De quem são os corações, fígados e pulmões usados para transplantes na China?

Há um interesse crescente em tentar manter a integridade das pesquisas publicadas, bem como iniciativas para exigir a publicação de todos os dados de ensaios clínicos

Por The Conversation, Epoch Times

A afirmação do cientista He Jiankui sobre o uso da ferramenta genética CRISPR para editar os genomas das meninas gêmeas provocou repúdio internacional. Suas ações chamaram a atenção para a ética em pesquisas e as consequências de os cientistas “se tornarem renegados“.

Inicialmente, a Academia Chinesa de Ciências investigou sua conduta e uma investigação interna subsequente supostamente identificou várias violações das leis. Finalmente, ele foi demitido por sua universidade.

Mas além deste exemplo, o que acontece quando os cientistas não cumprem as diretrizes aceitas no campo da ética na pesquisa médica em todo o mundo? Examinamos este tópico, concentrando-nos em pesquisas publicadas sobre relatos de transplantes de órgãos realizados na República Popular da China.

As normas profissionais internacionais proíbem a publicação de pesquisas que:

• Envolvam qualquer material biológico proveniente de prisioneiros executados
• Careçam da aprovação do comitê de ética para pesquisa em seres humanos
• Não contem com o consentimento dos doadores.

Mas, conforme descrito em nosso novo artigo, descobrimos que as pesquisas que não atendem a esses padrões são regularmente aceitas para publicação em periódicos internacionais revisados por pares.

Transplante de órgãos humanos na China

Utilizando uma metodologia de revisão de escopo, examinamos 445 estudos publicados em revistas científicas em inglês revisadas por pares entre janeiro de 2000 e abril de 2017. Os artigos tratam de pesquisas envolvendo receptores de órgãos humanos (limitados a corações, fígados e pulmões) que são realizados na China. Os dados incluem 85.477 transplantes.

Descobrimos que 92,5% das publicações não indicam se os órgãos transplantados foram obtidos ou não de prisioneiros executados. Quase todos (99%) não informam se os doadores de órgãos deram seu consentimento. Em contraste, 73% dos artigos relatam ter sido aprovados por um comitê de ética institucional formado para a pesquisa descrita no documento.

Na República Popular da China, as preocupações éticas generalizadas sobre a incapacidade de prisioneiros condenados de dar o seu consentimento informado para a doação de órgãos são exacerbadas. Nesse caso, o sistema judiciário e policial carece de salvaguardas contra abusos processuais. As sentenças defeituosas são amplamente documentadas e são extremamente difíceis de corrigir.

Além disso, um crescente conjunto de evidências confiáveis sugere que a extração de órgãos não se limita a prisioneiros condenados, mas também inclui prisioneiros de consciência. Portanto, é possível, embora não verificável em qualquer caso particular, que publicações revisadas por pares contenham dados obtidos de prisioneiros de consciência mortos com o propósito de adquirir órgãos.

Quem é responsável por garantir que a publicação de dados com base em pesquisas envolvendo órgãos extraídos de prisioneiros que não deram seu consentimento seja proibida? Em nosso artigo, argumentamos que os revisores e editores de periódicos têm um papel a desempenhar.

De onde vêm os órgãos?

Em 19 documentos sobre 2.688 órgãos transplantados antes de 2010, a fonte dos órgãos informada foi “doadores voluntários”. Mas como é amplamente conhecido na comunidade de transplantes, não havia nenhum programa de doadores voluntários de órgãos na China antes de um programa piloto ter começado em 2010. Portanto, parece razoável supor que os órgãos podem ser provenientes de prisioneiros, o que torna as afirmações sobre doação voluntária não confiáveis.

As duas revistas que publicaram o maior número de documentos sobre transplantes chineses identificados em nosso estudo são a Transplantation Proceedings, com 65 dos 445 documentos totais, e a PLOS ONE, com 20. Outros periódicos com artigos identificados por este estudo incluem o American Journal of Transplantation, e o Transplantation (o jornal oficial da mais alta organização internacional, a The Transplantation Society). Ambas as revistas têm políticas que proíbem explicitamente a publicação de pesquisas baseadas em transplantes de órgãos de doadores sem consentimento e/ou de prisioneiros.

Argumentamos que, se ainda não o fizeram, os revisores e revistas médicas devem exigir informações sobre a origem dos órgãos usados nas pesquisas de transplantes chinesas antes que sejam divulgadas para o público em geral e para as comunidades científicas. Se eles estão exigindo tais informações, as respostas a essas demandas devem ser publicadas. E se eles não estiverem satisfeitos com as respostas, eles devem se recusar a publicar a pesquisa.

Quando um artigo é publicado sem que seja identificada a origem dos órgãos transplantados, corre-se o risco de deixar a impressão de que os padrões éticos podem ser ignorados ou violados. Isso diminui o incentivo para cumprir esses padrões no futuro.

Somos todos responsáveis.

Nossos resultados levantam questões importantes e preocupantes sobre a supervisão ética de todos os envolvidos no processo de revisão e publicação de pesquisas sobre transplantes.

Em resposta, propomos a retirada em larga escala dos documentos identificados por nossa pesquisa que não são consistentes com os padrões internacionais de doação de órgãos.

Também propomos uma moratória em todas as publicações de transplantes clínicos feitos na China que aguardam por uma cúpula internacional. A cúpula de membros da comunidade de transplantes e outras partes interessadas poderia desenvolver políticas e processos apropriados para lidar com pesquisas futuras.

No entanto, nossas esperanças de que hajam essas retratações não são muito grandes. Como um de nós (Rogers) descobriu, garantir uma retratação pode ser um processo demorado, mesmo quando há evidência de falsidade no periódico.

Artigo retratado devido à preocupação com a fonte dos órgãos usados para a doação (Captura de tela/John Wiley & Sons Ltd/The Conversation)
Artigo retratado devido à preocupação com a fonte dos órgãos usados para a doação (Captura de tela/John Wiley & Sons Ltd/The Conversation)

Revistas relutam em retratar artigos, e até artigos que foram retratados ainda são amplamente citados.

No entanto, há um interesse crescente em tentar manter a integridade das pesquisas publicadas, bem como iniciativas para exigir a publicação de todos os dados de ensaios clínicos. Essas iniciativas oferecem alguma esperança de que infrações como as que descobrimos se tornem menos comuns.

Quanto aos autores que participam de pesquisas retratadas ou que não cumprem os requisitos éticos, há pouca informação sobre o impacto em suas carreiras. O fato de ser o autor de um artigo que é retratado pode levar a uma proibição por parte da revista, desencadear uma investigação institucional ou não ter efeito algum.

Pesquisas sobre má conduta acadêmica por parte das universidades raramente são de domínio público. Além de casos notáveis como o de He, a natureza e a extensão das consequências para os pesquisadores que violam as normas éticas são amplamente desconhecidas.

Este artigo foi republicado de The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original.

 
Matérias Relacionadas