Publicado em - Atualizado em 20/06/2012 às 11:00

Praticantes do Falun Gong em São Francisco pedem pelo fim dos crimes de ódio

Praticantes do Falun Gong protestam em frente a prefeitura da cidade de São Francisco, EUA, em 14 de junho, na sequência de um incidente violento contra um praticante no início da semana passada. (The Epoch Times)Ataques recente sem justificativa fazem parte de um padrão de ações dirigidas contra o Falun Gong

SÃO FRANCISCO – Os praticantes do Falun Gong em São Francisco realizam uma demonstração e conferência de imprensa nas escadarias da prefeitura da cidade na quinta-feira. Sua mensagem: os 13 anos de crimes de ódio dirigidos contra eles na cidade têm de parar.

Os praticantes foram estimulados a agirem devido a um incidente violento em torno do meio-dia do domingo retrasado.

Na esquina das ruas Grant e Washington em Chinatown, um grupo de quatro ou cinco praticantes se reuniu para distribuir panfletos e segurar cartazes que falavam sobre como o Falun Gong é perseguido na China. Segundo praticantes presentes na cena, o seguinte cenário se desenrolou.

Nesta mesma esquina, um chinês vestindo uma camisa vermelha ficou de pé num banco atrás dos praticantes. Situando-se acima deles em seu banco, ele amaldiçoou em voz alta o Falun Gong e gritou slogans que apoiavam o regime comunista chinês.

Um homem soca o queixo de Derek Wang, um praticante do Falun Gong. (Cortesia de um espectador anônimo)Então, um chinês mais velho de chapéu se aproximou dos praticantes e também amaldiçoou o Falun Gong, em seguida, ele deu dois socos no rosto de um deles, um jovem chamado Derek Wang. Depois, o homem de vermelho desceu do banco e orientou o velho chinês que fosse embora antes que a polícia chegasse; praticantes fotografaram-no batendo em Wang e ligaram para o 911 pedindo ajuda. O velho chinês começou a sair, mas os praticantes bloquearam seu caminho. Em seguida, o homem de vermelho deu um soco no rosto de uma das praticantes, a Sra. Wang. A Sra. Wang não tem parentesco com Derek Wang.

Antes que a polícia chegasse, uma chinesa no meio da multidão que se formou insistiu com o velho que ele se deitasse e fingisse que era ele o único que tinha sido atingido. Ele se deitou e fechou os olhos e, quando os paramédicos chegaram, eles carregaram-no numa ambulância e o levaram. Queixas policiais foram abertas contra o velho chinês de chapéu e o homem de vermelho. No centro de trauma do Hospital Geral de São Francisco, a Sra. Wang e Derek Wang foram ambos diagnosticados com contusões em seus rostos.

Crimes de ódio

“Confrontos como este aconteceram cinco vezes nos últimos sete meses”, disse Sherry Zhang, o porta-voz do Falun Gong em São Francisco. “Em duas ocasiões anteriores, houve praticantes femininas atingidas. Tivemos material arrancado de nossas mãos, roubado ou rasgado e temos regularmente ouvido palavras sujas e ofensivas. […] Mas isso não se restringe aos últimos sete meses. Os praticantes do Falun Gong em São Francisco têm pacientemente sofrido tal tratamento há 13 anos”, disse Zhang. “São crimes de ódio. A única razão para isso é que essas pessoas foram influenciadas pelo consulado chinês que quer atacar o Falun Gong. Fomos à prefeitura na quinta-feira pedir que esses crimes acabem”, acrescentou Zhang.

O Falun Gong é uma prática espiritual que envolve 5 exercícios de meditação e viver de acordo com os princípios da verdade, compaixão e tolerância. Em julho de 1999, o então chefe do Partido Comunista Chinês (PCC), Jiang Zemin, lançou uma campanha para “erradicar” a prática. Jiang temia a grande popularidade que a prática ganhou na China e que o povo chinês preferisse os ensinamentos do Falun Gong à ideologia comunista.

