Revisão do filme ‘Eu ainda acredito’: cura baseada na fé

Por Mark Jackson

Ao dar uma olhada no título, “Eu ainda acredito”, você conhecerá uma história sobre um músico e sua devoção à cura de sua jovem esposa. É um filme baseado na (e nos Estados Unidos significa ser cristão).

Eu costumava desprezar essas coisas. Atualmente, há uma distorção ridiculamente desequilibrada dos críticos do Rotten Tomatoes contra este filme, em comparação com o público em geral que é esmagadoramente favorável a ele. E mudei de ideia sobre filmes religiosos. Quer ouvir o porquê? Vou falar sobre o porquê mais tarde.

Esta é a verdadeira história dos primeiros anos do cantor cristão de enorme sucesso Jeremy Camp, que vendeu milhões. Você conhecia ele? Eu não conhecia. Não importa.

man in plaid shirt with red guitar
K.J. Apa interpreta Jeremy Camp em “Eu ainda acredito” (Lionsgate)

É 1999 e o jovem Camp (interpretado por K.J. Apa, de “Riverdale”) é um aspirante a cantor, compositor e guitarrista de Lafayette, Indiana, começando a faculdade da Bíblia na Califórnia.

Jeremy está lá para procurar (e talvez obter orientação de) seu ídolo, Jean-Luc (Nathan Parsons), um ex-aluno de sucesso. Neste bastião colegiado da Bíblia, os estudantes amam ir em alguns shows de rock cristão, como acotece constantemente.

man singing at microphone with guitar
K.J. Apa interpreta Jeremy Camp em “Eu ainda acredito”(Lionsgate)

Muito em breve, Jeremy está no palco, tocando e cantando para Jesus, onde ele vê uma jovem beleza loira erguendo a palma da mão para o céu, e isso é instantâneo para ambos. Esta seria Melissa (Britt Robertson). E você sabe, imediatamente, que acontecerá com eles será épico. Por quê? Porque essas são duas pessoas extremamente bonitas.

young man and woman talking
K.J. Apa e Britt Robertson em “Eu ainda acredito” (Lionsgate)

O problema é que o mentor Jean-Luc também gosta da Melissa. Você pode dizer seria um triângulo amoroso? Causará situações desconfortáveis? Ah, na verdade não, porque Jeremy parece um super-homem de sobrancelhas escuras, queixo de lanterna e jovialidade irrebatável e Melissa tem um lado loiro arrebatador e Jean-Luc não tem nada disso.

O que é um pouco estranho é que Jean-Luc, que já tem um contrato de gravação, ainda está no campus como o Wooderson de Matthew McConaughey em “Dazed & Confused”, pendurado em sua antiga escola. Você quase espera que Jean-Luc forneça uma versão com sotaque francês do monólogo de Wooderson: “É disso que eu gosto nessas garotas do ensino médio, cara. Eu envelheço, elas permanecem na mesma idade. Sim, elas são assim”.

Exceto pelo fato de que Jean-Luc é profundamente cristão. E sabe de uma coisa? É um alívio que ele não seja o francês Wooderson. É um alívio que ele seja um cara justo, tentando fazer o bem com sua música. Eu direi mais sobre isso mais tarde.

Nunca aprendemos o que os dois pombinhos estão estudando, ou muito sobre eles. Percebemos que K.J. Apa ainda não é um ator habilidoso o bastante para se mostrar tão bonito e interpretar alguém tímido, criado com avó e inexperiente com garotas que ele não está acostumado.

man with red guitar talking to girl with diary
K.J. Apa e Britt Robertson em “Eu ainda acredito” (Lionsgate)

E tudo o que aprendemos sobre Melissa é que ela sabe muito sobre astronomia, galáxias, nebulosas e considerar ceras Hallmark poéticas sobre o fato de serem os pincéis do Criador.

Um filme de garotas que morrem

Hoje em dia, quase todos os filmes de romance são jovens: filmes de garotas morrendo. A garota tem que morrer. Ou o garoto. Mas principalmente a garota. Este verifica essa tendência com veemência. Se você gosta desse tipo de coisa, vai derramar muitas lágrimas.

man and woman on beach blanket
K.J. Apa e Britt Robertson em “Eu ainda acredito” (Lionsgate)

E agora vou apresentar minha ladainha habitual sobre como é comum há algum tempo nos Estados Unidos chamar isso de arrebatador. Não concordo que todas as histórias tristes sejam manipuladoras. Os americanos gostam de achar tudo isso muito desagradável e ficam indignados com o fato de filmes tristes nos fazerem chorar. “Meu Deus, acabou com minhas lágrimas”. A emoção da tristeza é o que a máscara triste com a boca de tristeza virada para baixo, das duas máscaras teatrais, significa tristeza, pessoal! Vá chorar! É bom para você. Catártico, eles chamam. Mas os americanos não gostam de sentir seus sentimentos. Com tantos de nós viciados em antidepressivos, é de admirar que a tristeza seja ressentida na América.

