Regime chinês tenta resolver problema crítico da dívida imprimindo mais dinheiro

Por Annie Wu, Epoch Times

Poucos dias depois de a mídia chinesa ter informado que um número sem precedentes de corporações desfalcou os pagamentos de obrigações, o governo chinês anunciou que os governos locais podem emitir títulos para saldar as dívidas que vencerão em 2018, o que destaca a enormidade do problema da dívida chinesa.

A política foi anunciada em 15 de maio pelo Ministério das Finanças, essencialmente permitindo que as autoridades locais continuem cobrindo suas dívidas com mais dívidas.

O regime chinês permitiu essa prática em 2014 também. Em 2015, as autoridades centrais emitiram títulos do governo local para substituir os títulos da dívida não vinculantes que as autoridades locais deviam, como forma de reduzir sua carga de juros.

De acordo com dados do Conselho de Estado da China, de 2015 a 2017, a substituição da dívida reduziu o encargo em 1,2 trilhão de yuanes (cerca de US$ 188 bilhões).

Enquanto isso, muitas das grandes empresas chinesas, algumas das quais estão listadas publicamente, já ficaram inadimplentes neste ano, incluindo o Sichuan Coal Industry Group e o Dalian Machine Tool Group; o Dandong Port Group, que administra o porto homônimo localizado na fronteira com a Coreia do Norte; o China City Construction Holding Group, uma empresa de engenharia de construção; e a China Security and Fire Co., uma empresa especializada em sistemas de segurança, segundo uma reportagem do jornal estatal China Securities Journal.

Desde o início deste ano até 7 de maio, 19 empresas optaram por títulos corporativos, segundo dados do banco de dados de finanças chinês Wind. O valor total dos títulos foi de 14,35 bilhões de yuanes (cerca de US$ 2,25 bilhões), um aumento de 20% em relação ao mesmo período do ano passado. O número de empresas inadimplentes também aumentou 19% em relação ao mesmo período do ano passado.

De acordo com o China Securities Journal, um total de 5 trilhões de yuanes (cerca de US$ 784 bilhões) em títulos de crédito corporativo vão vencer este ano, o maior número até agora.

Mas, devido à desalavancagem financeira e ao recente aperto do setor imobiliário no mercado chinês e em outros setores, o pagamento da dívida pode trazer riscos. O jornal alertou que o risco pode crescer da inadimplência de uma empresa individual para uma crise financeira de larga escala em todo o sistema.

O comentarista chinês Wen Xiaogang disse ao Epoch Times que, uma vez que grande parte das receitas dos governos locais vem de imóveis (todas as terras na China são de propriedade das autoridades, que concedem arrendamentos da terra para empreendedores imobiliários), suas receitas poderiam diminuir em meio às regulamentações, forçando-os a obterem mais empréstimos.

O Shanghai Securities News, a edição de Xangai do China Securities Journal, informou em 10 de maio que os empréstimos de curto prazo também estavam em apuros. De acordo com dados da Wind, 116 títulos de curto prazo, reembolsáveis ​​dentro de um ano, foram cancelados ou adiados desde o início do ano. O valor totalizou 63,94 bilhões de yuanes (cerca de US$ 10 bilhões). Surpreendentemente, a maioria desses devedores possuía classificação AA ou AA+.

No final do ano passado, a avaliação do Fundo Monetário Internacional (FMI) sobre a estabilidade financeira da China descobriu que a dívida total do país, incluindo o governo central e local, corporativa e doméstica, equivalia a 2,55 vezes o seu PIB (Produto Interno Bruto).

O relatório do FMI alertou contra o contínuo apoio financeiro do regime chinês às empresas-zumbis falidas, como as empresas estatais mencionadas acima, que já deram calote em seus títulos anteriormente.

De acordo com estimativas do economista chinês Dr. Cheng Xiaonong, das 31 províncias e municípios da China diretamente governados, 25 estão endividados, sobrevivendo apenas com os recursos das autoridades centrais.

Colaborou: Liu Yi

 
Matérias Relacionadas