Praticante do Falun Dafa conta sua história de tortura em vídeo antes de sua morte

"Espero que pessoas de bom coração no mundo possam prestar atenção a essa perseguição ao Falun Gong, a perseguição iniciada pelo ex-presidente Jiang Zemin”

Por Equipe do Epoch Times

Gao Rongrong, ex-funcionária do Instituto de Belas Artes de Luxun, na cidade de Shenyang, sofreu tremendamente devido à tortura perpetrada pelo Partido Comunista Chinês (PCC) e morreu aos 37 anos. Gao morreu em uma sala de tratamento de emergência no Hospital nº 1 afiliado à Universidade Médica da China.

Antes de sua morte, as autoridades comunistas chinesas a seqüestraram e a levaram ao Campo de Trabalho Forçado de Longshan porque ela não desistiu de sua crença no Falun Dafa, também chamado Falun Gong.

Segundo as estatísticas registradas no Minghui.net, Gao Rongrong foi o 54º praticante do Falun Gong torturado até a morte na cidade de Shenyang, província de Liaoning. O vídeo foi sua declaração final gravada antes de sua morte.

Em 5 de outubro de 2004, Gao escapou do controle do campo de trabalho. Esse incidente perturbou os altos níveis da liderança comunista em Pequim, porque eles não queriam que a tortura fosse divulgada.

Luo Gan, chefe do Comitê Permanente do Politburo do Partido Comunista Chinês, responsável pela perseguição ao Falun Gong, instruiu pessoalmente e realizou conferências em todos os níveis, desde províncias e cidades, até condados, para organizar a captura e perseguição de Gao Rongrong.

Naquela época, as Agências 610 , provinciais e municipais, empregaram uma grande quantidade de recursos de segurança pública, agentes e outros para monitorar paradas de transporte, docas, aeroportos, estações de trem, estações de ônibus para procurar Gao. Este caso foi chamado “Caso Principal 26”.

Em 18 de agosto, o Minghui.net publicou o testemunho pessoal de Gao Rongrong sobre seu tempo no hospital. Ela foi torturada com bastões elétricos incessantemente por 7 horas e pulou da janela do escritório da polícia no segundo andar porque não suportava a tortura. Ela foi enviada para a Divisão 2 do Departamento de Ortopedia do primeiro hospital afiliado à Universidade Médica Chinesa na cidade de Shenyang.

 

(Esquerda) Gao Rongrong antes do lançamento da campanha de perseguição contra o Falun Dafa (Direita) Gao 10 dias depois que seu rosto foi eletrocutado repetidamente com picos elétricos por mais de sete horas pelos guardas do Campo de Trabalho Forçado de Longshan (MInghui.org)

Gao foi diagnosticada com duas fraturas pélvicas. A perna esquerda estava gravemente fraturada e o calcanhar direito, quebrado.

Gao Rongrong disse: “Hoje é 25 de maio de 2004. Estou gravemente ferida, no segundo pavilhão do Departamento de Ortopedia do Primeiro Hospital afiliado à Universidade Médica da China. Enquanto falo, quatro policiais me observam do lado de fora da porta.

Com a ajuda de outras pessoas, ela conseguiu escapar do hospital e se escondeu até o PCC a capturar.

Em 6 de março de 2005, Gao Rongrong foi capturada e sequestrada. Em 16 de junho, uma Gao definhada, após ter sofrido assédios e tortura severos por dois anos, foi torturada até sofrer uma insuficiência orgânica completa. Na sala de tratamento de emergência do hospital, ela deixou este mundo para sempre.

Gao Weiwei, em Washington, em 22 de junho de 2018, mantém uma foto de sua irmã, Gao Rongrong, morta na China comunista por sua crença no Falun Dafa. (Samira Bouaou / The Epoch Times)

Segundo as estatísticas registradas no Minghui.net, Gao Rongrong foi o 54º praticante do Falun Gong torturado até a morte na cidade de Shenyang, província de Liaoning. A seguir, sua declaração final registrada antes de sua morte:

Gao Rongrong: “Minha família inteira sofreu muito com essa perseguição. De fato, todos os praticantes do Falun Gong presentes no campo de trabalhos forçados e suas famílias são constantemente perseguidos e tratados de forma desumana. Não tínhamos permissão para conversar, nem os presos nos vigiando; Não tínhamos permissão para ver nossas famílias e fomos forçados a fazer um trabalho pesado. Os praticantes, incluindo os de 50 anos, foram forçados a sentar em bancos estreitos e trabalharam sem interrupção, independentemente de sua condição física. Eles não nos tratam como seres humanos. Todos os praticantes do Falun Gong são pessoas boas, pessoas que praticam a verdade, compaixão e tolerância, mas os perseguidores nos tratam tão horrivelmente que é como se não tivessem consciência. Somos feridos e torturados cruelmente sem nenhum remorso. Estou aqui e espero que possamos ganhar a liberdade. Espero que pessoas de bom coração no mundo possam prestar atenção a essa perseguição ao Falun Gong, a perseguição iniciada pelo ex-presidente Jiang Zemin”.

Nota: o vídeo foi produzido pelo centro de produção da FGM TV

O Falun Dafa (também conhecido como Falun Gong) é um sistema de meditação para aprimoramento pessoal, baseado nos princípios universais de Verdade, Compaixão e Tolerância. Foi apresentado ao público pelo Sr. Li Hongzhi em 1992 na China. Atualmente, é praticado por mais de 100 milhões de pessoas em mais de 120 países. No entanto, esse sistema pacífico de meditação está sendo brutalmente perseguido na China desde 1999. Para mais informações, visite: falundafa.org e faluninfo.net.

 

 
Matérias Relacionadas