Pedido de sanções do ativista de Hong Kong ganha apoio no Parlamento do Reino Unido

Nathan Law, ex-legislador de Hong Kong e ativista pró-democracia que atualmente vive exilado em Londres, escreveu ao secretário de Relações Exteriores da Grã-Bretanha, Dominic Raab, na sexta-feira, instando-o a impor sanções ao estilo de Magnitsky à chefe do executivo de Hong Kong

Por Alexander Zhang

O apelo de um ativista pró-democracia para impor sanções contra as autoridades chinesas e de Hong Kong foi apoiado por legisladores britânicos de todo o espectro político.

Nathan Law, ex-legislador de Hong Kong e ativista pró-democracia que atualmente vive exilado em Londres, escreveu ao secretário de Relações Exteriores da Grã-Bretanha, Dominic Raab, na sexta-feira, instando-o a impor sanções ao estilo de Magnitsky à chefe do executivo de Hong Kong, Carrie Lam e outras autoridades de Hong Kong e da China responsáveis ​​por abusos de direitos humanos na ex-colônia britânica.

O secretário de Relações Exteriores da Grã-Bretanha, Dominic Raab, chega a 10 Downing Street em Londres, Reino Unido, em 6 de abril de 2020 (Peter Summers / Getty Images)
O secretário de Relações Exteriores da Grã-Bretanha, Dominic Raab, chega a 10 Downing Street em Londres, Reino Unido, em 6 de abril de 2020 (Peter Summers / Getty Images)

“Como parte da Declaração Conjunta Sino-Britânica com força legal, o Reino Unido mantém uma posição única para defender Hong Kong”, escreveu Law na carta, publicada pela ONG Hong Kong Watch.

“Espero sinceramente que o governo do Reino Unido dê o passo decisivo de punir Carrie Lam e outras autoridades envolvidas, para enviar um sinal claro – não apenas para Pequim, mas também para outros países do mundo livre, de que devemos ficar firme contra um regime opressor que não respeita os direitos dos seus cidadãos ou as normas internacionais”.

“Por favor, proteja nossa crença comum na liberdade e nos direitos humanos, bem como na busca pela democracia em Hong Kong. Por favor, apoiem Hong Kong”, pediu ele.

Manifestantes seguram papéis em branco durante uma manifestação em um shopping center de Hong Kong em 6 de julho de 2020. Os habitantes de Hong Kong estão encontrando maneiras criativas de expressar sua discordância quando a polícia começou a prender pessoas que exibiam slogans políticos que agora são proibidos (Billy H.C. Kwok / Getty Images)
Manifestantes seguram papéis em branco durante uma manifestação em um shopping center de Hong Kong em 6 de julho de 2020. Os habitantes de Hong Kong estão encontrando maneiras criativas de expressar sua discordância quando a polícia começou a prender pessoas que exibiam slogans políticos que agora são proibidos (Billy H.C. Kwok / Getty Images)

A carta de Law é apoiada por um grupo multipartidário de 19 legisladores britânicos da Câmara dos Lordes e da Câmara dos Comuns, que enviaram uma carta separada ao Ministro das Relações Exteriores.

“Apoiamos Nathan em seu pedido, e esperamos que você também, e que o Reino Unido aplique sanções específicas aos responsáveis ​​pela erosão dramática das liberdades, autonomia e Estado de direito de Hong Kong”, disseram eles na carta.

“Também pedimos que apliquem essas sanções aos funcionários responsáveis ​​pelos crimes hediondos contra uigures e outras pessoas na Região Autônoma Uigur de Xinjiang (XUAR)”, disseram eles.

Um policial de choque aponta para uma mulher no chão após ser revistada durante uma manifestação em um shopping center em Hong Kong em 6 de julho de 2020 (Isaac Lawrence / AFP via Getty Images)
Um policial de choque aponta para uma mulher no chão após ela ser revistada durante uma manifestação em um shopping center em Hong Kong, em 6 de julho de 2020 (Isaac Lawrence / AFP via Getty Images)

Os signatários da carta incluem o ex-líder do Partido Conservador Sir Iain Duncan Smith, o ex-chanceler do Partido Trabalhista John McDonnell, o porta-voz de relações exteriores do Partido Liberal Democrata, Alistair Carmichael, e a ex-líder do Partido Verde, Baronesa Natalie Bennett.

Em 7 de agosto, a administração Trump sancionou Carrie Lam e 10 outras autoridades de Hong Kong e da China por minar a autonomia e as liberdades da cidade.

Os legisladores do Reino Unido pediram repetidamente ao governo do primeiro-ministro Boris Johnson que faça o mesmo. No início deste mês, o Grupo Parlamentar Multipartidário em Hong Kong pediu sanções urgentes contra Lam e o Comissário da Polícia de Hong Kong por permitirem violência policial excessiva contra manifestantes.

Cathy He e Eva Fu contribuíram para o desenvolvimento deste artigo.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:
 
Matérias Relacionadas