Potências nucleares estão modernizando seus arsenais, aponta SIPRI

Os países com armas nucleares estão modernizando seus respectivos arsenais, apesar da vontade expressada pela comunidade internacional de um desarmamento, anunciou o Instituto de Investigação sobre a Paz Internacional de Estocolmo (SIPRI).

De acordo com relatório anual da instituição apresentado na segunda-feira (15), o arsenal nuclear mundial teve uma redução de 3% em 2014 devido à retirada de equipamentos obsoletos.

As nove potências nucleares – Estados Unidos, Rússia, Reino Unido, França, China, Índia, Paquistão, Israel e Coreia do Norte – possuíam em Janeiro deste ano 15.850 ogivas nucleares, contra 16.350 em 2014, o que representa uma descida continuada mas a um ritmo lento em relação ao registado na década anterior.

Do total de ogivas nucleares existentes atualmente, 4.300 estão disponíveis para utilização imediata e cerca de 1.800 encontram-se em estado de alerta operacional. Em comparação com 2010, esse número era de 22.600, das quais 7.650 operacionais, segundo os dados anuais do SIPRI.

A redução do número de ogivas nucleares deve-se sobretudo aos Estados Unidos e à Rússia, que têm, respectivamente 7.260 e 7.500, ou seja, 90% do arsenal mundial.

Estes dois países estão, contudo, empenhados em “importantes e dispendiosos programas de modernização dos seus sistemas de disparo, de ogivas nucleares e na respectiva produção”, afirmou Shannon Kile, investigador do SIPRI, citado em comunicado.

As outras potências nucleares continuam também a desenvolver e a instalar novos sistemas ou anunciaram a intenção de fazer o mesmo.

“Apesar do renovado interesse internacional em tornar prioritário o desarmamento nuclear, os programas de modernização em condução nos países que possuem armas nucleares sugerem que nenhum deles renunciará ao seu arsenal num futuro próximo”, sublinha Kile.

O relatório anual do SIPRI destaca também que em 2014 houve 62 operações internacionais de paz, mais três que no ano anterior, embora o número de efectivos nelas envolvidos se tenha reduzido em 20%, para 162.052.

Em consequência do fim da missão da Força Internacional de Assistência para a Segurança (ISAF) no Afeganistão, a África tornou-se um foco ainda maior das missões de paz, com mais pessoal se deslocado para região em comparação com todas as outras regiões combinadas, aponta o SIPRI.

 
Matérias Relacionadas