PGR desiste de inquérito contra Renan na Lava Jato

Juntamente com as denúncias feitas ao Supremo Tribunal Federal (STF) contra o deputado federal Aníbal Gomes e Luís Carlos Batista Sá, no inquérito 3.984, pelos delitos de corrupção e lavagem de dinheiro, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, também solicitou o encerramento do inquérito relativo ao presidente do Senado, Renan Calheiros, por falta de provas.

Foi comprovada, segundo a denúncia, a ação do deputado federal Aníbal Gomes com promessa de pagamento indevido da soma de R$ 800 mil ao diretor de Abastecimento da Petrobras, que na ocasião era Paulo Roberto Costa, com o objetivo de autorizar e desimpedir a formalização de acordo entre a Petrobras e empresas de pilotagem operando na Zona Portuária 16, no Rio de janeiro.

Leia também:
Estado Islâmico divulga ‘lista da morte’ que inclui brasileiros
Capriles acusa Brasil de ‘indiferença’ diante da crise na Venezuela
Ministério Público questiona gastos extraordinários no governo Dilma

Janot quer também que seja decretada a retirada da função pública do deputado Aníbal Gomes, especialmente por ter violado seus deveres para com o Estado e a sociedade. Luís Carlos Batista Sá é acusado de obter a vantagem indevida reservada a Aníbal Gomes e agir como personagem principal para a lavagem de dinheiro originária do acordo firmado em consequência das ações de corrupção, em favor próprio e do parlamentar.

O procurador-geral pediu ainda a fragmentação do inquérito relativo às demais pessoas implicadas sem prerrogativa de foro, para que as formas como se conduziram sejam avaliadas pela 13ª Vara Federal de Curitiba.

 
Matérias Relacionadas