Praticantes do Falun Gong protestam em frente à embaixada chinesa na França contra décadas de perseguição na China

Parisienses apoiam a jornada do Falun Gong para acabar com a perseguição

Por De Long, Minghui.org

Praticantes do Falun Gong se reuniram em frente à embaixada chinesa enquanto o líder chinês Xi Jinping visitava Paris em 25 de março de 2019. Eles protestaram contra a perseguição de 20 anos ao Falun Gong na China e a extração sistêmica de seus órgãos vitais para transplante comercial pelo regime chinês, que prende os praticantes por causa de sua crença.

Eles pediram a Xi para parar imediatamente com os crimes abomináveis contra a humanidade e prender o culpado que lançou a perseguição em 1999, o ex-líder chinês Jiang Zemin. Eles também pediram ao presidente francês, Emmanuel Macron, que levante o assunto das violações dos direitos humanos na China ao se encontrar com Xi e exija o fim imediato da perseguição.

Expondo o crime do regime comunista chinês

Tang Hanlong, presidente da Associação do Falun Dafa na França, falou no comício em frente à embaixada da China. Ele condenou o Partido Comunista Chinês (PCC) por encarcerar, torturar, fazer lavagem cerebral e extrair órgãos de praticantes do Falun Gong. “A extensão da brutalidade é incomparável na história”, disse ele.

Tang falou sobre a atrocidade da extração de órgãos de praticantes vivos na China. Segundo o Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas (UNHRC) e um relator especial da ONU, a um ponto, dois terços dos prisioneiros nos campos de trabalho forçado na China eram praticantes do Falun Gong, e o número detido hoje é de centenas de milhares. O relator estimou que dezenas de milhares de prisioneiros de consciência, incluindo praticantes do Falun Gong, tenham seus órgãos removidos contra sua vontade a cada ano na China. Tang pediu à comunidade internacional que investigue essas questões.

Praticantes do Falun Gong se reúnem em frente à embaixada chinesa em 25 de março de 2019 (Minghui.org)
Praticantes do Falun Gong se reúnem em frente à embaixada chinesa em 25 de março de 2019 (Minghui.org)

O Dr. Harold King, membro do Médicos Contra a Extração Forçada de Órgãos (DAFOH) na França, também condenou o PCC por extrair órgãos de praticantes do Falun Gong, uigures, tibetanos e cristãos. Ele queria que as pessoas soubessem que os crimes de extração forçada de órgãos e de transplante de órgãos na China sabota a ética médica e são contrários às regras internacionais.

Ele está preocupado que os pacientes que vão à China para um transplante de órgãos estarão correndo um grande risco, porque acabarão violando uma lei internacional por comprar órgãos para transplante. Ele disse: “Estamos preocupados que os médicos na China sejam abusados e forçados a participar. Queremos que Xi interrompa rapidamente a perseguição e o turismo de transplante de órgãos. ”

Dr. Harold King, membro dos Médicos Contra a Extração Forçada de Órgãos (DAFOH) na França, fala no comício (Minghui.org)
Dr. Harold King, membro dos Médicos Contra a Extração Forçada de Órgãos (DAFOH) na França, fala no comício (Minghui.org)

Alexandre Gabard, advogado da Associação do Falun Dafa, disse que a polícia em Paris negou três vezes os pedidos dos praticantes de uma licença para protestar em frente à embaixada chinesa nos últimos anos, possivelmente devido à pressão de autoridades chinesas. Todas as três vezes os praticantes levaram a questão ao Tribunal Administrativo de Recursos de Paris, que decidiu que os praticantes não tinham intenção de sabotar a ordem social e revogaram a decisão do departamento de polícia. “As leis na França protegem firmemente a liberdade de expressão, reunião e desfile, incluindo este evento”, disse Gabard.

O local que o departamento de polícia aprovou para o comício de 25 de março estava originalmente longe da embaixada. Quando os praticantes recorreram, a polícia revogou a ordem antes da audiência e aprovou a localização atual do rali. “Eu vejo a perseverança e o altruísmo dos praticantes (praticantes do Falun Gong). Eles não desistiram nesta luta, o que é uma coisa boa”, disse Gabard.

Alexandre Gabard, advogado da Associação do Falun Dafa (Minghui.org)
Alexandre Gabard, advogado da Associação do Falun Dafa (Minghui.org)

Parisienses apoiam a jornada do Falun Gong para acabar com a perseguição

Anita Richard é praticante há quase 20 anos. Ela trabalhou no sistema judiciário antes de se aposentar. Ela conversou com a polícia e os policiais militares que foram enviados para manter a ordem no comício e contou-lhes os benefícios da prática. Muitos dos oficiais pegaram o folheto do Falun Dafa que ela ofereceu e expressaram interesse em aprender.

Anita Richard é uma praticante do Falun Gong (Minghui.org)
Anita Richard é uma praticante do Falun Gong (Minghui.org)

Jeanne ficou chocada depois de saber sobre a perseguição e a brutalidade da tortura sofrida por praticantes na China. “Eu acho que [extração de órgãos de praticantes vivos] é absolutamente inaceitável e assustador. É contra a humanidade. Para mim, não posso acreditar que alguém tenha feito tal coisa apenas por ganhos econômicos! ”, ela disse.

Jeanne (Minghui.org)
Jeanne (Minghui.org)

Anne Marie Jiat era parteira antes de se aposentar. Quando ela ouviu sobre os praticantes serem presos e mortos por seus órgãos porque eles acreditavam na Verdade-Compaixão-Tolerância, ela foi tomada pela emoção.

“É uma mensagem muito importante e todos devem ouvir. Vou dizer às pessoas que conheço ”, disse ela. “Espero que Macron tenha falado com o líder chinês Xi sobre esse assunto. Como pode ser permitido continuar?

Anne Marie Jiat apoia os esforços dos praticantes para acabar com a perseguição (Minghui.org)
Anne Marie Jiat apoia os esforços dos praticantes para acabar com a perseguição (Minghui.org)

Sandrine trabalha para uma agência do governo. Ela disse que ficou comovida com os persistentes esforços dos praticantes de protestar pacificamente nos últimos 20 anos. “Estou em descrença de que esse grupo de pessoas seja suprimido. As pessoas devem saber disso e eu apoio seus protestos. Estou impressionada por seus esforços em lutar pela paz ”, disse ela.

Sandrine (Minghui.org)
Sandrine (Minghui.org)
 
Matérias Relacionadas