Sinais de aumento de preparativos militares dos EUA contra Coreia do Norte

O presidente Donald Trump disse que uma Coreia do Norte desnuclearizada é a única opção para os Estados Unidos. Em um esforço para que a Coreia do Norte abandonasse suas armas nucleares ─ algo que o regime jurou não fazer ─ a administração Trump está usando conversas diplomáticas, sanções econômicas e a ameaça da força militar.

“O presidente tem sido extremamente claro em sua perspectiva sobre a Coreia do Norte. Ele não aceitará esse regime ameaçando os Estados Unidos com uma arma nuclear. Ele simplesmente não vai aceitar”, disse o conselheiro de segurança nacional H.R. McMaster na Fundação para Defesa e Democracia em 19 de outubro.

Na segunda-feira, a Força Aérea dos Estados Unidos disse que está fazendo planos para colocar bombardeiros B-52 com armas nucleares em alerta 24 horas ─ um procedimento militar não visto desde o fim da Guerra Fria.

Os preparativos foram revelados pelo chefe de gabinete da Força Aérea, o general David Goldfein, em entrevista à Defense One. Goldfein sublinhou que a ordem de alerta não havia sido dada, mas que a Força Aérea estava fazendo preparativos antecipados para caso ela se efetivasse.

Em Guam, sede da Base de Andersen da Força Aérea americana, a Força Aérea informou que recebeu 816.393 ativos de munição desde agosto. A munição está reabastecendo munições usadas em exercícios de treinamento e estoques que expiram, e elevou o nível total de munições na base da Força Aérea em 10% em relação ao ano passado.

“As munições recebidas asseguram que os recursos necessários estão disponíveis no cenário para apoiar os objetivos nacionais”, disse o major Erik Schmid, comandante do 36º Esquadrão de Munições.

Localizado a cerca de 3.200 km da Coreia do Norte, a base da Força Aérea em Guam tem uma série de bombardeiros B1-B estacionados lá, que estão prontos para decolar com um breve aviso. Na semana passada, os bombardeiros B-1B, acompanhados por jatos de combate japoneses e sul-coreanos, realizaram treinos sobre as águas internacionais da península coreana.

Um bombardeiro estratégico de longo alcance B-1B. Em julho deste ano, os EUA levaram dois bombardeiros à península coreana num exercício de treino. O secretário de Defesa James Mattis disse que os EUA são capazes de causar "aniquilação total" na Coreia do Norte (Cortesia USAF/Getty Images)
Um Lançador B-1B (Cortesia USAF/Getty Images)

Os Estados Unidos também aumentaram sua presença naval na região. Dois submarinos de energia nuclear foram mobilizados na península coreana na semana passada para participar de exercícios de guerra com forças sul-coreanas. O USS Ronald Reagan, que carrega 5.000 marinheiros e 90 aviões de combate, está na área para os exercícios de guerra.

O secretário de Defesa, James Mattis, disse em 9 de outubro que os militares dos EUA deveriam estar preparados em resposta às tensões com a Coreia do Norte.

Falando na reunião anual da Associação do Exército dos Estados Unidos na segunda-feira, Mattis disse que a questão da Coreia do Norte é atualmente diplomática e econômica.

“É agora um esforço diplomático liderado, de reforçada sanção econômica para tentar tirar a Coreia do Norte deste caminho”, disse Mattis em resposta a uma pergunta da plateia sobre o que os militares americanos podem fazer para evitar a probabilidade de um conflito armado com o Norte.

No entanto, Mattis sublinhou a importância de os militares dos EUA estarem prontos para o conflito, se ele acontecer. “Há uma coisa que o Exército dos Estados Unidos pode fazer, e esta é você deve tratar de estar pronto para garantir que nós possuamos as opções militares que nosso presidente pode empregar, se necessário”, disse Mattis.

O porta-aviões USS Ronald Reagan realiza exercícios conjuntos com a marinha sul-coreana em 19 de outubro de 2017 (Reuters/Tim Kelly)
O porta-aviões USS Ronald Reagan realiza exercícios conjuntos com a marinha sul-coreana em 19 de outubro de 2017 (Reuters/Tim Kelly)

O chefe de gabinete do exército americano, o general Mark Milley, disse em resposta aos comentários de Mattis, que o Exército foi encarregado de se preparar para a guerra com a Coreia do Norte.

“O secretário Mattis, ontem, incubiu expressamente o Exército dos Estados Unidos de estar preparado. Suas palavras foram cuidadosamente escolhidas”, disse Milley. “Então, nossa tarefa número 1, barra nenhuma, é permanecermos prontos. Prontidão para o quê? Está preparado para a guerra.”

A Coreia do Norte respondeu aos exercícios de guerra através de sua mídia estatal, ameaçando “um ataque além da imaginação”.

Leia também:
Coreia do Norte constrói seu primeiro submarino de ataque nuclear
O estridente recuo da Coreia do Norte e a tática Trump
O cavalo de Troia de Pyongyang

 
Matérias Relacionadas