Regime chinês matou adepto do Falun Gong para extrair seu fígado, afirma testemunha

Por Eva Fu

Um ex-membro de uma gangue criminosa japonesa disse que testemunhou o comércio de órgãos na China, tendo visto um adepto do Falun Gong anestesiado – com tendões cortados para impedir sua fuga – pouco antes de o homem ser colocado em uma mesa de operação para ter seu fígado retirado.

Isso foi em agosto de 2008, quando Ushio Sugawara, agora com 58 anos, ainda era membro do Sexto Yamaguchi-gumi – o maior sindicato do crime do Japão. Ele deixou a gangue em 2015 e agora é comentarista econômico no Japão.

O irmão de seu amigo estava desesperado por um novo fígado para sustentar sua vida. Com regulamentações rígidas, altos custos e longos tempos de espera nos Estados Unidos e na França – dois dos poucos países que ofereciam cirurgias de transplante de fígado na época – o paciente em dificuldades voltou-se para o que parecia ser sua única alternativa: a China.

Na época, o Hospital Geral da Polícia Armada de Pequim,, um hospital militar estatal, havia se tornado um líder nacional em cirurgia de transplante de fígado.

Um corretor chinês que facilitou o turismo médico com o Japão colocou o irmão em contato com o hospital de Pequim. Dentro de um mês, eles tinham um doador adequado, dizendo ao paciente que ele poderia voar para a cirurgia “a qualquer momento”. O custo foi de 30 milhões de ienes (aproximadamente US$ 255.000)—nem metade dos preços que viram nos Estados Unidos e na França.

‘Contribuição Antes de Sua Morte’

Sugawara, em entrevista ao Epoch Times, contou como se envolveu depois que a família descobriu que a qualidade da albumina do hospital, uma proteína produzida pelo fígado que é infundida durante a cirurgia, não estava à altura. Ele os ajudou a comprar a solução no Japão para entrar clandestinamente em Pequim, com a sanção do hospital chinês.

No dia anterior à cirurgia programada, Sugawara visitou o paciente e soube que o doador estava na sala ao lado.

“Você gostaria de dar uma olhada?” sugeriu um médico chinês fluente em japonês, abrindo a cortina para revelar um homem de 21 anos. O homem não respondeu por estar anestesiado.

“Ele é muito jovem, o fígado é muito saudável”, disse o médico a Sugawara.

“Que tipo de pessoa ele é?” perguntou Sugawara.

O médico, em resposta, afirmou que o homem era uma “pessoa má” e um prisioneiro no corredor da morte.

“Foi quando percebi que a China usa prisioneiros para extração de órgãos”, disse Sugawara.

“Ele morrerá mais cedo ou mais tarde e, assim, poderá dar mais alguma contribuição antes de sua morte”, disse o médico. Ele então classificou o homem como um “membro de grupo terrorista”. Pressionado por Sugawara sobre o que o homem fez, o médico respondeu que ele era “Falun Gong”.

Uma disciplina chinesa de mente e corpo, os ensinamentos do Falun Gong que defendem os princípios de verdade, compaixão e tolerância eram muito populares na China na década de 1990, mas sofreram uma perseguição nacional sob o partido comunista na China em 1999. desde então, milhões de adeptos foram presos e sujeitos a várias formas de abusos destinados a dizimar sua fé.

Preocupações de que o regime possa estar extraindo órgãos para fins lucrativos surgiram pela primeira vez em 2006. Vários denunciantes naquele ano abordaram o Epoch Times oferecendo testemunho sobre a prática ilícita. De acordo com Annie (um pseudônimo), que trabalhava em um hospital chinês no nordeste da China: seu ex-marido, um neurocirurgião na mesma instalação, assim como outros médicos, removeram córneas e outros órgãos de praticantes vivos do Falun Gong antes de jogar os corpos em incineradores , algumas vezes enquanto eles ainda estavam vivos.

Um painel independente sediado em Londres em 2019, conhecido como “Tribunal da China”, concluiu, sem sombra de dúvida, que o regime vem matando prisioneiros de consciência e vendendo seus órgãos. Os praticantes do Falun Gong, eles descobriram, continuam sendo o principal grupo de vítimas. No início de maio, o Parlamento Europeu aprovou uma resolução condenando a extração de órgãos do regime, chamando-a de “persistente, sistemática, desumana”.

“O médico disse que com tantas pessoas na China, eles podem encontrar quantos doadores forem necessários”, disse Sugawara.

“A China tem muita gente ruim”, disse o médico. “Eles terão que morrer de qualquer maneira, então devemos fazer bom uso deles.”

A cirurgia acabou falhando e o paciente morreu durante a operação, junto com o doador.

