PCC culpa Rússia por ser fonte do recente aumento da COVID-19 na China

Por Alex Wu

O regime comunista chinês está culpando a Rússia pela recente ascensão da COVID-19 na cidade chinesa de Nanjing. Enquanto isso, um documento oficial interno que vazou mostra que o regime vê a Rússia como a maior fonte de infecções vindas do exterior.

Desde 20 de julho, o vírus do PCC (Partido Comunista Chinês) , comumente conhecido como o novo coronavírus, ressurgiu na cidade de Nanjing , na província de Jiangsu , se espalhando por pelo menos 18 províncias e cidades da China continental. O Aeroporto de Nanjing Lukou foi identificado como a fonte desta série de surtos. De 20 de julho até o presente, a província de Jiangsu relatou um total de 642 casos locais confirmados. Devido ao encobrimento da epidemia pelo regime chinês, o número real de casos infectados não é claro.

Em 30 de julho, Ding Jie, vice-diretor dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças de Nanjing, afirmou em uma entrevista coletiva que a sequência genética dos primeiros casos relatados de limpadores de cabines no aeroporto era consistente com a sequência de um caso importado relatado no voo CA910 da Rússia em 10 de julho. A limpeza trabalhou naquele avião.

Os residentes fazem fila para receber testes de ácido nucleico para COVID-19 em Nanjing, província de Jiangsu, leste da China, em 21 de julho de 2021 (STR / AFP via Getty Images)

Informações públicas mostram que o voo CA910 viaja regularmente de Moscou, na Rússia, para Nanjing via Air China. Voa todos os sábados e o último voo foi em 17 de julho. De acordo com a mídia estatal chinesa, o voo CA910 foi temporariamente suspenso até 10 vezes por ter infectado passageiros desde o ano passado durante a pandemia.

O Epoch Times obteve um documento oficial interno do regime chinês mostrando que ele vê a Rússia como a principal fonte de infecções importadas de COVID-19.

O documento intitula-se “Breve Relatório (Número 396) do caso mais recente da situação epidêmica nacional”. O relatório é marcado como “material interno”.

O conteúdo deste relatório resume a situação da epidemia local e dos casos importados, incluindo tabelas estatísticas.

Policiais russos patrulham a Praça Vermelha em frente à Catedral de São Basílio em Moscou, Rússia, em 30 de março de 2020. (Dimitar Dilkoff / AFP via Getty Images)

De acordo com a “Overseas Epidemic Import Statistics Table” do documento, os cinco principais países listados como fontes de casos COVID-19 importados para a China são Rússia (950), Estados Unidos (475), Reino Unido (424), Filipinas (335) e os Emirados Árabes Unidos (176). O regime chinês vê a Rússia como a maior fonte de casos importados para a China, que é o dobro dos Estados Unidos.

O comentarista de assuntos atuais Li Linyi acredita que com base nas acusações das autoridades de Nanjing contra a Rússia e no documento interno do Conselho de Estado do PCC, parece que a retórica oficial unificada do regime é culpar os países estrangeiros por serem a fonte dos surtos de COVID-19 na China. Caso contrário, parecerá que os oficiais do PCC não são eficientes no combate à epidemia e será difícil para eles manterem suas posições oficiais. Li disse ao Epoch Times: “Na verdade, as infecções locais por COVID-19 na China continental nunca pararam, é só que o PCC está encobrindo isso. Quando está fora de controle e exposto ao público, as autoridades transferem a culpa para outros países ”.

Com informações de Gu Qing’er.

Entre para nosso canal do Telegram

Siga o Epoch Times no Gettr

 
Matérias Relacionadas