Pequim acelera destruição de arquivos no exterior diante das medidas contra espionagem chinesa dos EUA 

Atividades de consolidação do Partido no exterior referem-se aos esforços do PCC para expandir sua influência global

Por Cathy He

O Partido Comunista Chinês (PCC) ordenou que certas células do Partido no exterior destruíssem documentos confidenciais e salvaguardassem os segredos do Partido, em resposta ao escrutínio mais rigoroso do Ocidente das atividades secretas do regime no exterior, de acordo com um documento interno obtido pelo Epoch Times.

Um anúncio feito em agosto pela gigante estatal chinesa do petróleo, a China National Petroleum Corporation (CNPC), instruiu que os escritórios da empresa em mais de dez países estrangeiros, incluindo Austrália e Canadá, devem “destruir ou transferir urgentemente os documentos sensíveis” relacionados com “as atividades de consolidação do Partido no exterior”.

As atividades de consolidação do Partido no exterior, de acordo com o comentarista chinês Qin Peng, de Nova Iorque, referem-se aos esforços do PCC para expandir sua influência global. Com este programa, os consulados chineses podem instruir as empresas multinacionais chinesas a realizar tarefas que vão além de suas operações comerciais, como coletar inteligência, roubar informações confidenciais e influenciar autoridades locais, disse Qin.

A CNPC é a terceira maior empresa de petróleo do mundo e tem operações em 75 países, de acordo com seu site. Como a maioria das empresas chinesas, a gigante do petróleo tem uma unidade do PCC embutida em sua organização, para garantir que obedece às regras do Partido em suas atividades comerciais. A empresa tem mais de 1,3 milhão de funcionários em todo o mundo e cerca de 700.000 membros do Partido em 2018, de acordo com o site da empresa.

O anúncio ordena que os membros do partido da empresa não revelem informações confidenciais às autoridades locais.

“Quando sujeitos a investigações estrangeiras, membros do Partido e altos funcionários devem respeitar [o princípio de] ‘manter estritamente os segredos do Partido’”, diz o documento. “Esta é uma regra de ferro e disciplina.”

Esta ordem foi dada em resposta a medidas recentes tomadas pelos Estados Unidos e outros governos ocidentais, de acordo com o documento, e citou um incidente ocorrido na Austrália, onde autoridades revistaram e apreenderam telefones celulares e computadores de funcionários diplomáticos chineses por conterem material relacionado ao PCC. O documento não detalhou este incidente.

Nos últimos meses, os Estados Unidos intensificaram seus esforços para combater a espionagem e a influência maliciosa da China. O governo Trump ordenou em julho o fechamento do consulado chinês em Houston, dizendo que o posto diplomático era um “centro de espionagem e roubo de propriedade intelectual”. Agentes federais também fizeram uma série de prisões de supostos militares chineses disfarçados que estudavam no país e que, segundo promotores, fazem parte de uma rede maior que abrange 50 cidades nos Estados Unidos.

As operações secretas de influência estrangeira do regime também foram o foco de atenção em muitos países democráticos, particularmente na Austrália, onde o governo reforçou as ações visando a influência chinesa na política e nos campi universitários.

Nicholas Eftimiades, um ex-oficial de inteligência dos EUA e autor do livro “Operações de Inteligência Chinesa”, disse ao Epoch Times que o incidente na Austrália pode ter se referido a uma apreensão não relatada por oficiais de fronteira em as portas de entrada do país, ou a recente invasão na casa de um chinês-australiano como parte de uma investigação sobre a interferência estrangeira chinesa.

Em junho, a polícia australiana invadiu a casa de John Zhang, um cidadão australiano naturalizado e assessor de um político estadual, e apreendeu materiais como provas no computador. De acordo com os documentos do tribunal, Zhang estava sendo investigado por supostamente esconder que estava agindo “em nome de, ou em colaboração com” órgãos-chave do PCC, incluindo o Ministério da Segurança do Estado, o principal órgão de inteligência do regime e o Departamento do Trabalho da Frente Unida, o ramo do Partido que supervisiona as operações de influência estrangeira do regime.

