Quando a cirurgia a laser se torna um pesadelo

Por Langis Michaud

Há pouco mais de um ano, Jessica Starr, uma popular meteorologista da televisão de Detroit, tirou a própria vida. O marido dela disse que ela fez isso por causa das complicações relacionadas à recente cirurgia refrativa a laser.

Tais complicações não são tão raras quanto as pessoas acreditam. O New York Times alertou em 2018 sobre os possíveis efeitos em alguns pacientes. Mais recentemente, no Canadá, foi aberto um processo de ação coletiva em todo o país contra a empresa Lasik MD, com sede em Quebec. Ela é acusada de não alertar adequadamente seus clientes sobre os riscos associados à cirurgia de correção da visão.

Isso significa que você precisa esquecer o sonho de se livrar dos óculos enquanto melhora a visão?

Tecnologia aprimorada

A cirurgia refrativa a laser tem como objetivo alterar o perfil da córnea, a parte frontal e clara do olho, para corrigir problemas comuns de visão: miopia, hipermetropia e astigmatismo. A ideia é eliminar a necessidade de usar óculos.

Introduzido em 1983 na Alemanha, o primeiro procedimento norte-americano foi realizado em 1985. Desde então, milhões foram feitos. Naquela época, a cirurgia a laser era uma alternativa vantajosa a uma técnica mais imprecisa, a ceratotomia radial (KR).

As primeiras tecnologias a laser apresentaram resultados melhores, mais estáveis ​​e previsíveis, mas também foram associadas a uma série de complicações: dor intensa durante o procedimento e nos dias seguintes, tratamento fora do centro que levou à percepção de halos e brilhos, correção insuficiente ou excessiva que exigia a necessidade de retocar ou reutilizar óculos, névoa corneana permanente ou cicatrização atrasada da superfície da córnea com maior potencial de infecção.

Para melhorar esse perfil e, principalmente, o conforto do paciente, uma técnica chamada LASIK (ceratomilite a laser in situ) foi desenvolvida na década de 1990. Desta vez, o laser é aplicado quando uma aba de tecido é levantada, gerada pela incisão da córnea com uma pequena escova equipada com uma lâmina. A aba é substituída sem suturas.

As complicações permanecem

Toda cirurgia traz riscos. Incidentes graves após a LASIK ocorrem apenas em 0,1% dos casos. Mas várias complicações afetam entre 10 e 30% dos pacientes submetidos à cirurgia, em comparação com 7,7% após a cirurgia de catarata.

Embora a maioria das complicações seja pequena e não tenha consequências permanentes, vários pacientes experimentam dores crônicas e graves no pós-operatório e / ou problemas visuais, a ponto de Morris Waxler, especialista da Food and Drug Administration, estar pedindo que se remova e se suspenda seu uso até que sejam realizadas mais investigações de segurança.

Quanto à LASIK, o Health Canada lista vários efeitos potencialmente graves que devem ser levados em consideração.

Um caso de pesadelo

Após a cirurgia a laser, a córnea é traumatizada e deve ser recuperada para restaurar a função normal. No caso de LASIK, a córnea é cortada no nível dos nervos sensoriais. Esses nervos protegem o olho, mas também fornecem o feedback (biofeedback) necessário para a produção de novas lágrimas.

Na ausência desse feedback, o olho seca e sua superfície pode se deteriorar. Na maioria dos casos, os nervos cortados retornarão à função normal dentro de quatro a seis meses. Mas para alguns pacientes, isso não acontece.

Karen (não é seu nome verdadeiro) é um daqueles pacientes que conheci recentemente. Como uma executiva jovem e dinâmica, ela optou pela cirurgia por razões práticas (trabalho, atividades esportivas) e estéticas. Atraída pelas promoções e por um preço tentador, ela foi a um centro de laser e a equipe a examinou rapidamente. Ainda mais rápido, ele recebeu uma consulta para cirurgia, no dia seguinte. Sem pensar muito, ela prosseguiu.

Nos dias e semanas seguintes, seus olhos começaram a doer cada vez mais, uma dor intensa que parecia facas nos olhos, vermelhidão e sensibilidade à luz que exigiam que ela usasse óculos de sol mesmo em ambientes fechados. Ela passou a ter problemas para dormir.

A equipe do centro tentou tranquilizá-la, dizendo que seria temporário, que ela era a única que tinha passado por isso e que ela se curaria. Semanas se passaram sem melhorias. Ele pediu para ver o cirurgião novamente.

O cirurgião disse que seu olho estava curado e que nada mais poderia ser feito por ela. Seu tom e atitude deixaram Karen desesperada. Ele tinha sentimentos de rejeição, de negação do que estava experimentando e de mal-entendido. A situação afetou seu trabalho. Ela começou a consultar outros profissionais, eles sempre diziam que seus olhos estavam perfeitos. Ninguém parecia entendê-la.