Enfim, estou me adiantando. E o elenco de apoio? Gary Sinise e Shania Twain interpretam os pais de Jeremy, mas o tenente Dan (essa é a única maneira que consigo pensar em Sinise desde “Forrest Gump”) não tem nada a fazer, exceto dizer algumas coisas de pai, e eles não deixam Shania cantar. Se Shania está no seu filme, deixe-a cantar em alguns bares, não é mesmo?

woman in plaid shirt, man in red shirt
Shania Twain e K.J. Apa interpreta mãe e filho em “Eu ainda acredito” (Lionsgate)

O Apa está pronto para entrar em funções de maior destaque. Ele é uma espécie de mistura entre o jovem Josh Hartnett e Jim Halpert do “The Office”, exceto que ele irradia decência em vez do sarcasmo deste último. Quando ele canta seu amor a Deus e sua noiva, e pede à plateia suas orações curativas sobre o status de menina que está morrendo, é tocante.

Britt Robertson é sempre maravilhosa e se enquadra na mesma categoria de amabilidade geral que Amy Adams, Emily Blunt e Lily James. Aqui, ela assume o papel de garota moribunda e faz dele o núcleo que alimenta o momento emocional de “Eu ainda acredito”, como o peito brilhante do Homem de Ferro.

groom and bride at beach wedding
K.J. Apa e Britt Robertson interpretam um casal em “Eu ainda acredito” (Lionsgate)

Sim, “Eu ainda acredito” é um filme cristão, mas não há proselitismo, embora haja inúmeras letras sobre fé e perdão. “Eu ainda acredito” é uma versão cinematográfica da letra da cantora Gavin DeGraw:

“Para os jovens amantes, subindo a colina. Um planta a bandeira enquanto o outro é morto. Quando o vinho derrama, erguemos nossos copos.”

Me amordaçou com uma colher? Você sabe o que? Na verdade não tanto.

Por que vejo esses filmes de maneira diferente

Há outro Gavin – o comediante Gavin McInnes – que faz um pouco de mudança da cidade para os subúrbios e fica chocado com a quantidade de vida mais saudável que existe. Se você mora em Manhattan há 10 anos, leva tempo para ser chamado de “verdadeiro nova-iorquino”, você sabe que ele tem razão.

Depois de 30 anos vivendo em Manhattan, acho que fiquei estranhamente distorcido. Para anteceder tudo isso, deixe-me declarar que sou um homem de fé. Como fé inabalável. O que vem de ter buscado: procurar por 40 anos, virar cada pedra. Einstein fez uma coisa semelhante na ciência e acabou na mesma conclusão – o divino existe. Sim. O divino é real. E eu sou obviamente tão inteligente quanto Einstein. A maioria dos cientistas avançados finalmente conclui que a ordem requintada, tão prontamente aparente no cosmos, só pode vir de uma vasta inteligência.

Older man and younger man talking
Gary Sinise (L) e K.J. Apa interpreta pai e filho em “Eu ainda acredito” (Lionsgate)

No entanto, vivendo em Nova Iorque, o cinismo se acumula como fiapos na máquina de lavar roupa da alma. Esse fio de cinismo se reúne nos cantos do subconsciente devido às partículas de poeira indetectáveis ​​do materialismo, mas essa seria uma explicação longa. Basta dizer que, há anos, detesto filmes e músicas cristãs, mesmo falando sobre as mesmas coisas em que acredito. É apenas a apresentação à qual me oponho, não o conteúdo.

Mas quando eu vou e deixo isso tomar conta de mim, no fundo, minha alma se alinha com Britt Robertson falando sobre o divino – tendo testemunhado pessoalmente o poder da oração curando as pessoas, tipo, até o ponto em que médicos em hospitais de prestígio disseram que nunca testemunharam algo parecido na história do hospital. Vi isso acontecer em alguns hospitais diferentes, na verdade.

Outros críticos estão indignados por não haver pessoas de cor neste filme. Sou de cor, mas esse pensamento materialista, de que todo tipo de pessoa deveria estar em todo filme, não me interessa aqui, porque o divino mencionado no filme é para todos.

Hollywood uma vez tentou sustentar os padrões morais. Tudo isso foi alterado pelo crescente acúmulo de fiapos de pensamento materialista, obscurecendo o fato de que toda arte originalmente retratava deuses. Vá a qualquer museu. Todas as coisas primitivas – são todos deuses e santos. A arte é destinada a elevar. Os filmes baseados na fé, embora com muita força, tentam se curar. Então, por que jogá-los fora? Eles sempre têm o coração no lugar certo. Além disso, as pessoas não são estúpidas; elas sabem do que gostam e por que gostam. Basta dar uma olhada na pontuação do Rotten Tomatoes.

2 men, 2 women posing
(L-R) Britt Robertson, K.J. Apa, Shania Twain e Gary Sinise em um evento para “Eu ainda acredito” (Frazer Harrison / Getty Images)

‘Eu ainda acredito’
Diretor: Andrew Erwin, Jon Erwin
Estrelando: Britt Robertson, Gary Sinise, K.J. Apa, Shania Twain, Melissa Roxburgh, Nathan Parsons
Classificado: Com assistência dos pais.
Duração: 1 hora, 55 minutos
Data de lançamento: 13 de março
Classificação: 3 estrelas de 5

Siga Mark no Twitter: @FilmCriticEpoch

 
Matérias Relacionadas