Nos degraus da prefeitura na quinta-feira, várias dezenas de praticantes alinhados seguram cartazes com slogans como “São Francisco não é Pequim” e “Pare a perseguição do consulado chinês ao Falun Gong em São Francisco”.

A Dra. Sherry Zhang, uma representante do Falun Gong, faz seu discurso de abertura numa conferência de imprensa na frente da prefeitura de São Francisco. (Dean Tsaggaris/The Epoch Times)Zhang disse que o incidente em Chinatown no domingo retrasado é parte de um padrão de incidentes que visam silenciar os praticantes. Ela disse que o consulado chinês em São Francisco está por trás dos ataques e do abuso e apontou para incidentes semelhantes em outras cidades norte-americanas.

Um dos incidentes que Zhang mencionou envolviam ataques a praticantes do Falun Gong na Chinatown de Nova York, em Flushing, que começaram em maio de 2008 e duraram meses. Nesse caso, o cônsul-geral chinês Peng Keyu foi flagrado num telefonema gravado dizendo que ele pessoalmente incentivou os ataques. Um ex-funcionário consular chinês confirmou as alegações de Zhang que funcionários do consulado chinês tentam silenciar praticantes do Falun Gong fora da China.

Em depoimento perante o Congresso dos EUA, o Sr. Chen Yonglin, o ex-cônsul para assuntos políticos da República Popular da China no consulado em Sydney, Austrália, mencionou uma “guerra” contra o Falun Gong que era “uma das tarefas principais das missões chinesas no exterior”. “A política da central do PCC a respeito do Falun Gong para as missões no exterior”, declarou Chen, “é ‘combater olho no olho e atacar voluntaria e agressivamente'”.

Nas escadarias da prefeitura

Fora da prefeitura, na quinta-feira, os praticantes realizaram uma conferência de imprensa e Derek Wang e a Sra. Wang aproveitaram a oportunidade para testemunhar a perseguição que sofreram na China por praticarem o Falun Gong.

Derek Wang contou como começou a praticar o Falun Gong em 1997 quando tinha apenas 10 anos de idade. Após a perseguição começar em julho de 1999, sua mãe foi presa por praticar o Falun Gong e torturada até a beira da morte e, em seguida, foi liberada para voltar a sua casa. Derek continua a se preocupar com a segurança dela na China.

Dois homens agridem juntos a Sra. Wang, uma praticante do Falun Gong, na Chinatown de São Francisco. (Cortesia de um espectador anônimo)A irmã da Sra. Wang foi assassinada enquanto estava sob custódia policial e, quando ela examinou o cadáver, encontrou os braços da irmã amarrados fortemente com uma fita sangrenta, seu braço esquerdo estava severamente inchado e todo seu corpo completamente nu. Estupro e agressão sexual são uma forma generalizada de tortura usada contra praticantes femininas do Falun Gong na China. O irmão da Sra. Wang foi detido por mais de 10 anos por praticar o Falun Gong e foi torturado brutalmente.

“Os homens que nos atacaram no domingo não querem que o povo de Chinatown ouça o que a Sra. Wang e Derek têm a dizer”, disse Zhang. “Eles interferiram para impedir as pessoas de ouvirem o que está acontecendo na China.”

Imediatamente após a conferência de imprensa, os praticantes do Falun Gong, incluindo Derek e Sra. Wang, visitaram os gabinetes do prefeito Lee, do supervisor da cidade Chiu e do procurador distrital. Eles pediram aos oficiais: para levarem à justiça os acusados de violência no incidente recente; que eles saibam mais sobre o Falun Gong; e para condenarem fortemente a perseguição ao Falun Gong na China e o consulado chinês por sua interferência com o Falun Gong em São Francisco.

Todo conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada. Para reproduzir a matéria, é necessário apenas dar crédito ao Epoch Times em Português e para o repórter da matéria.
Leia a diferença. Epoch Times Todos os direitos reservados © 2000-2016