Uma condição desconcertante

Karen realmente passou a sofrer de neuropatia. É um distúrbio dos nervos periféricos que causa sintomas, mas não está associado a nenhuma patologia visível. Após o LASIK, os nervos da córnea permanecem danificados permanentemente, como fios elétricos desencapados, ou se regeneram, mas fazem más conexões. De qualquer forma, os nervos enviam um sinal constante de dor ao cérebro.

Após algumas semanas / meses, a dor é internalizada (como a dor que emana de um membro fantasma) e, portanto, o cérebro participa da crônica dos sintomas. Como ninguém realmente entende essa condição, os pacientes são rejeitados e a depressão se instala à medida que a condição piora.

A falta de entendimento deste caso deve-se ao fato de ser um novo campo da medicina ocular pouco documentado na literatura científica. Os tratamentos são complexos e demoram muito tempo. De fato, é necessário criar novas conexões nervosas normais enquanto as ruins estão quebradas, usando medicamentos como cortisona, gotas séricas autólogas e lentes de contato da membrana amniótica, etc.

A estimulação internalizada também deve ser abordada, usando medicamentos orais prescritos por uma clínica especializada em dor. Os antidepressivos também podem ser úteis, mas geralmente têm o efeito de aumentar os olhos secos, o que é contraproducente. A psicoterapia é essencial, com um profissional treinado no tratamento da dor crônica. O óleo de cannabis poderia ajudar, em teoria, mas essa abordagem é controversa.

Karen perdeu o emprego devido ao absenteísmo frequente e à perda de produtividade. Seus tratamentos são caros e estão consumindo suas economias. O estresse financeiro aumenta com o passar dos meses e a luz no fim do túnel nem sempre é clara. A situação coloca muita pressão no casamento e o cônjuge tem dificuldade em lidar com as circunstâncias.

O que é necessário saber antes de decidir se submeter à cirurgia

Para evitar um resultado como o de Karen, certas precauções podem ser tomadas.

Primeiro, é melhor evitar tomar decisões por capricho. Obtenha informações do seu oftalmologista, que conhece seus olhos há muito tempo. Em seguida, peça pelo menos duas opiniões – em diferentes centros – antes de prosseguir e avalie essas interações e o nível de confiança que você sente.

Certos fatores de risco podem reduzir a eficácia do procedimento. Por exemplo, muitos pacientes optam pela cirurgia porque se tornam intolerantes às lentes de contato, com olhos desconfortáveis ​​e secos ao final do dia. Se esse for o caso, é porque o olho já está propenso à secura e a cirurgia só a aumentará. Portanto, é necessário consultar o seu optometrista para tratar essa secura antes da operação e aguardar até que a superfície do olho esteja pronta para a cirurgia.

Pacientes com doenças inflamatórias crônicas devem evitar a cirurgia refrativa. Essas doenças incluem fibromialgia, síndrome do intestino irritável, doença de Crohn, lúpus e artrite reumatóide. Da mesma forma, pessoas com diabetes ou enxaqueca severa e crônica são consideradas más candidatas. Finalmente, as pessoas com transtorno obsessivo-compulsivo também devem se abster. Por exemplo, eles podem ter o reflexo de esfregar os olhos violentamente, o que pode liberar a aba do tecido.

Pacientes com miopia grave (> 8D), bem como pacientes com pupilas grandes (mais de cinco milímetros) são propensos à percepção contínua de halos e brilhos após a cirurgia.

Após operação

Após a conclusão da operação, é importante garantir um acompanhamento profissional adequado. Exija consultar um optometrista ou oftalmologista em todas as oportunidades. A equipe de assistência, mesmo com o treinamento adequado, não está legalmente autorizada a diagnosticar sua condição (dizer que está tudo bem é um diagnóstico em si).

Também é importante nunca negligenciar exames periódicos de saúde ocular. Uma pessoa gravemente míope, mesmo após a cirurgia, ainda corre o risco de ruptura da retina.

A cirurgia a laser é realizada com sucesso em mais de 95% dos casos, mas para evitar problemas crônicos, é importante ser bem avaliado e informado.

O ser humano só possui dois olhos e eles são insubstituíveis. Portanto, tome todas as precauções para garantir que a cirurgia a laser seja segura para você.

Langis Michaud é professor da escola de optometria e também especialista em saúde ocular e no uso de lentes de contato especializadas, na Universidade de Montreal, no Canadá. Este artigo foi publicado pela primeira vez na The Conversation.

 
Matérias Relacionadas