Países mais afetados pelo coronavírus adiaram precauções devido aos vínculos com a China, afirmam especialistas

A grande maioria dos casos relatados após 25 de fevereiro vem de fora da China, com Itália, Irã e Coreia do Sul emergindo com grandes aglomerados de surtos e contribuindo para a maioria das mortes

Por Venus Upadhayaya

Itália, Coreia do Sul e Irã se tornaram epicentros do surto de coronavírus iniciado em Wuhan, na China. Especialistas disseram que os laços econômicos e políticos desses países com a China facilitaram a disseminação do vírus, que agora se manifesta como uma pandemia global, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

O vírus de Wuhan apareceu no final de 2019 e já infectou mais de 142.000 pessoas em todo o mundo. Agora, é altamente provável que esse número aumente, de acordo com um relatório da OMS divulgado em 14 de março.

A grande maioria dos casos relatados após 25 de fevereiro vem de fora da China, com Itália, Irã e Coreia do Sul emergindo com grandes aglomerados de surtos e contribuindo para a maioria das mortes.

“O que foi inicialmente visto como um choque da China agora é entendido como uma crise global”, disseram Stephanie Segal e Dylan Gerstel, especialistas em CSIS, em uma análise publicada na quarta-feira.

À medida que a crise aumenta a incerteza e leva ao que Segal e Gerstel chamam de “volatilidade do mercado financeiro que foi vista pela última vez durante a crise financeira global”, pessoas preocupadas com a situação na Itália, Irã e Coreia do Sul discutiram a causa ligada à China com o Epoch Times.

Profissionais de saúde carregam uma caixa em Wuhan, província de Hubei, China, em 10 de março de 2020 (Stringer / Getty Images)

Itália e sua dependência da China

A China é um dos maiores parceiros comerciais da Itália e os chineses são uma das maiores comunidades de imigrantes do país. Especialistas e políticos acreditam que o relacionamento econômico e político da Itália com a China contribuiu para a crise do coronavírus no país.

A autoridade de proteção civil da Itália disse que 1.441 pessoas morreram pelo vírus Wuhan, enquanto no sábado 21.157 estavam infectadas, informou a Reuters.

Andrea Delmastro Delle Vedove, um político italiano do partido conservador nacional Fratelli d’Italia (Irmãos da Itália), disse ao Epoch Times que a atual crise mostra que a interdependência com a China pode ser problemática.

“É claro que o coronavírus abre um cenário perturbador que nos diz que a interdependência com a China pode ser um problema, não apenas do ponto de vista econômico ou industrial, mas também da segurança nacional, da prevenção de doenças em nível nacional. Disse Delle Vedove, membro da comissão de relações exteriores de seu partido.

Delle Vedove tem motivos para se preocupar, mais de 3 milhões de turistas chineses visitaram a Itália em 2018, segundo a Reuters. Os três primeiros casos de coronavírus apareceram na Itália no final de janeiro, e dois deles eram turistas chineses, segundo o The Guardian.

Isso levou o país a fechar as conexões de transporte com a China. À medida que o vírus e o sentimento anti-chinês se intensificaram, as empresas chinesas na Itália também aumentaram suas tentativas de mudar a opinião pública.

A empresa chinesa de eletrônicos de consumo Xiaomi doou dezenas e milhares de máscaras FFP3 para a Itália na semana passada, de acordo com uma publicação no Facebook de 5 de março na página da empresa. Mas Delle Vedove disse que o ato contribuiu para o aumento do medo.

“Também temos medo deles quando nos trazem presentes, porque se o coronavírus não tivesse chegado, não precisaríamos de suas máscaras, e poderíamos ter enfrentado o coronavírus se eles tivessem contado imediatamente a verdade desse demônio, nascido na China”, disse o político.

Corroborando o que Delle Vedove disse, dois especialistas em Carnegie, Paul Haenle e Lucas Tcheyan, escreveram em uma análise no mês passado que “a contínua opacidade de Pequim apenas alimentou mais especulações sobre as verdadeiras origens da crise e a extensão de sua disseminação”.

Enquanto Delle Vedove manifestou preocupação com o “demônio nascido na China”, o presidente italiano Sergio Mattarella visitou uma escola em Roma com estudantes, principalmente chineses, no início do mês passado para acalmar sentimentos e demonstrações anti-chinesas. amizade com a China, de acordo com a Reuters.

Após o gesto de amizade de Matharella com a China, o líder chinês Xi Jinping agradeceu-lhe algumas semanas depois em uma mensagem lida pelo embaixador chinês em Roma, Li Junhua, durante um concerto no palácio presidencial, informou a agência de notícias italiana ANSA. .

“Este é outro gesto concreto que mostra que a verdadeira amizade é vista em momentos de necessidade e estou profundamente comovido”, informou a carta de Jinping.

Para Delle Vedove, isso é motivo de preocupação. Ele acusou a China de não ser um país seguro e transparente e disse que a China não respeita nenhuma regra, apenas as usa a seu favor, apesar de ser membro da Organização Mundial do Comércio (OMC).

Contatos de alto nível do Irã com a China

Enquanto o vírus continuou a se espalhar da Itália para a Europa, no Oriente Médio ele se espalhou no Irã. Especialistas dizem que o surto de coronavírus indica contatos de alto nível entre os regimes iraniano e chinês.

Os relatórios dizem que as vias aéreas iranianas de Mahan continuaram a voar entre várias cidades iranianas e chinesas, apesar da proibição declarada pelo regime iraniano em 31 de janeiro, colocando em risco a saúde pública no Irã e de todo o Oriente Médio.

Um comunicado de 2 de fevereiro, no site das companhias aéreas, disse que os voos de ida e volta a China pararam no final de fevereiro.

