Praticantes do Falun Gong são sujeitos a coleta de sangue obrigatória

Desde abril de 2014, muitos funcionários do governo da cidade de Anshun, província de Guizhou, têm realizado coletas de sangue em praticantes do Falun Gong nas delegacias, escritórios locais, comitês de bairro e hospitais comunitários.

Em alguns casos, os praticantes do Falun Gong foram retirados de suas casas ou de seus empregos para tirar sangue; outras vezes, as amostras de sangue foram tomadas onde quer que foram apreendidos. Suas famílias são frequentemente ameaçadas a cooperarem para ajudar a localizar os praticantes.

Recentes incidentes, em suma:

A sra. Li Chunxiang, uma praticante idosa, vive perto da Empresa Hongji. Em abril, Liu Yongchao e outros da Delegacia de Polícia de Dongguan a levaram para longe para coletar seu sangue.

A sra. Zhou Zhijun vive com o filho no Residencial Jardim Paili do distrito do Desenvolvimento. No mês de maio de 2014, três pessoas do Comitê do Bairro Jardim do Paili notificaram que tinham que fazer um exame físico, que incluía uma coleta de sangue. Eles também informaram que o Escritório de Assuntos Cívicos pagaria 300 yuanes se ela cooperasse. Zhou se recusou a ir.

No entanto, em meados de agosto as mesmas pessoas se aproximaram dela novamente. Desta vez, elas pediram a ela para escrever uma declaração prometendo que não iria sair para falar às pessoas sobre o Falun Gong. Disseram-lhe que ela não seria mais incomodada se assinasse. Novamente a sra. Zhou recusou-se e, em vez disso, esclareceu os fatos sobre a perseguição ao Falun Gong.

A sra. Ma Lijie é uma professora na escola da Empresa Yunma. No final de maio, Meng Ping e alguém da delegacia da cidade de Xuanpu foi vê-la na escola. Eles queriam tirar uma amostra de seu sangue e testar seu DNA para o armazenamento num banco de dados. A sra. Ma se recusou a deixá-los coletar seu sangue.

No início de junho, Meng Ping e outros foram para o Palácio da Cultura, onde a sra. Ma estava realizando uma limpeza como parte de um segundo emprego. Eles novamente quiseram tirar seu sangue. Eles tentaram persuadi-la repetidamente, mas ela estava determinada a não participar.

Nesse mesmo dia, eles foram para a casa de outros praticantes do Falun Gong, incluindo Qiao Yingmin, Zhu Ping, Xie Xianfen, Gao Yumei, e Luan Yuq, para obter amostras de seu sangue. Cada praticante se recusou a deixá-los fazerem a coleta.

No início de agosto, Liao Hong, vice-diretor Delegacia de Polícia da cidade de Xuanpu, foi até a casa da sra. Ma para tentar obter do seu marido uma ajuda para persuadir a sra. Ma a ter seu sangue coletado. Quando ele se recusou a ajudar, o oficial de Wen Bo mais tarde telefonou para ele várias vezes, mas ele nunca ajudou.

A sra. Wang Yu trabalha na escola da Empresa Anji. Em junho, Hu Jun e outros da Delegacia de Polícia da cidade de Caiguan foram para a escola dela e tentaram obter uma amostra de seu sangue. A sra. Wang se recusou a permitir que eles o fizessem.

Eles, então, pediram para seu diretor ajudar. O diretor disse para a sra. Wang vir ao seu escritório para pedir sua cooperação. O próprio diretor foi tão longe a ponto de espetar o dedo da sra. Wang com uma agulha quando ela olhou para o lado e ele coletou uma amostra do seu sangue com um cotonete.

A sra. Huang Mingying vive em Xishuiguan. Em 17 de junho, o oficial Liang Rongzhang e um diretor do escritório da Delegacia da rua Bei foram à sua casa. Eles mentiram para ela e lhe disseram que ela tinha sido escolhida pela área residencial a se submeter a um exame físico livre, que incluía um exame de sangue. Não enganada pelas mentiras, a sra. Huang mandou-os embora.

Quando a sra. Huang deixou seu prédio em 18 de agosto, ela encontrou Liang Rongzhang e outros três. Eles pararam em frente dela e começaram a fazer chamadas telefônicas. Pelo menos dois carros de polícia e uma dúzia de policiais chegaram. Eles agarraram-na e tentaram tirar seu sangue. A sra. Huang resistiu e, eventualmente, eles colocaram-na num dos carros da polícia. Durante a briga, alguém conseguiu cortar seu dedo e recolher um pouco de sangue num cotonete. Seu pé também foi ferido.

A sra. Peng Xueqiong vive no Residencial do distrito Montanha Fenghuang. Em julho, várias pessoas da comissão residencial local e o Escritório da rua Oriente, iam para a casa dela para coletar seu sangue. A sra. Peng recusou que retirassem seu sangue e os informou sobre a perseguição. Eles desistiram e saíram.

Vários oficiais fizeram uma visita ao sr. Luo Peixiang em torno de 10 horas da manhã de 18 de julho. O diretor Zhong Liang da Delegacia de Polícia de Huaxi, Wei Baoping, diretor do Gabinete de Segurança do Comitê Residencial da Estação Ferroviária e uma outra pessoa com o sobrenome Chen foi para a casa do sr. Luo pedir uma amostra de seu sangue. O sr. Luo se recusou a cooperar.

A sra. Zhou Fengyin, de cerca de 80 anos, vive numa área urbana. Em agosto, seu filho veio vê-la com algumas pessoas que queriam tirar seu sangue. Eles informaram seu filho que eles iriam tirar o nome de Zhou da lista negra, uma vez que tivessem uma amostra de seu sangue.

O sr. Zhang Hui é aposentado da Fábrica Yunma. Em outubro, ele foi até a Delegacia de Polícia da cidade de Xuanpu para preencher o formulário para sua identidade. As autoridades de lá disseram que ele tinha que ter suas impressões digitais e fazer um exame de sangue pela primeira vez. Quando o sr. Zhang se recusou a dar uma amostra de sangue, a estação se recusou a dar-lhe sua identidade.

Banco de dados nacional de DNA do Falun GongUm policial que trabalha para a segurança pública revelou que a diretiva para obter amostras de sangue foi mandato da Secretaria de Segurança Pública da província de Guizhou. As amostras de sangue devem ser mantidas sob segurança contra todos aqueles que praticam ou que tenham praticado o Falun Gong, a fim de construir um banco de dados de DNA.

Durante este período, no entanto, muitos oficiais que se tornaram mais conscientes sobre a perseguição optaram por não participar disso.

 
Matérias Relacionadas