Por que não comer carne de cachorro? Autoridades de Hanói explicam (Vídeo)

Campanhas para que a população adote cães e gatos como animais de estimação crescem em toda a Ásia

Por Epoch Times

A carne de cachorro assada, cozida ou no vapor é um prato tradicional na região urbana de Hanói, capital do Vietnã, no entanto, o governo de Taiwan está aconselhando a população a abandonar essa prática.

“Essa iguaria popular mancha a imagem da cidade e traz o risco de transmissão anida raiva”, disseram funcionários da Comissão Popular de Hanói nesta terça-feira (11), segundo informou o jornal Japan Times citando a Agência AFP.

Três pessoas morreram na capital infectadas pela raiva desde o início deste ano e outras duas foram infectadas por outra enfermidade.

Venda de carne de cachorro em Hanói (Hoang Dinh Nam/AFP/GettyImages)
Venda de carne de cachorro em Hanói (Hoang Dinh Nam/AFP/GettyImages)

Cães assados ainda são vistos em alguns mercados e lanchonetes populares em toda a capital do Vietnã.

Venda de carne de cachorro em Hanói (Hoang Dinh Nam/AFP/GettyImages)
Venda de carne de cachorro em Hanói (Hoang Dinh Nam/AFP/GettyImages)

Em um comunicado, as autoridades disseram que acreditam que essa prática pode ser erradicada gradualmente.

Salientaram a necessidade de “preservar a reputação de Hanói como capital civilizada e moderna”. “Os estrangeiros ficam chocados ao observar como nós comemos a carne dos animais que para eles são adoráveis animais de estimação”.

Pela mesma razão, pediram para que a população rural pare de matar e comer gatos, muitas vezes chamados de “pequenos tigres”.

“O comércio, o abate e o consumo da carne de cães e gatos provoca uma reação negativa dos turistas e dos expatriados que vivem em Hanói,” diz o comunicado.

Cães como animais de estimação em Hanói (Hoang Dinh Nam/AFP/Getty Images)
Cães como animais de estimação em Hanói (Hoang Dinh Nam/AFP/Getty Images)

Existem cerca de 493 mil cães e gatos na cidade que, de acordo com a agência, em sua grande maioria são domesticados, mas há também cerca de 1.000 estabelecimentos que vendem esse tipo de carne.

Cães como animais de estimação em Hanói (Hoang Dinh Nam/AFP/Getty Images)
Cães como animais de estimação em Hanói (Hoang Dinh Nam/AFP/Getty Images)

Campanhas para que a população adote cães e gatos como animais de estimação crescem em toda a Ásia.

Na Coreia do sul foi lançada uma campanha em nível nacional da qual até mesmo o presidente Moon Jae-in participou.

Com o lema “Não sou comida” e a imagem de Tori, o cão de estimação do presidente, a campanha realizada no ano passado foi um sucesso.

Tori é um cão resgatado que Moon adotou para incentivar outros a seguir o exemplo. A Coreia do Sul tem um grande número de animais que foram salvos de acabar servidos como refeição e que hoje precisam de um lar.

Nos últimos anos, Marc Ching, amante dos animais que ocupa muito do seu tempo resgatando cães nas ruas de Los Angeles, nos Estados Unidos, decidiu fazer isso também com os cães de Yulin, na China.

(Marc Ching/Facebook)
(Marc Ching/Facebook)

Em junho de 2016, Marc e sua equipe resgataram mais de 1.000 cães em Yulin.

“Quando você resgata um cão e esse cão olha para você, é como aquele momento quando você está apaixonado por alguém… é incrível. Não acho que as pessoas percebem que há beleza no que eu faço”, disse Marc para a revista Dogster Magazine, enquanto compartilhava como se sentia em seu coração depois do ousado trabalho de resgate.

 
Matérias Relacionadas