Problema entre Palestina e Israel será resolvido, afirma Casa Branca

"Acreditamos que haverá mais normalidade com Israel e acreditamos que em algum momento a questão palestino-israelense será resolvida"

Por Zachary Stieber

O difícil conflito israelense-palestino será resolvido, disse um assessor da Casa Branca na segunda-feira, apontando para a recente normalização das relações entre Israel e os Emirados Árabes Unidos (Emirados Árabes Unidos).

“As pessoas estão vendo todas as grandes oportunidades que podem existir trabalhando juntas se deixarmos os conflitos do passado para trás e descobrirmos como construir um futuro muito mais brilhante e melhor”, disse Jared Kushner, genro e conselheiro sênior do Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, a repórteres por telefone.

“Acreditamos que haverá mais normalidade com Israel e acreditamos que em algum momento a questão palestino-israelense será resolvida”, acrescentou.

O acordo entre Israel e os Emirados Árabes Unidos causou grande comoção em todo o Oriente Médio. Foi o terceiro acordo desse tipo desde que Israel se tornou uma nação independente e o primeiro desde que o Egito e Israel finalizaram um acordo em 1979.

Enquanto o Irã e a Turquia condenam a medida, Bahrein e Omã estudam a possibilidade de formalizar laços com Israel.

Carros passam sob as bandeiras de Israel e dos Emirados Árabes Unidos alinhados em uma estrada na cidade costeira israelense de Netanya, em 16 de agosto de 2020 (JACK GUEZ / AFP via Getty Images)
Carros passam sob as bandeiras de Israel e dos Emirados Árabes Unidos alinhados em uma estrada na cidade costeira israelense de Netanya, em 16 de agosto de 2020 (JACK GUEZ / AFP via Getty Images)

Tanto o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, quanto o príncipe herdeiro dos Emirados Árabes Unidos, o xeque Mohammed bin Zayed Al Nahyan, creditaram a Trump a ajuda para o acordo.

Trump disse acreditar que os palestinos “desejam muito fazer parte do que estamos fazendo”, segundo declarações dadas a repórteres na semana passada em Washington.

“Vejo, em última análise, os palestinos – vejo a paz entre Israel e os palestinos. Eu vejo que isso está acontecendo. Acho que, à medida que esses países muito grandes, poderosos e ricos chegarem, acho que os palestinos o seguirão, muito naturalmente”, acrescentou.

Em 28 de janeiro, o presidente divulgou um mapa que mostra um possível futuro país palestino, incluindo uma capital em Jerusalém Oriental. O mapa recebeu o apoio de Netanyahu, mas a rejeição dos líderes palestinos.

Eles condenaram o acordo Emirados Árabes Unidos-Israel depois de anunciado.

O líder palestino Mahmoud Abbas disse que o que os Emirados Árabes Unidos fizeram foi uma “traição”, segundo um comunicado.

“Os líderes palestinos também pedem à comunidade internacional que respeite o direito internacional e as resoluções de legitimidade internacional que constituem a base para a resolução do conflito israelense-palestino e que a paz seja alcançada somente por meio do fim completo da ocupação israelense do Territórios palestinos”, declarou Abbas.

Manifestantes seguram um retrato do presidente palestino Mahmoud Abbas durante uma manifestação contra os planos de Israel de anexar a Cisjordânia, na Faixa de Gaza em 2 de julho de 2020 (Khatib / AFP disse via Getty Images)
Manifestantes seguram um retrato do presidente palestino Mahmoud Abbas durante uma manifestação contra os planos de Israel de anexar a Cisjordânia, na Faixa de Gaza em 2 de julho de 2020 (Khatib / AFP disse via Getty Images)

O grupo terrorista islâmico palestino Hamas também condenou o acordo.

Abbas se opôs a Netanyahu apenas prometendo parar a anexação da Cisjordânia temporariamente, não permanentemente.

Questionado sobre quais garantias os Estados Unidos receberam sobre a anexação, o assessor da Casa Branca disse a repórteres que o primeiro-ministro de Israel deu sua palavra.

“Israel concordou conosco que não pode avançar sem nosso consentimento. Não pretendemos dar a eles nosso consentimento por algum tempo”, disse Kushner.

“Acreditamos que eles respeitarão o acordo. Eles têm confiança no presidente Trump “, acrescentou.

A Casa Branca abordou recentemente os líderes palestinos dizendo que se eles quiserem participar agora, a questão da soberania israelense está “em espera”.

Mas os Estados Unidos não “perseguirão” os líderes palestinos, acrescentou Kushner. “A bola agora está na quadra dos palestinos”, disse ele.

Siga Zachary no Twitter: @zackstieber

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:
 
Matérias Relacionadas