PCC pede mensagens de parabéns pelo 100º aniversário, mas não recebe nenhuma das democracias ocidentais

Pequim pediu a dignitários estrangeiros que enviassem tais mensagens de boa vontade ao PCC para manter as aparências

Por Frank Yue

As autoridades chinesas recentemente pediram aos líderes políticos estrangeiros que enviassem mensagens felicitando o Partido Comunista Chinês (PCC) por seu centenário.

O regime chinês afirma que o PCC recebeu mais de 1.300 mensagens de parabéns pelo aniversário, de acordo com Guo Yezhou, vice-diretor do Departamento Internacional do Comitê Central do PCC. Entre os remetentes estão mais de 150 chefes de estado e mais de 200 líderes de partidos políticos, disse Guo em entrevista coletiva em 28 de junho.

No entanto, Pequim pediu a dignitários estrangeiros que enviassem tais mensagens de boa vontade ao PCC para manter as aparências, informou a agência de notícias japonesa Sankei News em 1º de julho .

O veículo disse que o Partido Liberal Democrático do Japão (LDP) recebeu um pedido do lado chinês e enviou um “telegrama” em nome de seu secretário-geral, Toshihiro Nikai, por uma questão de cortesia.

O LDP não foi o único a se deparar com esse pedido de Pequim. O mesmo aconteceu com o Partido Social-democrata e o Partido Democrático Constitucional – a principal oposição, de acordo com o Sankei News.

A Radio France International disse que o líder russo Vladimir Putin expressou seus parabéns pessoalmente, embora Pequim esperasse que ele o fizesse como chefe de estado.

O PCC tende a prestar muita atenção ao número de mensagens de congratulações que recebe de governos estrangeiros ou partidos políticos e é extremamente sensível às críticas de nações estrangeiras.

Até agora, o PCC não recebeu parabéns dos líderes das democracias ocidentais, de acordo com relatos da mídia.

Além disso, algumas das mensagens vêm de líderes de uma longa série de partidos socialistas ou comunistas estrangeiros, como Gennady Zyuganov, presidente do Partido Comunista da Federação Russa; Ahmed Bahaa El-Din Shaaban, Secretário-Geral do Partido Socialista Egípcio; Prachanda, presidente do Partido Comunista do Nepal; Fabien Roussel, secretário nacional do Partido Comunista Francês; entre outros.

No entanto, Akira Koike, secretário geral do Partido Comunista Japonês, não enviou nenhuma saudação ao PCC. Em vez disso, ele culpou a China pelas violações dos direitos humanos em Hong Kong e pela invasão das ilhas Senkaku no Japão, de acordo com uma reportagem do Sankei News em 1º de julho .

Um dia antes do aniversário, em 30 de junho, o senador dos Estados Unidos Marco Rubio pediu ao mundo que não “esquecesse a longa história de atrocidades do PCC e o lado negro persistente de seu governo opressor” em um artigo publicado na Newsweek.

“Um século de miséria”, Rubio descreveu a ascensão e o governo do PCC na China.

Entre para nosso canal do Telegram.

Siga o Epoch Times no Gab.

Veja também:

 

 
Matérias Relacionadas