A quem interessa calar o promotor Nisman

Muitas pessoas tinham interesse em impedir o promotor Nisman de fazer suas denúncias e por isso tiraram-lhe a vida. Mas foi em vão, porque a Corte Suprema de Justiça tornou públicos o documento e as escutas telefônicas, e agora toda a Argentina pede justiça para o caso AMIA e para o procurador Alberto Nisman.

No dia 19 de janeiro a Argentina acordou com um terremoto sobre sua cabeça. Os meios de comunicação informavam ao país que na noite anterior foi encontrado sem vida o promotor Alberto Nisman, encarregado da “causa AMIA”, ato terrorista perpetrado contra a Associação Mutual Israelita da Argentina (AMIA), no dia 18 de julho de 1994, no qual morreram 84 pessoas e quase 300 ficaram feridas.

Como o caso se arrastava sem solução, em 2004 o então presidente Néstor Kirchner criou a Unidade Especial de Investigação, do Ministério Público, para cuidar especificamente deste caso, nomeando o promotor Alberto Nisman como responsável máximo pela investigação.

Leia também:
Lançado guia turístico ‘secreto’ de Cuba
Elías Jaua treina exército de 20 mil cubanos na Venezuela, denuncia general
Investigadores descobrem documento em que Nisman pedia prisão da presidente Kirchner

Com as férias do judiciário, Nisman viajou para a Espanha com a filha mais velha que fazia 15 anos mas voltou no dia 12 de janeiro e no dia 14 foi ao Centro de Informação Judicial (CIJ), pertencente à Corte Suprema de Justiça, onde deu entrada em um documento de quase 300 páginas com o resultado da investigação de pouco mais de 10 anos. Lá, ele denuncia a presidente Cristina Kirchner, o chanceler Héctor Timerman entre outros altos funcionários do governo, de serem responsáveis pelo encobrimento dos terroristas iranianos pelo atentado à AMIA. Nesse mesmo dia ele concedeu uma entrevista ao programa “A dos voces” no canal “TN” de televisão, onde descreveu com segurança e desenvoltura o resultado de suas denúncias. Na tarde da segunda-feira (19) ele iria ao Congresso prestar depoimento acerca desse tema mas foi encontrado morto no banheiro de seu apartamento na noite do domingo (18).

A cena descrevia que ele estava deitado no chão do banheiro sobre um charco de sangue, tendo ao lado da mão direita uma pistola calibre .22 e imediatamente sugeriu-se “suicídio”, uma vez que o apartamento estava fechado por dentro com as chaves nas portas e no sábado anterior a esse fato, ele havia pedido uma arma idêntica a essa a um funcionário que lhe prestava serviços de informática e frequentava sua casa quando solicitado. Segundo o laudo divulgado, ele foi morto com um disparo no lobo temporal direito cuja bala permaneceu em seu corpo.

Nada no comportamento de Nisman sugeria que ele pudesse ter-se suicidado, pois estava ansioso por prestar o depoimento no Congresso, onde levaria quase 300 provas de escutas telefônicas (legais, autorizadas pela Justiça), e o único bilhete encontrado foi uma nota de compras que a empregada deveria fazer na segunda-feira. Quando sua ex-esposa, a juíza Sandra Arroyo Salgado inteirou-se de sua morte, descartou a hipótese de suicídio ou “suicídio induzido”, e disse que ia pedir outra autópsia mas depois desistiu.

Entretanto, segundo informou o jornalista Hernán Cappiello, uma pessoa que participou da autópsia realizada por médicos forenses no necrotério judicial de Viamonte, o disparo foi feito desde cima e a curta distância, sugerindo que ele devia estar de joelhos ou agachado, uma vez que a bala entrou pelo lobo temporal direito e seguiu uma trajetória vertical, atingindo a língua, faringe e laringe. Tratou-se, portanto, de uma execução por alguém que quis não só silenciá-lo mas humilhá-lo. Quem são os autores intelectuais e materiais do crime? Ninguém sabe até agora e, embora toda a perícia esteja levando à hipótese de suicídio, não apenas eu mas milhares de argentinos se recusam a aceitar.

Alberto Nisman, que era judeu, foi sepultado no Cemitério Israelita de La Tablada no dia 29, e nos arredores por onde passou o cortejo fúnebre a multidão que foi despedir-se dele trazia flores, velas, cartazes pedindo “justiça” e gritando “Cristina assassina”. No sepultamento, sua ex-esposa fez um pronunciamento encerrando com essas palavras: “Eu sei que este final não foi uma decisão tua” e “Foi decisão de outras pessoas mas vamos chegar à verdade”.

Cristina Kirchner escondeu-se desde o dia 14 e por duas vezes publicou em sua conta do Twitter longas, enfadonhas, afrontosas e auto-referentes cartas, primeiro “tendo certeza” do suicídio e depois, com a mesma “certeza”, de que foi um assassinato “para prejudicar seu governo”. Nenhuma nota de pêsames à família, nenhum luto oficial pela morte de um Promotor da República. Nada. A presidente brasileira, por seu turno, não deu um pio, preferindo ir à posse do índio cocalero Evo Morales e depois ao encontro da CELAC, que ocorreu na Costa Rica onde estava entre seus camaradas.

Muitas pessoas tinham interesse em impedir o promotor Nisman de fazer suas denúncias e por isso tiraram-lhe a vida. Mas foi em vão, porque a Corte Suprema de Justiça tornou públicos o documento e as escutas telefônicas, e agora toda a Argentina pede justiça para o caso AMIA e para o procurador Alberto Nisman. Deus permita que, com esse crime horrendo, a Justiça argentina ponha um ponto final neste ato terrorista e ponha na cadeia seus responsáveis, sejam eles quem forem.

Editado por Epoch Times

 
Matérias Relacionadas