“Como @khamenei_ir sabe, a melhor defesa biológica teria sido dizer ao povo iraniano a verdade sobre o vírus de Wuhan quando ele se espalhou da China para o # Irã”. Em vez disso, ele manteve os voos da Mahan Air indo e vindo para o epicentro na China e aprisionando os que denunciavam”, disse o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, em uma mensagem no Twitter em 13 de março.

A Mahan Airlines foi sancionada pelo Tesouro dos Estados Unidos em 2011 por seus laços com o Corpo da Guarda Revolucionária Iraniana, um ramo do exército iraniano que foi declarado Organização Terrorista Estrangeira pelo governo Trump no ano passado.

Manjari Singh, especialista em Oriente Médio do Instituto do Oriente Médio em Nova Délhi, disse ao Epoch Times, por e-mail, que o caso do Irã é curioso porque está isolado devido a sanções econômicas e políticas, mas também foi afetado por causa da pandemia.

“Dessa maneira, significa que você não está tão isolado quanto pensa!” disse ela.

Bombeiros iranianos desinfetam as ruas em um esforço para impedir a disseminação selvagem do coronavírus COVID-19, em Teerã, Irã, em 13 de março de 2020 (EFE / EPA / ABEDIN TAHERKENAREH)

Um relatório da Rádio Farda, uma estação de língua persa apoiada pelo Congresso dos Estados Unidos, corroborou o que Manjari disse. Ele informou que, apesar da proibição, um voo Mahan (W578) voou de Pequim para Teerã em 21 de fevereiro.

“Além disso, o primeiro surto foi na cidade de Qom, que é uma cidade religiosa, e é por isso que é feito um grande número de peregrinações, mas também é a cidade onde a maioria dos projetos chineses está estabelecida. Portanto, o link chinês está lá”, disse Singh.

Nicole Robinson, assistente de pesquisa para o Oriente Médio da Heritage Foundation, sediada em Washington, também disse ao Epoch Times em um e-mail que centenas de estudantes chineses e clérigos menores estudam nos seminários iranianos em Qom.

Singh disse que houve, desde o início, um grande acobertamento e falta de transparência sobre o surto de vírus de Wuhan no Irã.

“O Irã provavelmente não queria que seu comércio com a China fosse interrompido e foi por isso que levou a propagação do vírus com tanta crueldade e não a revelou”. Nenhuma medida de precaução foi tomada e as viagens de ida e volta à China não foram controladas”, disse Singh.

Um relatório do The Atlantic levanta as preocupações de Singh e Robinson. Ele disse que nos dias 4 e 5 de março, dois vôos de evacuação, transportando cidadãos chineses, poderiam deixar Teerã para a província chinesa de Gansu. Onze dos 311 examinados pelas autoridades chinesas no aeroporto foram infectados.

A Agência de Notícias da República Islâmica (IRNA), uma agência de mídia estatal iraniana, informou que 724 pessoas morreram devido ao coronavírus em 15 de março. Por outro lado, em 14 de março, a secretaria do Conselho Nacional de Resistência do Irã (NCRI), um grupo anti-regime, afirmou em um comunicado que o número de mortos já ultrapassou 4.500.

A Rádio Farda também relatou o acobertamento do regime iraniano em 9 de março e citou o site de notícias pró-Rouhani Entekhab, que disse que o número de mortos por coronavírus era de mais de 2.000 pessoas no país.

Indignação na Coreia do Sul diante da conciliação com a China

À medida que a crise do coronavírus se intensificava na Coreia do Sul, o sentimento anti-chinês no país também se intensificava e as pessoas culparam o governo por não impor restrições de viagem à China durante os primeiros dias do surto.

Bruce Klinger, pesquisador principal da The Heritage Foundation para o nordeste da Ásia, disse que enquanto o presidente sul-coreano Moon Jae-in quer que a China facilite seu diálogo com a Coreia do Norte antes das eleições na Assembleia Nacional que estão chegando em 15 de abril, as pessoas não estão contentes com isso.

“O coronavírus teve um impacto devastador na economia sul-coreana. Críticos acusam Moon de ser muito conciliatório com Pequim, hesitando em impor restrições de viagens a visitantes chineses nos estágios iniciais do surto”, disse Klingner ao Epoch Times por e-mail.

O público sul-coreano ficou muito zangado com o Presidente Moon depois que ele enviou US$ 5 milhões em equipamentos médicos a Wuhan nos primeiros dias do surto. As coisas pioraram depois disso, quando o vírus se espalhou rapidamente dentro da Coreia do Sul fazendo com que o público buscasse por serviços de saúde e culpasse a China pela situação que estava enfrentando.

Uma equipe médica veste equipamentos de proteção enquanto transporta um paciente infectado com o novo coronavírus de uma ambulância para um hospital em Seul, Coreia do Sul, em 9 de março de 2020 (Chung Sung-Jun / Getty Images)

Mais de 1,4 milhão de sul-coreanos assinaram uma petição no site presidencial desde 11 de março, exigindo que o presidente Moon seja removido em decorrência de sua administração do coronavírus e por suas políticas pró-China.

“Quanto mais o presidente Moon Jae-in responder ao problema de pneumonia (novo coronavírus) na China, maior a probabilidade de vê-lo como presidente da China, não como presidente da Coreia do Sul”, afirmava a petição.

“Na Coreia, o preço das máscaras disparou mais de 10 vezes e esgotou, dificultando a compra de máscaras por falta do produto”, afirmou.

A petição também culpou o governo sul-coreano por não restringir a entrada da China em seu país. Após o surto, 5 milhões de chineses entraram na Coreia do Sul antes do bloqueio ser estabelecido em Wuhan.

Siga Venus no Twitter: @venusupadhayaya

 
Matérias Relacionadas