Sacrifício a curto prazo é fundamental para sucesso a longo prazo

Tenho recebido muitos pedidos de recém-graduados e de indivíduos que procuram começar uma carreira. Olhando para trás, é irônico que em diferentes momentos de minha vida eu também tenha pertencido a ambas as categorias. Assim, eu definitivamente posso compreender a luta que essas pessoas estão passando. O maior dilema que enfrentei na época era a espada de dois gumes do “potencial” versus “experiência”.

Como um recém-graduado impetuoso, eu estava certo de que tomaria o mundo de assalto. Eu teria grandes oportunidades em termos de emprego. Cara, eu estava errado. Eu tive um momento difícil mesmo tendo entrevistas. Parecia que meu currículo estava indo para um abismo. Ao longo da faculdade, eu pensava que tudo o que eu precisava fazer era ter boas notas e as companhias fariam fila para me contratar. Então, eu estudei intensamente, me graduei com honras e até recebi uma bolsa de estudos da Chevron como o melhor aluno de minha área. Na verdade, o primeiro emprego para o qual me candidatei foi na Chevron. A triste ironia é que eu nem tive uma resposta da empresa que me deu uma bolsa de estudos – sem entrevista, sem telefona, nem sequer um e-mail.

Eu dou gargalhadas sempre que penso nisso, mas não foi engraçado na época. Na verdade, eu fiquei muito amargo. Tão amargo, que boicotei abastecer na Chevron por um bom tempo. Assim, por anos, eu tive de achar outro jeito de por combustível de outras companhias, mesmo sabendo que a Chevron estava logo ali na minha esquina. Eu aprendi uma dura lição, que não importava o quão bom eu achasse que fosse e o que eu podia fazer no trabalho, isso não significaria tanto para os contratantes com quem eu já tivesse trabalhado. Aqui vai mais uma equação para vocês:

Poderia fazer o trabalho < Ter feito o trabalho

Há sempre exceções à regra, mas, na maioria, os contratantes preferem ver “feito” em vez de “poderia fazer”.

Então, como você adquire experiência se você não consegue o trabalho? Isso não é impossível. Para mim, como um jovem graduado, a primeira coisa que tive de fazer foi reduzir meu ego e minhas expectativas. Por um longo período, eu até deixei passarem boas oportunidades para obter experiência na área em que estudei, porque eu tinha entranhado em minha cabeça que eu tinha de ganhar certo salário. Eu também tive de mudar meu objetivo de ter o melhor salário possível para ter a melhor oportunidade de aprendizagem possível. O fato é que há empregadores por aí que querem contratar pessoas de potencial elevado, você só precisa alterar suas expectativas e ajustar suas atitudes para estar apto a detectar mais facilmente essas oportunidades.

Fazer estes ajustes foi como tirar uma venda dos olhos. Eu vi oportunidades sob uma nova luz e, com certeza, encontrei um emprego que estava em conformidade com o caminho que eu queria tomar em minha carreira. O salário inicial não era nada de mais, mas percebi que o que faltava em salário compensava na experiência de aprendizado que eu ganharia. Você tem de entender que sua carreira é uma longa jornada e que sacrifícios de curto-prazo são necessários para conseguir o pagamento que você deseja em longo prazo.

É engraçado; eu até coloquei gasolina em meu carro hoje num posto da Chevron. Acho que ninguém mais pode falar que sou amargo. Na verdade, eu sou bastante grato pela experiência.

Song Woo é um especialista em gestão de emprego e carreira e presidente e CEO do Lighthouse Management Group

 
Matérias Relacionadas