Sidney Powell, advogada de Trump: ‘presidente Trump teve vitória esmagadora, vamos provar isso’

Powell alegou uma conspiração transnacional envolvendo a “influência do dinheiro comunista” de países como Cuba, Venezuela e “provavelmente China”

Por Jack Phillips

A advogada de campanha de Trump, Sidney Powell, disse durante uma entrevista coletiva em 19 de novembro que o presidente Donald Trump “venceu por uma vitória esmagadora”, dizendo que sua equipe jurídica vai provar isso.

“Os patriotas americanos estão fartos da corrupção desde o nível local até o mais alto nível de nosso governo”, disse ela.

“Não vamos ser intimidados. Não vamos recuar. Vamos limpar essa bagunça agora. O presidente Trump teve uma vitória esmagadora. Nós vamos provar isso. E vamos reivindicar os Estados Unidos da América para as pessoas que votam pela liberdade.”

Powell alegou uma conspiração transnacional envolvendo a “influência do dinheiro comunista” de países como Cuba, Venezuela e “provavelmente China” para anular a corrida presidencial por meio de um software eleitoral. A advogada de longa data, que representou o tenente-general Michael Flynn, pediu então ao Departamento de Justiça que iniciasse uma investigação criminal.

Powell, uma ex-promotora, fez referência a um denunciante que se apresentou e testemunhou como o software de votação pode manipular votos secretamente. A pessoa disse que trabalhou com os militares venezuelanos, delineando uma conspiração entre executivos da Smartmatic, o ex-ditador socialista venezuelano Hugo Chávez, e funcionários eleitorais no país anos atrás.

O denunciante disse que o “software e design fundamental do sistema eleitoral eletrônico e software da Dominion e outras empresas de tabulação eleitoral depende de um software que é um descendente do Sistema de Gestão Eleitoral Smartmatic”.

“Em suma, o software Smartmatic está no DNA de cada software e sistema de empresa de tabulação de votos”, disse o denunciante.

O Epoch Times não conseguiu verificar de forma independente as alegações do denunciante.

Powell alegou que Smartmatic, Dominion e outros usaram tecnologia no dia da eleição que foi desenvolvida sob o regime de Chávez anos atrás para “garantir que ele nunca perdesse uma eleição”. Chávez morreu em 2013.

Dominion e Smartmatic não responderam imediatamente a um pedido de comentário do Epoch Times.

A Smartmatic negou qualquer vínculo com a Dominion, enquanto a Dominion disse que “não tem relações de propriedade da empresa com a família Pelosi, família Feinstein, Clinton Global Initiative, Smartmatic, Scytl ou qualquer vínculo com a Venezuela”. A Dominion comprou ativos de uma subsidiária da Smartmatic três anos após sua venda. A Smartmatic escreveu em seu site que “não tem laços com nenhum governo ou partido político em nenhum país. Nunca foi propriedade, financiada ou apoiada por qualquer governo”.

O advogado Lin Wood, que entrou com um processo alegando irregularidades eleitorais na Geórgia, escreveu que a declaração da Smartmatic de que não tem vínculos com a Dominion é uma mentira, acrescentando que um site de checagem de fatos que continha as declarações das empresas é “pago para publicar propaganda”.

Também na coletiva de imprensa, o ex-prefeito da cidade de Nova Iorque, Rudy Giuliani, observou que havia depoimentos apresentados em estados do campo de batalha que supostamente apontam para um esquema de fraude eleitoral dirigido centralmente para derrubar a eleição em favor do desafiante democrata Joe Biden.

“Na cidade de Atlanta, os republicanos não tinham permissão para assistir ao processo de votação de ausentes pelo correio. As inspeções foram deixadas de lado completamente. E temos numerosos eleitores duplos, numerosos eleitores de fora do estado e temos evidências específicas de intimidação e mudanças de voto. Isso tudo estará no processo que sai amanhã”, disse Giuliani.

Vários secretários de estado no Arizona, Pensilvânia, Geórgia, Michigan e em outros lugares disseram não ter visto nenhuma evidência de fraude eleitoral que pudesse anular os resultados das eleições. No início desta semana, a Agência de Segurança Cibernética e de Infraestrutura (CISA) do Departamento de Segurança Interna (DHS) disse que a eleição de 3 de novembro foi a “mais segura” da história.

O chefe da Comissão Eleitoral Federal, Trey Trainor, lançou dúvidas sobre muitas das alegações dos funcionários de que não houve fraude, dizendo que acredita que “houve fraude” em estados-chave.

Trump demitiu Christopher Krebs, o ex-chefe da CISA, vários dias atrás, após a declaração de segurança eleitoral. Krebs, em 18 de novembro, tentou qualificar seus comentários no Twitter, escrevendo que “Eu nunca aleguei que não houve fraude na eleição, [porque] esse não é o trabalho da CISA – é um assunto de aplicação da lei”.

“Fornecemos informações sobre as medidas que os funcionários eleitorais usam para prevenir e detectar eleitores mortos”, escreveu ele.

Charlotte Cuthbertson contribuiu para esta reportagem.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas