Presidente da Ucrânia exige provas dos EUA sobre alegações alarmistas de invasão russa

Avisos de uma possível invasão iminente, segundo o presidente ucraniano, estão criando pânico em seu país

Por Katabella Roberts 

O presidente ucraniano Volodymyr Zelensky exigiu provas dos Estados Unidos após funcionários da Casa Branca alertarem que a Rússia poderia invadir o ex-país soviético no final deste mês.

“Houve muita informação sobre uma guerra em grande escala com a Rússia – até datas específicas foram anunciadas”, afirmou Zelensky a repórteres em 12 de fevereiro.

“Entendemos que há riscos. Se você tiver alguma informação adicional sobre a invasão 100% garantida da Ucrânia pela Rússia no dia 16 de fevereiro, por favor nos dê”, afirmou o presidente ucraniano.

Zelensky também alertou contra esses avisos de uma possível invasão iminente que, segundo ele, está criando pânico em seu país e reiterou que o desejo da Ucrânia, em primeiro lugar, é diminuir as tensões.

O presidente afirma que seu país contará com suas próprias forças para responder a quaisquer “surpresas … de qualquer lado, de qualquer fronteira” e agradeceu aos parceiros internacionais pelo compartilhamento de inteligência sobre os riscos apresentados pela Rússia.

Ele observou, no entanto, que essas informações precisam ser analisadas “com muito cuidado”.

Os comentários de Zelensky vêm após o conselheiro de segurança nacional da Casa Branca, Jake Sullivan, afirmar a repórteres que a Rússia poderia invadir a Ucrânia “a qualquer momento”, observando que poderia fazê-lo antes da conclusão das Olimpíadas de Pequim, que estão programadas para terminar em 20 de fevereiro.

“Se olharmos para a disposição das forças, tanto na Bielorrússia como na Rússia, do outro lado da fronteira ucraniana a partir do norte e do leste, os russos estão em condições de poder montar uma grande ação militar na Ucrânia a qualquer momento”, relatou Sullivan em uma coletiva de imprensa do dia 11 de fevereiro.

No entanto, Sullivan enfatizou que o governo Biden “não está dizendo que uma … decisão final foi tomada pelo presidente Putin”.

“O que estamos dizendo é que temos um nível suficiente de preocupação, com base no que estamos vendo no terreno e no que nossos analistas de inteligência captaram, de que estamos enviando esta mensagem clara. E continua a ser uma mensagem que já enviamos há algum tempo. E …  sim, é uma mensagem urgente porque estamos em uma situação urgente”, afirmou Sullivan.

A Casa Branca também encorajou todos os americanos atualmente na Ucrânia a deixar o país à medida que as tensões na fronteira Rússia-Ucrânia aumentam.

Os americanos atualmente na Ucrânia foram solicitados a entrar em contato com a embaixada dos EUA em Kiev se precisarem de ajuda financeira ou logística para sair.

Sullivan dobrou seus comentários em uma entrevista à CNN no dia 13 de fevereiro, enfatizando novamente que a Rússia poderia invadir a Ucrânia “a qualquer momento” e que tal invasão poderia ocorrer dentro de uma semana.

O conselheiro de segurança nacional da Casa Branca não forneceu mais detalhes sobre a suposta possível invasão iminente.

A Rússia nega que planeja invadir a Ucrânia e pediu aos Estados Unidos e seus aliados que neguem a adesão da Ucrânia e de outras ex-nações soviéticas à OTAN.

Enquanto isso, a Rússia acumulou cerca de 100.000 soldados situados perto das fronteiras orientais da Ucrânia.

“Não podemos prever perfeitamente o dia, mas já estamos dizendo há algum tempo que estamos na janela, e uma invasão pode começar, uma grande ação militar pode começar pela Rússia na Ucrânia a qualquer momento – isso inclui esta próxima semana, antes do final das Olimpíadas”, relatou Sullivan.

Durante um telefonema de 13 de fevereiro entre Zelensky e o presidente Joe Biden, o presidente ucraniano convidou Biden a visitar Kiev em um movimento que ele acredita que ajudaria a diminuir e estabilizar a situação com a Rússia.

“Estou convencido de que sua chegada a Kiev nos próximos dias, que são cruciais para estabilizar a situação, será um sinal poderoso e contribuirá para a desescalada militar, o gabinete do presidente afirmou, citando Zelensky,

Zelensky também observou as medidas tomadas pelos Estados Unidos e outros parceiros para fornecer apoio efetivo à Ucrânia.

“Nós sentimos isso. E esperamos que, entre outras coisas, ajude a evitar a propagação do pânico”, declarou Zelensky.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas