Rússia corta fornecimento de energia elétrica da Finlândia

O corte de eletricidade para a Finlândia veio pouco antes do anuncio oficial de que o país buscaria adesão à OTAN

Por Naveen Athrappully

O fornecedor russo de energia RAO A Nordic Oy cortou o fornecimento de eletricidade para a Finlândia no início do sábado, acusando o país de não ter pago contas passadas.

“Somos forçados a observar que, para os volumes vendidos na bolsa Nord Pool desde 6 de maio, os fundos ainda não foram creditados em nossa conta bancária. Esta situação é excepcional e aconteceu pela primeira vez em mais de vinte anos de nossa história comercial.”

“Infelizmente, na atual situação de falta de receita em dinheiro, a RAO Nordic não pode fazer pagamentos pela eletricidade importada da Rússia. Portanto, somos forçados a suspender a importação de eletricidade a partir de 14 de maio”, disse a RAO Nordic em um anúncio de 13 de maio.

Segundo a Fingrid, operadora do sistema de transporte finlandês, a situação do fornecimento de eletricidade no país não está ameaçada. A eletricidade russa representa apenas cerca de 10% do consumo total da Finlândia.

A autossuficiência da Finlândia na geração de eletricidade está melhorando, especialmente a geração de energia eólica, afirmou Fingrid. Este ano, espera-se que o país coloque on-line 2.000 megawatts adicionais de energia eólica. Até 2023, espera-se que a Finlândia se torne autossuficiente em eletricidade.

“A falta de importação de eletricidade da Rússia será compensada importando mais eletricidade da Suécia e gerando mais eletricidade na Finlândia”, disse Reima Paivinen, vice-presidente sênior de operações do sistema de energia da Fingrid, em um comunicado à imprensa.

No mês passado, a Rússia cortou o fornecimento de gás para a Polônia e a Bulgária depois que os dois países se recusaram a fazer pagamentos em rublos. O bloqueio de eletricidade para a Finlândia ocorreu pouco antes do presidente do país, Sauli Niinisto, anunciar oficialmente que buscaria a adesão à OTAN.

Tornar-se membro da aliança militar “maximizará” a segurança da Finlândia, disse Niinisto durante uma entrevista coletiva no domingo, acrescentando que conversou com o presidente russo, Vladimir Putin, sobre a decisão de seu país no sábado.

A primeira-ministra Sanna Marin chamou a decisão de solicitar a adesão à OTAN uma “decisão importante” baseada em um “mandato forte”. Espera-se que um pedido formal de adesão à OTAN seja apresentado em breve.

Desde que a Rússia invadiu a Ucrânia no final de fevereiro, a Finlândia tem revisto ativamente o potencial de se tornar um membro da OTAN.

A Rússia tomará “medidas de retaliação” contra a Finlândia caso o país se junte à Otan, disse o Ministério das Relações Exteriores de Moscou em 12 de maio.

“A Rússia será forçada a tomar medidas de retaliação tanto de natureza militar-técnica quanto de outra natureza para deter as ameaças à sua segurança nacional que surgem como resultado”, disse o ministério.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas