Professora fica cara a cara com ladra que volta à cena do crime e esta não imagina o que a espera

Há pessoas lá fora que fazem um esforço consciente para praticar a compaixão em suas vidas diárias, mesmo que alguém as tenha ofendido. O que há de mais bonito na compaixão é que ela tem o poder de realmente derreter os corações das pessoas e inspirar mudanças para melhor.

Num dia frio em dezembro, Leah Ross voltou para sua casa em Winnipeg, no Canadá, apenas para encontrar a porta dos fundos aberta.

(Captura de tela/CBC)
(Captura de tela/CBC)

Uma de suas jaquetas velhas estava na neve e seus pertences do porão estavam espalhados pela cozinha.

Ela chegou à horripilante percepção de que um ladrão invadira sua casa pela janela do porão.

(Captura de tela/CBC)
(Captura de tela/CBC)

“Eu entrei em pânico”, disse Ross à CBC News. “Meu ritmo cardíaco disparou e fiquei apavorada”.

Ela imediatamente ligou para o 911, para seus vizinhos e para a igreja do bairro em busca de ajuda.

(Captura de tela/CBC)
(Captura de tela/CBC)

Ela ficou ainda mais apavorada quando uma adolescente apareceu de repente na porta dos fundos.

A garota estava vestindo a jaqueta velha de Ross e segurando um monte de suas malas cheias de suas coisas.

(Captura de tela/CBC)
(Captura de tela/CBC)

Percebendo que a garota era a ladra, Ross tirou uma foto dela para servir de prova e perguntou: “Você vai me machucar?”

A garota disse que não.

©Video Captura de tela | Cbcav
(Captura de tela/CBC)

Ross ainda estava com medo. Ela perguntou à garota se ela tinha namorado ou alguém escondido no porão.

A garota novamente disse não. Ela voltou para pegar o telefone e as chaves, que havia deixado lá dentro.

(Captura de tela/CBC)
(Captura de tela/CBC)

A garota se desculpou e elas se abraçaram.

Sendo professora de meio período no Balmoral Hall, Ross simpatizava com a adolescente. Ela não apenas deixou a garota entrar em sua casa, como também deu gemada e gingersnaps — a única comida que restava.

(Mangomix/Wikipedia)
(Mangomix/Wikipedia)
(John Cummings/Wikimedia)
(John Cummings/Wikimedia)

Elas se sentaram à mesa da cozinha e foi quando a jovem ladra, uma garota de 17 anos, se abriu para ela.

A adolescente explicou que estava em um orfanato. E começou a chorar dizendo que estava usando drogas.

“Meu coração se comoveu por ela”, disse Ross.

(Captura de tela/CBC)
(Captura de tela/CBC)

Ross se recusou a prestar queixa contra a menina quando a polícia chegou pouco depois.

“O policial disse que em todos os seus anos de trabalho, nunca havia abordado uma vítima que servisse seu intruso como eggnog e gingersnaps”, disse Ross.

Incrivelmente, um vínculo especial foi criado entre Ross e a garota desde o incidente do roubo.

As duas têm mantido contato por meio de mensagens de texto. E no Natal do ano passado, Ross comprou para a garota uma maquiagem nova como presente.

(Captura de tela/CBC)
(Captura de tela/CBC)

Os pais da garota, que a colocaram em um orfanato quando souberam sobre o problema com as drogas, até enviaram a Ross um cartão de Natal.

Através desta história reconfortante, Ross espera inspirar os outros que “mostrar compaixão a estranhos pode levar a resultados surpreendentemente positivos” — como uma amizade inesperada.

(Captura de tela/CBC)
(Captura de tela/CBC)

Ross, que coisa linda você fez!

Você pode ter transformado a vida da garota escolhendo a compaixão no lugar da punição.

 
Matérias Relacionadas