Epoch Times Photo
Dois médicos realizam cirurgia em Chongqing, sudoeste da China, em 9 de agosto de 2013. Um paciente recebeu um fígado e rim compatíveis para cirurgias de transplante em apenas um mês na cidade de Tianjin, de acordo com a NTD Television (Peter Parks/AFP/Getty Images)

Tratamento especial

Sugawara foi escoltado para fora do aeroporto de Pequim por um alto funcionário e quatro policiais armados quando pousou com a albumina. Ele havia sido detido por várias horas por funcionários da alfândega que detectaram a solução de albumina em sua bagagem despachada, já que não era permitida a entrada no país sem uma autorização especial.

Um funcionário da alfândega veio carimbar seu passaporte enquanto ele passava por uma pista de imigração VIP. Ele foi então levado em um Lexus de luxo preto.

O tratamento especial que ele recebeu foi um sinal do papel ativo que os funcionários do Partido Comunista Chinês desempenharam na indústria de extração de órgãos do regime, disse Sugawara.

“O corretor disse que não poderia prosseguir sem a participação dos funcionários”, acrescentou. “Não há como eles equilibrarem os relacionamentos complicados.”

“Barbárie Médica”

O homem que Sugawara viu tinha bandagens em torno de suas mãos e pés. Ele se lembra do médico dizendo que eles cortaram os tendões dos membros do doador um dia antes, em parte para impedi-lo de fugir.

O corte dos tendões do homem “reflete a brutalidade” dos médicos, de acordo com Torsten Trey, diretor executivo do grupo de defesa da ética médica Doctors Against Forced Organ Harvesting (DAFOH).

“Nenhum médico que segue o juramento médico faria isso”, disse ele ao Epoch Times. “Se eles podem cortar tendões, também podem remover órgãos sem consentimento. É uma ‘barbárie médica,’”

Ele acredita que é possível que os médicos “queriam evitar a aplicação de relaxantes musculares para garantir uma melhor qualidade dos órgãos”. Cortar os tendões, disse ele, poderia “suprimir a resistência dos músculos, o que facilita a remoção dos órgãos”.

“O fato de o médico ter inicialmente enquadrado o doador como terrorista para justificar seu ato de extração de órgãos é desprezível, em particular porque mais tarde ele admite que era uma mentira e que era um praticante saudável do Falun Gong.”

Ao cortar os tendões, os médicos estavam “basicamente criando uma paralisia artificial”, disse Trey, acrescentando que tal ato “é cruel e deve induzir em qualquer médico uma forte reação de consternação”.

A Organização Mundial para Investigar a Perseguição ao Falun Gong (WOIPFG), um grupo de direitos humanos com sede em Nova Iorque, identificou o Hospital Geral das Forças Armadas da Polícia como um dos piores criminosos envolvidos em muitos casos suspeitos de crime de extração de órgãos. Nos telefonemas disfarçados da WOIPFG, pelo menos um cirurgião de transplante do hospital admitiu ter obtido órgãos de praticantes do Falun Gong.

“Temos muitos órgãos. Podemos providenciar a cirurgia em cerca de uma a duas semanas”, disse Wang Jianli, vice-cirurgião-chefe do instituto de pesquisa de transplante de órgãos do hospital, quando questionado por um investigador que se passava por membro da família de um paciente em busca de um fígado.

“Certo, certo, certo”, disse Wang em novembro de 2018, quando perguntado se os órgãos que eles usavam eram “os órgãos saudáveis do Falun Gong”.

Falun Gong practitioners gather in a park in Chengdu City, China, for morning exercises some time in the 1990s, before the persecution against the meditation practice began. (Faluninfo.net)
Os praticantes do Falun Gong se reúnem em um parque na cidade de Chengdu, na China, para exercícios matinais em algum momento da década de 1990, antes do início da perseguição contra a prática da meditação (Faluninfo.net)

Epoch Times Photo
Os praticantes do Falun Gong realizam “Buda Mostrando as Mil Mãos”, o primeiro dos exercícios em pé do Falun Gong, na Foley Square, em Nova York, em 12 de maio. Eles estão comemorando 21 anos desde que a antiga disciplina de meditação foi introduzida ao público em geral na China por Li Hongzhi. Nos anos seguintes, 13 de maio passou a ser conhecido como Dia Mundial do Falun Dafa. (Edward Dai/The Epoch Times)

O curto prazo para garantir um órgão adequado na China – como encontrar um fígado dentro de um mês, no caso do irmão do amigo de Sugawara – também deve soar todos os alarmes, disse Trey.

É “um prazo muito curto que é incomum para um programa de doação de órgãos baseado no altruísmo no Ocidente, mas bastante comum no mercado de transplantes da China”, disse ele.

A passagem do tempo não diminuiu a sensação de crueldade que Sugawara sentiu sobre o que testemunhou.

“Eles achavam que estavam fazendo a coisa certa. Todos sofreram lavagem cerebral.”

A edição japonesa do Epoch Times contribuiu para este relatório.

 

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas