não é meramente comercial, mas também diplomática. Ele citou, como exemplo, o reflexo positivo das boas relações que a Indonésia e o Chile mantêm com a China no fornecimento de vacinas a esses países ”, segundo o documento enviado ao Itamaraty.

No início de maio, algumas semanas antes da reunião, o presidente brasileiro Jair Bolsonaro sugeriu que o vírus do PCC poderia ser parte de uma “guerra bacteriológica”.

“ É um novo vírus. Ninguém sabe se ele nasceu em um laboratório ou porque um humano comeu algum animal que não deveria. Mas os militares sabem tudo sobre guerra química, bacteriológica e radiológica. Estaríamos travando uma nova guerra? Me pergunto. Qual é o país que mais cresceu o PIB? ”, Disse o presidente brasileiro.

Embora o presidente brasileiro não tenha mencionado diretamente nenhum país em particular, a China foi o único país a experimentar crescimento econômico no ano passado – segundo  relatório da Conferência das Nações Unidas para o Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD) – pesa sobre as demais nações do mundo à estagnação econômica causada pela pandemia do vírus do PCC.

Bolsonaro, em janeiro, dirigiu-se a seus apoiadores em frente à sua residência oficial, o Palácio da Alvorada, e falou sobre a eficácia da vacina farmacêutica Sinovac: “Esses 50% são bons, certo? Todas as [críticas] que recebi pelos meus comentários, e agora vocês estão vendo a verdade. Fui [atacado por] quatro meses por causa da vacina ”, relatou a Reuters.

Com informações da repórter Débora Alatriste

Entre para nosso canal do Telegram.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas