Petróleo: era de preços baixos deve continuar

Preços não alcançarão US$100 por barril ou mais no futuro próximo, dizem especialistas

Por Emel Akan, Epoch Times

O aumento dos riscos geopolíticos e os temores do mercado de um iminente choque na oferta levaram os preços do petróleo ao seu nível mais alto em maio em quase quatro anos. No entanto, um especialista em petróleo diz que estes são sinais de curto prazo e que há muitas opções para os produtores de petróleo aliviarem os aumentos de preços.

As novas sanções norte-americanas que podem atingir as exportações iranianas de petróleo e a queda da produção de petróleo venezuelana aumentaram os temores de interrupções no fornecimento global, elevando os preços acima de US$ 80 por barril em maio. Alguns até especularam que os preços do petróleo saltariam para e provavelmente além de US$ 100 por barril no próximo ano.

“Estruturalmente, não deve haver pressão suficiente no mercado para nos levar de volta a esse mundo de preço muito alto”, disse Andrew Slaughter, especialista em energia e diretor-executivo da consultoria Deloitte Services LP.

Ele acredita que o preço do petróleo pode permanecer “menor por mais tempo”. “Isso não significa necessariamente US$ 30 ou US$ 40, mas não veremos US$ 100 novamente tão cedo, pelo menos numa base fundamental”, disse ele.

A partir de meados de 2014, os preços do petróleo sofreram uma recessão longa e profunda por cerca de três anos e meio, caindo de quase US$ 100 por barril para US$ 50, e depois para menos de US$ 30 no início de 2016. Muitos acreditavam que o petróleo chegaria a US$ 20 por barril.

“Quando as pessoas falam em preços menores por mais tempo, geralmente elas estão comparando os preços atuais com o mundo de US$ 100 por barril”, disse Slaughter.

No início de 2017, o preço do petróleo começou a apresentar uma recuperação lenta e constante depois que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) chegou a um acordo para restringir a oferta de petróleo. A OPEP e a Rússia concordaram em dezembro de 2016 em cortar a produção do petróleo em cerca de 1,8 milhão de barris por dia (bpd), a fim de reequilibrar o mercado.

Esse acordo “ainda está em vigor e a conformidade tem sido muito boa”, disse Slaughter. Se isso “se mantiver bem até o final do ano, então estamos num mercado estruturalmente mais robusto de algo em torno da faixa de US$ 60”, acrescentou.

Novas sanções contra o Irã, que é o terceiro maior produtor da OPEP, são consideradas a ameaça mais imediata ao fornecimento. A atual produção de petróleo do Irã é de 3,8 milhões de bpd, quase 1 milhão de barris a mais após as sanções terem sido levantadas no início de 2016.

Há risco de perder essa oferta adicional do Irã, segundo analistas. No entanto, é difícil prever quanto da produção de petróleo iraniana está realmente em risco sem conhecer os detalhes do pacote de sanções dos EUA, disse Slaughter.

A Venezuela é outro risco para o mercado de petróleo. A produção de petróleo do país está desmoronando devido à crise econômica e novas sanções podem deteriorar ainda mais sua produção.

Apesar das preocupações com o petróleo iraniano e venezuelano, existem muitas soluções para o sistema global de abastecimento preencher as lacunas e evitar restrições de fornecimento.

Khaled al-Faleh (esq.), o ministro saudita da energia, e Alexander Novak (dir.), o ministro russo da energia, participaram de uma reunião de membros da OPEP e de não membros da OPEP para avaliar o cumprimento dos cortes de produção e discutir a cooperação em longo prazo em Jeddah, Arábia Saudita, em 20 de abril de 2018 (Amer Hilabi/AFP/Getty Images)
Khaled al-Faleh (esq.), o ministro saudita da energia, e Alexander Novak (dir.), o ministro russo da energia, participaram de uma reunião de membros da OPEP e de não membros da OPEP para avaliar o cumprimento dos cortes de produção e discutir a cooperação em longo prazo em Jeddah, Arábia Saudita, em 20 de abril de 2018 (Amer Hilabi/AFP/Getty Images)

Tanto a Arábia Saudita quanto a Rússia começaram a discutir a possibilidade de desfazer o acordo de corte de produção, o que poderia aliviar os preços. Além disso, a produção de petróleo dos EUA está aumentando bastante firmemente.

É normal ter picos de curto prazo nos preços do petróleo, que são movidos pelo medo e não pelos fundamentos, disse Slaughter.

Os ministros da OPEP e de não membros da OPEP se reunirão em 22 de junho para tomar uma decisão final sobre a flexibilização da oferta.

“Eles querem estabilidade no mercado”, disse Slaughter. E, portanto, o desenrolar do acordo será um movimento gradual em vez de uma ação única, acrescentou.

Revolução do petróleo de xisto nos EUA

A OPEP, liderada pela Arábia Saudita, ditou em grande parte os preços do petróleo no passado. A ascensão da produção do petróleo de xisto nos EUA, no entanto, mudou a dinâmica do mercado do petróleo nos últimos anos.

A revolução do xisto que começou com o desenvolvimento de novas tecnologias na extração do petróleo impulsionou a produção do petróleo dos EUA em 80% desde 2012. Em novembro, a produção dos EUA ultrapassou 10 milhões de bpd pela primeira vez em 48 anos.

O aumento na produção norte-americana causou um excesso global de oferta, pressionando os preços do petróleo. Devido a um declínio acentuado nos preços entre 2014 e 2017, cerca de um terço das empresas de xisto faliram ou ficaram financeiramente estressadas.

No entanto, alguns produtores de xisto permaneceram resilientes ao reduzir os custos para um nível sustentável.

Hoje, os níveis atuais de preços em torno de US$ 60 a US$ 70 por barril permitem que os produtores de petróleo de xisto reinvistam em poços de perfuração e acrescentem capacidade com fluxo de caixa livre em vez de dívida, segundo Slaughter.

Muitas dessas empresas foram altamente alavancadas no boom dos preços do petróleo anteriores a 2014. Com maior fluxo de caixa, estes produtores de xisto agora podem desalavancar e ter um balanço mais saudável e sustentável.

 
Matérias Relacionadas