Passando para a clandestinidade

O anúncio dizia que Estados Unidos, Reino Unido, Austrália, Canadá e Nova Zelândia eram “países muito suscetíveis” e ordenava aos funcionários desses países que apagassem tudo, desde materiais de consolidação do Partido, dispositivos eletrônicos e destruição de arquivos físicos. Nos casos em que os documentos não possam ser destruídos, eles devem ser “lacrados e guardados” em local seguro ou entregues na embaixada da China no Camboja, conforme instruções do documento.

Na Austrália e no Canadá, os funcionários da CNPC são obrigados a relatar ao consulado chinês local a situação de como lidaram com “informações confidenciais urgentes”, disse o aviso.

O documento também exige que todas as organizações partidárias no exterior da empresa, particularmente aquelas localizadas na Malásia, Cingapura e Arábia Saudita, devem “aceitar proativamente o papel de liderança do comitê do Partido na embaixada chinesa no Camboja”.

Nem a CNPC nem a embaixada chinesa no Camboja responderam às perguntas do Epoch Times no momento da publicação deste artigo.

As instruções também enfatizaram a limitação da exposição pública das atividades do Partido no exterior. O documento proibia a promoção de eventos nas redes sociais chinesas, como Weibo e WeChat, e a emissão de declarações públicas sobre tais atividades. Comunicações sobre membros ou organizações do Partido e relatórios sobre as atividades de consolidação do Partido devem ser enviados por meio de canais criptografados. Os membros do partido também foram proibidos de hastear a bandeira nacional da China, usar a insígnia do partido e exibir o conteúdo das atividades do partido em quadros de avisos.

Além disso, ao conduzir atividades de construção do Partido, os funcionários não devem revelar a identidade dos membros do Partido e suas posições dentro do Partido, dizia o aviso.

“Controle de dano”

Eftimiades disse que é muito provável que este pedido tenha sido feito a outras empresas estatais. O aviso, disse ele, revelou uma “operação global extraordinária para proteger informações e restringir atividades para que não apareçam no radar de governos estrangeiros.”

O regime está agora em uma posição de “controle de danos”, depois de ter causado fortes reações dos governos ocidentais por uma série de comportamentos, que vão desde sua agressão militar no Mar da China Meridional, até sua disputa fronteira com a Índia, disse Eftimiades.

O controle de danos envolve a destruição e obtenção de evidências, ao mesmo tempo em que moderam as atividades para que observadores externos não percebam o regime como uma ameaça, segundo Eftimiades.

James Carafano, vice-presidente do Instituto de Segurança Nacional e Política Externa da Heritage Foundation, disse que esse movimento não é surpreendente, já que o regime provavelmente prevê um escrutínio muito maior dos países ocidentais.

“Se há uma coisa em que eles são realmente bons, é encobrir seus rastros”, disse Carafano ao Epoch Times.

O anúncio também revela a estreita cooperação entre o regime e as empresas estatais, disse Eftimiades.

“Um grande aspecto disso é o papel dos consulados em dirigir e coordenar as atividades das empresas estatais no exterior”, disse ele.

O regime chinês também revela publicamente como os consulados chineses presidem as empresas chinesas no exterior.

Um documento sobre “diretrizes de prevenção de riscos” para empresas chinesas no exterior, encontrado no site do Ministério das Relações Exteriores da China, afirma que as empresas devem se registrar nos consulados locais e aceitar suas “orientações e gestão”.

No caso de “incidentes relacionados à segurança” repentinos, as empresas chinesas devem conduzir suas relações públicas sob a orientação dos consulados correspondentes e agências chinesas relacionadas, para “orientar positivamente a opinião pública”.

Em março de 2019, Qi Yu, secretário do comitê do Partido no Ministério das Relações Exteriores da China, organizou uma reunião, durante a qual o comitê disse que os consulados chineses devem “melhorar seu entendimento político … para servir melhor” o partido.

Embora o documento sugira que o PCC se tornou mais cauteloso, os países não devem baixar a guarda, alertou Qin, acrescentando que, à medida que essas atividades vão para a clandestinidade, o regime chinês provavelmente se envolverá em ações mais secretas, e é uma ameaça de longo prazo da qual os países não devem desviar o olhar, acrescentou.

Siga Cathy no Twitter: @CathyHe_ET
Siga Frank no Twitter: @HwaiDer
Siga Eva no Twitter: @EvaSailEast

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas