Publicado em - Atualizado em 06/12/2016 às 16:19

Prefeito eleito de Osasco é alvo de operação do MP

Outros onze vereadores da cidade foram presos na operação Caça-Fantasmas

Desde o começo da operação, 73 mandados de busca foram cumpridos (Arquivo ABr)

Desde o começo da operação, 73 mandados de busca foram cumpridos (Arquivo ABr)

A operação Caça-Fantasmas teve mais uma etapa deflagrada pelo Ministério Público na manhã desta terça-feira (6), em Osasco, na Grande São Paulo. O prefeito eleito de Osasco, o vereador Rogério Lins (PTN), teve a prisão preventiva expedida, mas ele não foi encontrado em sua residência porque estaria viajando.

Também foram presos outros onze vereadores. Foram expedidos ao todo 14 mandados de prisão contra vereadores de Osasco.

Em agosto de 2015, a operação foi deflagrada com a finalidade de desbaratar um esquema de desvio do salário dos assessores dos vereadores e a existência de funcionários fantasmas.

Leia também:
Reforma da Previdência endurece regras de concessão de pensão
Para Renan Calheiros, afastamento é ‘retaliação’ do Judiciário

Foram desviados pelo esquema R$ 21 milhões, de acordo com os cálculos do Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco) de Osasco, conduzido pelo promotor de Justiça Gustavo Albano.

Rogério Lins (PTN) só assume como prefeito de Osasco em janeiro de 2017, para os próximos quatro anos. Lins teve 218.779 votos (61,21%) e o atual prefeito Jorge Lapas (PDT) teve 138.625 (ou 38,79%), de 91% das urnas apuradas.

Todo conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada. Para reproduzir a matéria, é necessário apenas dar crédito ao Epoch Times em Português e para o repórter da matéria.
Leia a diferença. Epoch Times Todos os direitos reservados © 2000-2016