Pequim faz propaganda no Facebook para avançar agenda de Taiwan, segundo documentos vazados

Regime chinês investe até US$ 1,5 bilhão por ano para promover sua imagem em todo o mundo

Por Eva Fu

O Facebook se tornou a mais recente plataforma para o regime chinês expandir sua propaganda de que Taiwan pertence à China, revelaram documentos divulgados pelo Epoch Times.

Pequim reivindica a ilha autônoma como parte de seu território, apesar de Taiwan ter seu próprio exército, governo e moeda eleitos democraticamente.

Pesquisadores e autoridades de Taiwan destacaram anteriormente tentativas indiretas de influenciar os eleitores de Taiwan para eleger candidatos políticos apoiados por Pequim para ocupar cargos públicos – incluindo disseminar desinformação no Facebook – esforços alinhados aos objetivos de Pequim de convencer o povo de Taiwan a aceitar a unificação com o continente. Mas os esforços foram difíceis em localizar diretamente o regime.

Os documentos são os primeiros a confirmar a mão direta do regime chinês na criação e disseminação dessa propaganda no Facebook, fomentando sentimentos pró-unificação.

Documentos do governo da cidade de Pequim, datados no início de junho e enviados como relatórios a altos funcionários para mostrar suas “realizações”, fornecem evidências de que o regime está usando várias páginas de proxy do Facebook para promover a reivindicação de soberania de Pequim e a ideia de uma invasão militar de Taiwan.

De 25 de maio a 8 de junho, as plataformas publicaram pelo menos 74 mensagens em quatro páginas, projetadas para “esvaziar o ar insolente dos grupos pró-independência de Taiwan e contrastar com o tratamento do surto China-EUA e Taiwan, a fim de demonstrar as vantagens do nosso sistema”, de acordo com o documento. O termo “pró-independência” tem sido uma acusação pró-forma de Pequim incriminar pessoas e atos que demonstram orgulho ou solidariedade com a identidade de Taiwan, como agitar bandeiras de Taiwan.

Uma captura de tela de um vídeo de 2 de junho de 2020 criado por autoridades de Pequim para promover a prontidão militar da China contra Taiwan (Captura de tela via Facebook)
Uma captura de tela de um vídeo de 2 de junho de 2020 criado por autoridades de Pequim para promover a prontidão militar da China contra Taiwan (Captura de tela via Facebook)

As páginas têm nomes obscuros com um número de seguidores modesto, que varia de algumas centenas a mais de 8000 seguidores. Mas o esforço provou ser recompensado: cinco dos vídeos de uma página com melhor desempenho receberam mais de 30.000 curtidas, compartilhamentos, comentários e cliques em um período de duas semanas, segundo o documento.

Provocação militar

O vídeo principal, que mostra um hipotético ataque militar a Taiwan, atraiu mais de 137.000 reações dos usuários em um período de 13 dias e foi visto 1,02 milhão de vezes nesse período. O vídeo afirma que os soldados chineses são invencíveis e que Taiwan “deve se unir” ao continente. O título do vídeo dizia: “Se a guerra começar amanhã, aqui está a resposta do Exército de Libertação do Povo Chinês (PLA)”.

Atualmente, o vídeo tem cerca de 800 comentários e cerca de 2000 curtidas. Custa cerca de US$ 400 para impulsionar a publicação, de acordo com o documento.

Uma captura de tela de um vídeo de 2 de junho de 2020 criado por autoridades de Pequim para promover a prontidão militar da China contra Taiwan (Captura de tela via Facebook)
Uma captura de tela de um vídeo de 2 de junho de 2020 criado por autoridades de Pequim para promover a prontidão militar da China contra Taiwan (Captura de tela via Facebook)

Outro vídeo, lançado em 1º de junho, afirmou que os torpedos avançados que os Estados Unidos venderam para Taiwan em maio foram “lixo” e não eram páreo para os militares chineses.

Além disso, Hu Guangqu, editor e repórter do site de notícias Huaxia Jingwei, afiliado ao estado, focado em Taiwan, até o final de 2019, apresentou um resumo do “trabalho especial de defesa de direitos do Facebook” em um documento de 7 de junho, afirmando que os vídeos tiveram um “impacto significativo” e “atraíram a atenção generalizada dos internautas no exterior e desencadearam discussões vigorosas”.

Hu admitiu, no entanto, que “a maioria deles [estrangeiros] acha que o EPL não se atreve a usar a força militar” contra Taiwan. Além disso, ele descobriu que, nos comentários do Facebook, muitos taiwaneses disseram que os Estados Unidos também iriam ajudar Taiwan em caso de invasão militar, escreveu ele no documento. Isso representa a maioria dos jovens de Taiwan “que têm um senso de identificação extremamente baixo com a pátria”, concluiu, descrevendo esses jovens como forças “radicais”.

