Pesquisa classifica Facebook como ‘pior empresa de 2021’

Após um ano de polêmica, a empresa de tecnologia terminou em primeiro lugar em uma corrida em declínio, de acordo com uma nova pesquisa do Yahoo Finance

Por Nicholas Dolinger

Meta Platforms, antes conhecida como Facebook, foi declarada “a pior empresa de 2021” nos resultados de uma pesquisa de audiência conduzida pela plataforma Yahoo Finance.

A pesquisa, que entrevistou 1.541 leitores, viu o Facebook receber 8% do total de votos para a distinção vergonhosa.

Os entrevistados foram polarizados em suas avaliações da empresa de tecnologia e expressaram razões conflitantes para seu desdém. Conservadores e dissidentes expressaram frustração com a empresa de tecnologia por censurar e discriminar abertamente suas opiniões. No entanto, os progressistas frequentemente reclamaram que a empresa não foi longe o suficiente em seus esforços para erradicar a chamada desinformação, com muitos alegando que a empresa não suprimiu adequadamente as visões céticas sobre a pandemia do vírus do PCC (Partido Comunista Chinês) e a eleição presidencial de 2020 nos EUA.

Em setembro passado, o Facebook foi analisado pelo The Facebook Files, uma série de artigos investigativos publicados pelo Wall Street Journal que foram baseados em vazamentos fornecidos pela denunciante, Frances Haugen. Grande parte da publicidade em torno dos vazamentos se concentrou no impacto do Instagram (uma afiliada da Meta Platforms) nas adolescentes e no aparente desrespeito da empresa por essas preocupações. Haugen também alegou que o potencial de radicalização do Facebook contribuiu para genocídios na Birmânia e na Etiópia, entre muitas outras preocupações expressas nos artigos.

Além disso, a empresa está sob o escrutínio dos reguladores antitruste há vários anos. No ano passado, a Federal Trade Commission e os procuradores-gerais de 48 estados processaram o Facebook por supostas violações das leis antitruste. Aquele processo específico contra a empresa foi julgado como juridicamente insuficiente, mas o processo ainda está pendente, visto que o Tribunal considera a extinção do processo por completo.

Talvez devido a essa publicidade negativa, o Facebook mudou o nome da empresa-mãe, que supervisiona suas plataformas, para Meta Platforms, em outubro passado. O novo nome coincide com a ênfase crescente de Zuckerberg no conceito de “metaverso”, um conceito no qual a Internet se apresentaria como um mundo tridimensional simulado acessível por meio da realidade virtual. O metaverso proposto pelo Facebook não foi menos controverso, com os críticos chamando-o de tudo, desde ridículo a distópico.

Ainda assim, o valor das ações da Meta cresceu 22% nesse último ano, um pouco atrás do S&P, mas não é uma crise para os investidores. Por questões estritamente financeiras, a Meta parece estar em muito melhor forma do que a pior empresa em segundo lugar em 2021: a gigante chinesa do comércio eletrônico Alibaba, que viu o preço de suas ações cair mais de 50% após um ano tumultuado de assédio por parte do Partido Comunista Chinês.

No entanto, o Facebook está envolvido em polêmica desde o seu início, e isso não o impediu de se tornar uma potência da computação. Portanto, não está claro se essa publicidade negativa servirá como um impedimento significativo para a empresa, que permanece líder em mídia social, apesar do conjunto de publicidade negativa que recebeu.

O Facebook / Meta Platforms não respondeu a um pedido de comentário.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas