Seria Hong Kong o novo Tiananmen?

Por Armando Armas

Nas últimas semanas, vários protestos clamaram pelos direitos dos afro-americanos, na sequência da brutalidade policial que chocou o mundo após a execução de George Floyd, indignando não apenas a comunidade afrodescendente do mundo, mas todos que assistiram às injustiças que ameaçam a vida, uma ameaça plausível à humanidade e aos princípios democráticos.

Curiosamente, esse movimento se sobrepõe à comemoração do 31º aniversário do massacre da Praça da Paz Celestial em Pequim, na China, e considero pertinente, em um momento tão propício à conscientização dos direitos humanos, falar em nome do povo de Hong Kong.

O ano de 1989 foi um dos movimentos de telúricos para a ordem mundial. A cortina de ferro estava em colapso, novos movimentos democratizantes nasceram em todo o mundo, além de protestos sociais e políticos.

Naquele ano, a Praça da Paz Celestial em Pequim na China se tornou um dos ícones da luta pela liberdade. Diferentes setores que exigiram aprofundar as reformas empreendidas uma década antes pelo líder Deng Xiaoping foram às ruas para protestar. Embora se fale de centenas de assassinatos, milhares de detidos e centenas de milhares de feridos, não há números reais sobre o que aconteceu lá. Para fins históricos, tais números não podem ser reivindicados, porque no comunismo não há instituições para fazê-lo. O poder é imposto acima de tudo e a lei é apenas uma ferramenta para seu exercício, ao contrário do que acontece com as democracias onde as leis são projetadas para seu controle.

Os protestos de Tiananmen deixaram, entre outras coisas, uma imagem: a de um jovem em frente a uma coluna de tanques. Imagem que serviu de inspiração para quem, desde tenra idade, se comprometeu com o ativismo pelos direitos humanos, liberdade e democracia.

Nos anos seguintes, o sistema econômico global permitiu à China se tornar a segunda maior potência do mundo. Fechando um olho – e às vezes ambos – sobre questões de direitos humanos, países que ergueram as bandeiras da liberdade e da democracia como o grande legado da cultura ocidental, sucumbiram à tentação de fazer negócios com quem se tornaria o “gigante” asiático”.

Alguns acreditavam que o crescimento econômico da China levaria à sua abertura política e eventual democratização. Nada poderia estar mais longe da realidade. O Partido Comunista Chinês (PCC) é uma organização que hoje mostra sua face mais agressiva quando a natureza expansionista de seu projeto – não apenas econômica, mas política – é revelada. O comunismo é essencialmente expansionista. Trotsky disse que a revolução “é internacional ou não é uma revolução”.

As enormes somas de dinheiro acumuladas pelo PCC ao longo desses anos, adicionadas às novas tecnologias e à dinâmica da globalização, tornaram realidade a ameaça de um tipo de ciberotalotalitarismo hoje.

Os três T’s e agora Hong Kong

Tibete, Taiwan e Tiananmen são considerados tabus na China. Grande parte do exercício do chamado soft power, através do financiamento de pesquisas acadêmicas, da abertura de Institutos Confúcio nos países do mundo, da propaganda na mídia e da concessão de créditos aos países mais pobres, faz parte de um real esquema de censura do 3T.

O mesmo está acontecendo atualmente em Hong Kong, onde protestos vêm ocorrendo por cidadãos que, devido à sua história do colonialismo britânico, sentem maior identificação com os valores e princípios da democracia, respeito à lei, liberdade de expressão, imprensa e associação, ao contrário dos valores do comunismo que se destinam a serem impostos de Pequim com o uso da força.

“Um país, dois sistemas” foi o princípio adotado pela China desde 1984 para determinar “zonas econômicas especiais” nas quais aplicar os princípios da economia capitalista. Na Declaração Conjunta Sino-Britânica assinada em 1985, seria acordado que, a partir de janeiro de 1997 e por 50 anos, Hong Kong faria parte da China, embora administrada por um sistema diferente do socialismo-comunismo.

Atualmente, a brutalidade policial e a ameaça militar do Exército do Povo Chinês contra o povo de Hong Kong desafiam esses acordos, bem como o direito internacional. Pela força, pretende-se impor o princípio: “Uma China, Um sistema”.

Todas as vidas importam

O recente assassinato de George Floyd é um evento aberrante e ultrajante e eu o condeno fortemente. No entanto, existem razões para acreditar que esses eventos são uma oportunidade única de manipulação pelos inimigos da democracia. Como 31 anos atrás, o momento histórico atual é um dos fortes movimentos telúricos na ordem econômica e política internacional. O cenário ideal para quem gosta de pescar em um rio agitado.

As vidas de sírios, iranianos, cubanos, somalis ou o povo de Mianmar, que levantaram suas vozes nos últimos anos, são importantes. Também importa a vida do povo do Iêmen, Sudão do Sul, Líbia, Nicarágua ou Venezuela; para citar alguns dos países onde reinam a opressão e a injustiça.

Hoje eu falo pela vida do povo de Hong Kong enquanto escrevo estas linhas, milhares de pessoas se reúnem no Victoria Park, desafiando a ordem da polícia para não comemorar o massacre da Praça da Paz Celestial.

Apoio as palavras de Tom Tugendhat, meu colega na Câmara dos Comuns no Parlamento Britânico, em um tweet recente: “Se você não está disposto a defender a liberdade em todos os lugares, não pode esperar desfrutar da liberdade em nenhuma parte”.

Hong Kong é o novo Tiananmen?

Apesar da perseguição e prisão em Hong Kong nos últimos anos, certamente não podemos falar de massacre, como ocorreu em Tiananmen. Não até agora, e espero que isso não aconteça. Mas com comunistas nunca se sabe, a história deles é de massacres, invasões, fomes e mortes.

Devemos protestar contra a brutalidade do Partido Comunista Chinês e sua determinação em violar o direito internacional, aumentando seu controle político enquanto censura a mídia e os jornalistas. Ao promover campanhas de desinformação e ataques de propaganda que promovem o vandalismo no Ocidente para se consolidar interna e externamente, além de se legitimar como o melhor modelo de governança (política e econômica) para o mundo pós-COVID-19.

Se a luta empreendida pelos cidadãos de Hong Kong, como a imagem daquele jovem diante de tanques na Avenida Chang’an, em Pequim, há 31 anos, serve de inspiração para enfrentar o totalitarismo de hoje, estamos diante um novo ícone de luta, de resistência, um novo Tiananmen.

Armando Armas é presidente da Comissão Permanente de Política Externa, Soberania e Integração da Assembleia Nacional da Venezuela. Deputado pelo estado de Anzoátegui.

As opiniões expressas neste artigo são de propriedade do autor e não refletem necessariamente as opiniões do The Epoch Times.

Veja também:

O Método do PCC

 

 
Matérias Relacionadas