Realismo: a influência do clássico na cultura humana

Pensando no tema de base dos clássicos, cheguei à conclusão de que nada poderia ser mais apropriado do que perguntar e responder a esta pergunta: Por que o realismo?

Hoje, finalmente, existem muitas organizações que acreditam no valor e na importância do realismo, tanto clássico quanto contemporâneo; mas por que o realismo? Por que, depois de um século de difamação, repressão, e perto da aniquilação, quando as crenças aceitas ensinaram em quase todas as escolas de ensino médio, faculdade e universidade nos últimos cem anos de que o realismo é banal?

Afinal, todos os realistas copiam da natureza. Realismo, dizem eles, não é sofisticado.

Leia também:
Realismo: incomparável expressão de linguagem universal
Realismo: a ilustração e sua conotação depreciativa
Realismo fascinante na pintura clássica russa

A maioria das pessoas pode dizer o que está acontecendo através da pintura ou escultura realista. É tão fácil de entender. É sem criatividade; apenas criando formas e ideias não encontradas na natureza mostra-se real originalidade. Portanto, a questão do dia para a sociedade e para os artistas realistas, a questão para o mês, ano, e realmente para o resto de suas vidas, é: Por que realismo?

Minha resposta é direta, simples, e deveria ser evidente: As artes plásticas visuais de desenho, pintura e escultura são melhor compreendidas como uma linguagem, uma linguagem visual.

Ela foi desenvolvida e preservada em primeiro lugar como um meio de comunicação muito semelhante a línguas escritas e faladas. E como a linguagem, ela é bem sucedida se a comunicação acontece, e não é bem-sucedida se a comunicação não acontece. Esta resposta define simultaneamente o termo “obras de arte”. Então arte é uma forma pela qual os seres humanos podem se comunicar.

E como podemos verdadeiramente nos comunicar, exceto por uma linguagem que seja compreendida por aqueles que nos estão ouvindo? E se a comunicação é o objetivo, então a nossa língua deve ter um vocabulário e uma gramática que seja igualmente compartilhada pelo narrador e pelo ouvinte.

Se você pensar sobre isso, as primeiras formas escritas de línguas usaram desenhos simples de objetos reais para representar esses objetos. Isso faz com que as origens da linguagem escrita aconteçam de uma forma quase idêntica às origens da arte.

Sem uma linguagem comum, não há comunicação e entendimento, e isso também é verdadeiro para a arte. Ela também deve se comunicar de uma forma semelhante em línguas faladas e escritas, que têm o propósito exclusivamente humano de descrever o mundo em que vivemos e como nos sentimos em relação a cada aspecto da vida e de viver.

Como uma linguagem, é como todas as centenas de línguas faladas e escritas, que são capazes de expressar a enorme abrangência, sem limites de pensamentos humanos, idéias, crenças, valores e, especialmente, os nossos sentimentos, paixões, sonhos e fantasias – todas as histórias variadas e infinitas da humanidade.

O vocabulário de arte são as imagens realistas que vemos em todos os lugares ao longo de nossas vidas, e a gramática são as regras e habilidades necessárias para, com sucesso, tornar as imagens convincentes.

Estas são algumas das regras da gramática que unem os objetos reais ou vocabulário da linguagem visual de arte: encontrar contornos; modelagem; manipulação de tinta para criar sombras e destaques com o uso de vidros e decalques, que realçam as formas através de camadas de pigmentos; uso de foco seletivo; perspectiva; esboço; equilíbrio de composição; balanceamento de cores quentes e frias; formas e linhas no estilo “perdido e achado”.

Por favor, considere esta evidente verdade adicional: Mesmo as coisas que não são reais, como nossos sonhos e fantasias, bem como todas as histórias de ficção – que não são reais – são expressas em nossas mentes conscientes e subconscientes, usando imagens reais.

Considere que apenas imagens reais são usadas ​​em nossas fantasias e sonhos, nenhuma das quais se parecem com arte moderna. Portanto, pintura abstrata não reflete a mente subconsciente. Sonhos e fantasias fazem isso, e obras de arte também podem fazer isso, mas apenas por meio de imagens reais e montando-os de formas que se sintam como fantasias ou sonhos.

Então, aí a temos – a arte é uma linguagem visual que é capaz de expressar a gama infinita de pensamentos e ideias que também podem ser expressas em vasta literatura e poesia.

No entanto, ao contrário das centenas de línguas faladas e escritas, o vocabulário do realismo tradicional em arte tem algo que o torna único, de uma forma importante – a linguagem do realismo tradicional atravessa todas as outras línguas e pode ser entendida por todas as pessoas em todos os lugares na terra, independentemente de que língua falem ou escrevam.

Assim, o realismo é uma linguagem universal que permite a comunicação com todas as pessoas e para as pessoas de todos os tempos de passado, presente e futuro.

Esta é a Parte 1 de uma série de 11 partes do discurso proferido por Frederick Ross em fevereiro de 2014, apresentado no Artists Keynote Address to the Connecticut Society of Portrait Artists. Frederick Ross é presidente e fundador do Art Renewal Center (www.artrenewal.org)

Leia também as outras partes do discurso. Clique aqui!

 
Matérias Relacionadas