“Apenas um pequeno número de usuários da Internet em Taiwan tem uma percepção introspectiva”, disse Hu.

O Facebook não respondeu a um pedido de comentário nas páginas do Facebook acima mencionadas.

Uma captura de tela de um vídeo de 2 de junho de 2020 criado por autoridades de Pequim promovendo a prontidão militar da China contra Taiwan (Captura de tela via Facebook)
Uma captura de tela de um vídeo de 2 de junho de 2020 criado por autoridades de Pequim promovendo a prontidão militar da China contra Taiwan (Captura de tela via Facebook)

Links do Estado

Huaxia Jingwei, com sede em Pequim, desempenhou um papel ativo na projeção de narrativas apoiadas pelo regime em Taiwan.

O site se descreve como um site que recebeu “grande interesse e forte apoio” do Escritório de Assuntos de Taiwan e do Escritório de Informações do Conselho de Estado, ambos órgãos de trabalho do governo central chinês.

O site de notícias também se vangloriava de ser listado como um projeto governamental chave em 2006, como parte do plano de cinco anos do regime chinês. Wang Daohan, ex-presidente da Associação de Relações do Estado e amiga da unificação do outro lado do Estreito de Taiwan, criou o próprio nome do site.

Zhu Ming, comentarista de assuntos chineses de Nova Iorque, chamou o site de “frente de propaganda pró-unificação” de Pequim, que opera através de vários proxies.

Ele observou que o site usa a escrita tradicional chinesa em vez de caracteres padronizados e simplificados no continente, sugerindo que seu público-alvo são os leitores que não são do continente. Os residentes de Taiwan e Hong Kong usam predominantemente caracteres tradicionais.

Estratégias para publicidade

Embora o regime chinês, através de sua censura cada vez mais rigorosa na Internet, bloqueie por muito tempo o acesso de usuários do continente ao Facebook, Twitter e YouTube, também recorre cada vez mais a essas plataformas para alcançar seus pontos de vista vista ao público internacional.

Todos os principais meios de comunicação estatais chineses abriram contas no Twitter e no Facebook. Alguns, como o China News Service e o China Central Television (CCTV), investiram centenas de milhares de dólares para aumentar sua presença nas mídias sociais no exterior.

Em um documento de concurso público no site do governo central chinês, datado de 16 de agosto de 2019, que já foi removido, o Serviço de Notícias da China solicitou 1,25 milhão de yuans (US $ 176.461) ao governo para aumentar sua 580.000 seguidores no Twitter, e outros 1,2 milhão de yuans (US $ 169.403) para outros 670.000 seguidores no Facebook.

Um vídeo do Facebook da mídia estatal chinesa China Daily defendendo a lei de segurança nacional em Hong Kong em 10 de julho de 2020 (Captura de tela via Facebook)
Um vídeo do Facebook da mídia estatal chinesa China Daily defendendo a lei de segurança nacional em Hong Kong em 10 de julho de 2020 (Captura de tela via Facebook)

A Freedom House, uma agência de defesa dos direitos humanos sediada nos Estados Unidos, descobriu que as contas da mídia estatal chinesa estão entre as quatro das cinco páginas de mídia que mais crescem no Facebook desde meados de novembro até meados de dezembro de 2019. Com cada uma delas com dezenas de milhões de seguidores, essas contas fizeram uma presença on-line formidável, constituindo três das 10 maiores contas de mídia do Facebook em 2019, segundo a empresa de marketing de rede Socialbakers.

Essa influência secreta levou o Twitter, Facebook e YouTube a suspender mais de 1.000 contas no total em agosto de 2019, em um esforço para desmantelar uma campanha de desinformação apoiada por Pequim que denegriu os manifestantes de Hong Kong. Um estudo realizado em março pelo site de notícias investigativas ProPublica também acompanhou mais de 10.000 contas no Twitter suspensas, falsas ou seqüestradas, em relação ao regime chinês, que realizou propaganda coordenada em torno da resposta de Pequim ao surto de vírus.

Em um relatório de março de 2019 intitulado “A China segue uma nova ordem mundial da mídia”, a organização internacional sem fins lucrativos Repórteres Sem Fronteiras disse que o regime chinês investe até 10 bilhões de yuans (US$ 1,5 bilhão) por ano para promover sua imagem em todo o mundo.

Siga Eva no Twitter: @EvaSailEast

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

 
Matérias Relacionadas